A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sexta-feira, 15 de Dezembro de 2017

17/02/2014 09:23

Prefeituras cortam gastos e até riscam carnaval de calendário em MS

Luciana Brazil
Carnaval em Costa Rica em 2012. (Foto: Costa Rica em Foco)Carnaval em Costa Rica em 2012. (Foto: Costa Rica em Foco)

Na tentativa de cortar gastos, prefeituras do interior do Estado reduziram a verba para o carnaval deste ano. Algumas até riscaram o evento do calendário, como foi o caso de Sidrolândia, a 71 quilômetros de Campo Grande.

A festa que é a cara do país terá menos investimento municipal em 2014 na maioria dos municípios em Mato Grosso do Sul. A medida seria para controlar o rombo em algumas administrações.

Em Rio Verde do Mato Grosso, a 207 quilômetros da Capital, o orçamento deste ano não vai ultrapassar os R$ 60 mil. Conforme o assessor especial de Turismo e Meio Ambiente do município, Celso Mateus Lima, os custos foram reduzidos drasticamente.

“Quando fizemos a cotação para a festa, só a banda era R$ 80, 60 mil, fora estrutura, palco, iluminação. Então decidimos reduzir e fazer uma festa diferente”, disse se referindo ao primeiro carnaval automotivo na cidade.

O corte vai resultar, segundo ele, em investimento em outros setores, como educação e saúde. “O município está com dificuldades financeiras e acabamos optando por fazer algo diferente e mais barato”.

Na praça da cidade, até às 23 horas , equipes formadas por carros estarão liberadas a tocar qualquer música no veículo. Mas a partir das 23 horas todos os veículos serão ligados uns nos outros e tocarão a mesma música.

Se a ideia emplacar, a intenção é que nos próximos anos a festa se repita, de forma barata e “popular”. A expectativa para os cinco dias de carnaval é de cerca de 20 mil pessoas na praça da cidade. Mas os foliões ainda podem optar pelos dois balneários que devem atrair de 10 a 15 mil pessoas durante o carnaval.

Novidades a parte, o município de Sidrolândia preferiu cortar a festa do calendário, pelo menos neste ano. Conforme a administração municipal, o valor orçado para a realização do evento foi muito alto, por isso a decisão foi não realizar o carnaval.

O prefeito Ari Basso informou que outras prioridades foram estabelecidas para o ano de 2014, como as áreas da saúde e da educação.

Em nota, o município informou que “tem consciência de que a população precisa e merece momentos de lazer e entretenimento e por intermédio da Fundação de Cultura, realizará ao longo do ano, eventos que proporcionem cultura e lazer aos moradores de Sidrolândia”.

Em Costa Rica, a 305 quilômetros de Campo Grande, a situação não é diferente. O repasse municipal em 2014 será menor do que no ano passado. Dos R$ 299 mil investidos em 2013, apenas R$ 200 mil farão parte do investimento para festa deste ano.

Porém, mesmo com praticamente R$ 100 mil a menos, em Costa Rica o folião poderá assistir ao show do Gerasamba e do Grupo Tradição.

“O prefeito avaliou o valor e achou que deveria reduzir para aplicar em coisas mais importantes”, disse a secretária municipal de Turismo, Meio Ambiente, Esporte e Cultura, Eliana Teodoro Lopes.

Mas ela garante que apesar dos cortes, a qualidade da festa será a mesma. Lá, são esperadas até 10 mil pessoas por dia.

Em Paranaíba, a 422 quilômetros da Capital, a programação já está fechada. Mas a economia do município foi tanta que foi aberta licitação para todos os setores da festa como infraestrutura e empresas de segurança, tudo para garantir o menor preço.

Segundo a comissão organizadora do carnaval, os recursos eram insuficientes para contratar shows de grandes artistas, mas ainda assim haverá bandas e DJ’s.

Com a temática Copa do Mundo e com o tema “Carnaíba 2014- A alegria está de volta”, a festa terá abertura oficial no dia 27 de fevereiro. Além do concurso para rei e rainha momo, o carnaval em Paranaíba, conhecida com Carnaíba, terá também concurso dos melhores blocos de rua com premiações que vão até 2 mil.

Os adereços usados para a decoração da festa serão mantidos até a Copa do Mundo, em junho, tudo para evitar gastos e o desperdício. A expectativa é de reunir 5 mil pessoas por dia.

Talvez o único município ouvido pela reportagem que garantiu investimento maior que o do ano passado foi Jardim, a 233 quilômetros de Campo Grande. Serão investidos R$ 300 mil no carnaval da cidade, valor maior que em 2013.

Com a montagem de mais um palco neste ano, a cidade espera receber 20 mil foliões, segundo o diretor do Departamento de Turismo e Cultura, Wilson Brito.



Mantenho o comentário! Ainda que seja por esse motivo, ou em razão do caixa 2 das campanhas, melhor cortar gastos do carnaval do que de outra conta realmente importante!
 
Josiany Andrin em 18/02/2014 09:43:05
Na boa, acho que não estão ''cortando'' o carnaval por causa dos gastos excessivos, mas sim para o caixa da campanhas deste ano. Interesses. #Sóacho
 
Natty Campos em 17/02/2014 14:30:13
Demonstração de responsabilidade uma pinóia Josiany Andrin.
Isto é pura demonstração de descontrole nas contas. Gastaram horrores durante 3 anos e agora no último têm que cortar gastos para todos os lados por causa da prestação de contas no fim do mandato e não cair Lei de Responsabilidade Fiscal.
 
Sergio Arantes em 17/02/2014 13:49:17
parabéns rio verde! todos os outros carnavais que acabaram: jardim, bonito etc, eram movidos pelo som automotivo, se tiver segurança e cerveja gelada, será a receita do sucesso, parabéns pela iniciativa!
 
jorge pereira mendes em 17/02/2014 12:44:08
Caso especial é o de Bonito, onde a Prefietura propôs o repasse de mais de 300 mil para uma entidade filantrópica realizar o Carnaval. O absurdo foi contestado pelo MP e sabe-se lá a quantas anda o andamento do Carnaval.
 
laercio miranda em 17/02/2014 12:12:05
Apoiado. Seria uma vergonha gasta nosso dinheiro com esta festinha que agrada a poucos tendo outros serviços que atendem a todos em estado precário. Parabéns aos prefeitos que tomaram esta atitude.
 
Luis Cristian em 17/02/2014 12:07:07
Demorooouuuuuu!!!! Excelente demonstração de responsabilidade na administração dos recursos públicos, que já vêm sendo tão aviltados nesse país! Há áreas de muito mais urgência e necessidade sociais à espera de investimentos. Nosso prefeito devia seguir o exemplo dessas demais cidades e excluir o carnaval da agenda orçamentária da capital!!!
 
Josiany Andrin em 17/02/2014 10:29:08
Independente de economia, carnaval em Rio Verde acabou faz tempo. Som automotivo? Isso não vai dar certo. A cidade é só buracos e está sem infra-estrutura? Fazer um carnaval bom até que dá, para isso basta diminuir os preços estratosféricos nos balneários e com os fornecedores da prefeitura.
 
Carlos Figueiredo em 17/02/2014 10:04:12
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions