ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
JUNHO, SÁBADO  15    CAMPO GRANDE 22º

Economia

Levantamento de abril mostra que construir em MS custa R$ 1.689 m²

Pesquisa aponta que o valor é 3,8% menor que a média da região Centro-Oeste

Por Natália Olliver | 12/05/2024 12:46
Trabalhador da construção civil em obra de casas em Campo Grande (Foto: Marcos Maluf/Arquivo)
Trabalhador da construção civil em obra de casas em Campo Grande (Foto: Marcos Maluf/Arquivo)

O metro quadrado para construir em Mato Grosso do Sul fechou o mês de abril valendo R$ 1.689,49, com a diferença que no cálculo agora já é considerada a desoneração da folha de pagamento das empresas do setor da construção civil. Esse é o segundo mês em que o valor permanece sem alterações. O estado está entre os com menor taxa de oscilação mensal (0,4%).

O valor é referente tanto à mão de obra quanto ao preço dos materiais usados. Os dados são do Sinapi (Sistema Nacional de Pesquisa de Custos e Índices da Construção Civil), divulgados pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística). Se comparado a média da região Centro-Oeste (R$ 1.757,56), o índice do Estado está 3,8% menor.

A pesquisa não detalha números regionais quanto a varição de todos os  produtos usados nas construções. No panorama nacional. O custo da construção, por metro quadrado, que foi de R$ 1.736,37, sendo R$ 1.007,30 relativos aos materiais e R$ 729,07 à mão de obra.

A parcela dos materiais apresentou índice 0,11%, mantendo o patamar dos últimos meses. Houve  queda de 0,02 ponto percentual em relação ao mês anterior (0,13%). Com relação a abril de 2023 (0,42%), houve queda de 0,31 ponto percentual.

Mão de obra em MS - Em Mato Grosso do Sul, apesar da demanda por obras estar crescendo e seguindo tendências nacionais, princialmente no setor de habitação popular, o cenário esbarra em um velho problema: mão de obra. O engenheiro civil Gustavo Souza Castro, de 39 anos, afirma que encontrar pessoas para trabalhar em construções do tipo tem sido desafiador.

“Número de funcionários, entre próprios e terceiros, a demanda é crescente em torno de 80%. Está sendo um ‘dificultor’ para cumprir os cronogramas, muitas das vezes sendo necessária a extensão do previsto inicialmente”, afirmou.

Para Diego Canzi, titular da Acomasul (Associação dos Construtores de Mato Grosso do Sul) esse também é um problema constante. “A questão de mão de obra qualificada é um problema eterno. Azulejista, encanador, calheiro, eletricista, está difícil de achar. É uma mão de obra escassa. Abre curso na escola de construção do Sistema S, não tem procura, a adesão é muito baixa, o pessoal não se interessa”.

Receba as principais notícias do Estado pelo Whats. Clique aqui para acessar o canal do Campo Grande News e siga nossas redes sociais.

Nos siga no Google Notícias