ACOMPANHE-NOS    
AGOSTO, SEXTA  07    CAMPO GRANDE 28º

Economia

Mesmo com queda de 20%, Dia dos Pais deve movimentar R$ 130 milhões em MS

Estudo levou em conta o atual cenário da pandemia da covid-19 e as restrições sociais e de locomoção impostas pelas prefeituras

Por Gabriel Neris | 15/07/2020 15:28
Movimentação de pessoas em frente de lojas da Rua 14 de Julho, na Capital (Foto: Kísie Ainoã)
Movimentação de pessoas em frente de lojas da Rua 14 de Julho, na Capital (Foto: Kísie Ainoã)

Pesquisa de intenção de compras para o Dia dos Pais, celebrado no dia 9 de agosto, estima movimentação de R$ 130,96 milhões, redução de 20% em comparação com o ano passado, que teve projeção de R$ 163,70 milhões.

O estudo levou em conta o atual cenário da pandemia da covid-19 e as restrições sociais e de locomoção impostas pelas prefeituras na tentativa de frear a disseminação da doença.

Em um cenário pós-pandemia, os pesquisadores do IPF-MS (Instituto de Pesquisa e Desenvolvimento Fecomércio) e Sebrae-MS apontaram que as vendas poderiam chegar a R$ 140,63 milhões.

“Percebemos que a intenção de consumo está muito aquém do esperado, mas que já está menos pior, na comparação aos meses anteriores. Esse resultado um pouco mais otimista também pode estar associado a redução da velocidade com que as demissões estão ocorrendo, principalmente no terceiro bimestre do ano”, explica a economista Daniela Dias.

Artigos de vestuário foram os mais citados pelos entrevistados, 27% no total, enquanto produtos de cosméticos (perfume, loção pós-barba) foram citados por 15%, e relógios somaram 12%. Ao menos 18% disseram que ainda não sabem o que comprar.

De acordo com a pesquisa, 49% dos entrevistados pretendem comprar algum presente, representando uma movimentação financeira de R$ 79,02 milhões, 12% a menos que no ano anterior. A média, por presente, é de R$ 124,59.

As comemorações da data foram citadas por 38% dos participantes, um faturamento de R$ 51,94 milhões, 30% a menos que em 2019. A média de gastos está estipulada em R$ 102,60.

A pesquisa foi realizada por telefone com 1.693 pessoas entre os dias 22 de junho e 5 de julho em Campo Grande, Dourados, Corumbá, Ladário, Bonito, Coxim, Três Lagoas e Ponta Porã.