A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Segunda-feira, 18 de Dezembro de 2017

10/09/2012 18:23

Para Fiems, tarifa menor de energia aumentará competitividade da indústria

Helton Verão

Para residências queda foi de 16,2% e 28% para indústria

Competitividade na indústria deve aumentar, prevê Fiems (Foto: Divulgação)Competitividade na indústria deve aumentar, prevê Fiems (Foto: Divulgação)

A presidente da República Dilma Rousseff anunciou na última quinta-feira (6) a redução da tarifa de energia elétrica para o setor industrial, que deve chegar a 28%.

Para o diretor-corporativo da Fiems, Jaime Verruck , isso irá contribuir aumentar a competitividade das indústrias sul-mato-grossenses. “O setor carece de competitividade mundial e o Governo tem sido sensível com as demandas das indústrias”.

A elevação do dólar frente ao real também foi lembrada, a redução da taxa básica de juros e a desoneração da folha. “A energia elétrica é um componente importante no custo de produção da indústria e isso vai favorecer a competitividade do setor. A ideia é aumentar a exportação, bem como as vendas no mercado interno”, avaliou.

Jaime Verruck prevê que o Governo vai mexer sobre a tributação incidente sobre a tarifa, não alterando a remuneração das concessionárias de energia. “Nós acreditamos que vai chegar aos 28% de redução porque é esse índice que a indústria precisa para se tornar mais competitiva. A ideia é que essa redução tributária seja de longo prazo e permanente”, pontuou.

O Estado é o 4º no ranking dos Estados com as tarifas mais caras do País, essa redução fará com que algumas indústrias se tornem mais competitivas e invistam mais, dado que a participação da energia elétrica no custo de produção vai de 3% a até 30%.

Segundo Verruck todos os segmentos da indústria são penalizados pela alta carga tributária, mas as indústrias siderurgias, com certeza, sofrem mais, pois têm um consumo muito alto de energia elétrica e quase metade da tarifa brasileira é formada por encargos e tributos. Atualmente, sem a redução anunciada pela presidente, o custo médio da tarifa de energia elétrica para a indústria no Brasil é de R$ 330 por megawatt/hora, o 4º valor mais alto do mundo, atrás apenas do cobrado na Itália, na Turquia e na República Tcheca.

O diretor-corporativo da Fiems prevê que, a partir de 2013, o PIB Industrial deve apresentar uma melhora significativa, pois todas essas medidas permitem esse crescimento. “Essa medida também vai reduzir a inflação. Além disso, a indústria estadual trabalha como uma expectativa de crescimento, principalmente, tanto nas exportações, como no consumo do mercado interno”, garantiu.

Procon da Capital abre campanha para orientar comércio e consumidor no Natal
O Procon (Subsecretaria de Proteção e Defesa do Consumidor) de Campo Grande dá início nesta segunda-feira (18) a uma semana de orientação e atendimen...
Os limites do “desculpe, seu score está baixo”
Imagine a seguinte situação. Você está navegando em uma grande loja de comércio eletrônico e escolhe um novo celular para compra. Na hora do pagament...
Confaz aprova incentivos fiscais concedidos pelo Governo de MS
O Confaz (Conselho Nacional de Política Fazendária) aprovou a convalidação de todos os incentivos fiscais concedidos pelo Governo do Estado em Mato G...


Quero so ver se vai abaixar mesmo. pois quando falam em aumento no proximo mes ja vem com o aumento agora quando falam em abaixar. demora meses.......
 
thiago souza em 10/09/2012 07:53:45
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions