A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Terça-feira, 23 de Maio de 2017

06/05/2017 09:57

Governo receberá modelo federal para privatizar companhia de gás de MS

Mato Grosso do Sul ainda não decidiu se entregará a distribuidora à iniciativa privada

Ricardo Campos Jr.
MS Gás está na lista das distribuidoras de gás estatais que podem ser privatizadas (Foto: divulgação)MS Gás está na lista das distribuidoras de gás estatais que podem ser privatizadas (Foto: divulgação)

O BNDES (Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social) vai elaborar um modelo para a privatização da MSGÁS e distribuidoras de outros oito estados do país. Segundo a assessoria de imprensa do Governo de Mato Grosso do Sul, a União autorizou a transferência dos ativos do setor energético como condição para renegociar as dívidas das unidades federativas.

Também estão na lista das estatais que terão o processo acompanhado pela instituição financeira a Bahiagás (Bahia), BR-ES (Espírito Santo), PBGÁS (Paraíba), Copergás (Pernambuco), Potigás (Rio Grande do Norte), Sulgás (Rio Grande do Sul), SCGÁS (Santa Catarina) e Sergás (Sergipe).

Contudo, o Executivo esclarece que o Governo Federal abriu a possibilidade e não está obrigando a venda das companhias.

Se Mato Grosso do Sul optar pela privatização segundo o modelo determinado pelo BNDES, a transferência dos ativos à iniciativa privada só deve acontecer em meados do primeiro semestre de 2018.

O banco nacional afirmou ao Campo Grande News que também vai ajudar a modernizar os contratos e melhorar a qualidade do serviço prestado pelo setor, mesmo se a MSGÁS continuar com o poder público.

Negócios – O governador Reinaldo Azambuja (PSDB); o presidente da MSGÁS, Rudel Trindade e secretários de estado participaram de uma reunião na sexta-feira (5) na Bolívia onde foram assinados dois memorandos de entendimento para manifestar a intenção de consolidar futuros acordos de compra e venda de gás natural.

Mato Grosso do Sul e outros estados do Codesul (Conselho de Desenvolvimento e Integração Sul) querem comprar o produto diretamente do país vizinho a partir de 2019, quando se encerra o contrato entre a YPFB e a Petrobras.




imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions