ACOMPANHE-NOS    
JULHO, SÁBADO  11    CAMPO GRANDE 19º

Economia

Focos de raiva em bovinos são confirmados em três cidades de MS

Iagro confirma a morte de 35 animais em decorrência da doença

Por Priscilla Peres | 15/08/2017 11:06
Bovino morto, em decorrência da raiva; imagem ilustrativa (Foto: Divulgação)
Bovino morto, em decorrência da raiva; imagem ilustrativa (Foto: Divulgação)

A Iagro (Agência Estadual de Vigilância Sanitária Animal e Vegetal) confirmou hoje (15), a ocorrência da doença raiva em bovinos de três cidades de Mato Grosso do Sul e emitiu alerta para todas as propriedades rurais da região, próximas ao rio Amambai e afluentes. Trinta e cinco animais já morreram em decorência da doença.

A doença foi encontrada em animais de Aral Moreira, Amambai e Coronel Sapucaia e, na região, a vacinação antirrábica deve ser aplicada em todo o rebanho o quanto antes. Já foram visitadas 40 propriedades nas três cidades.

De acordo com a Iagro, o comunicado sobre a doença e alerta para os cuidados imediatos já foi feito aos sindicatos rurais de Aral Moreira, Amambai, Coronel Sapucaia, Laguna Caarapã, Caarapó e Juti.

O órgão vinculado à Semagro (Secretaria de Estado de Meio Ambiente, Desenvolvimento Econômico, Produção e Agricultura Familiar), informa qe os produtores devem aplicar a vacinação antirrábica urgente do rebanho, prioritariamente das propriedades que margeiam o rio Amambai e seus afluentes.

Além disso, devem comunicar o escritório da Iagro mais próximo sobre qualquer mortalidade de herbívoros com sintomatologia nervosa e/ou sobre conhecimento de possíveis abrigos dos morcegos hematófagos (casas e poços abandonados, cavernas, árvores ocadas, turbina), para controle, como forma de evitar maiores prejuízos e prevenção de novos casos.

Se forem observados animais com sintomas da doença, a Iagro deve ser notificada para que possa fazer coleta de material para exames laboratoriais. O órgão esclarece que esse procedimento não tem custo para o produtor e a suspeita ou diagnóstico de raiva não ocasiona na interdição da ficha sanitária ou no sacrifício de animais sadios.

(Matéria editada às 11h22 para acréscimo de informações)