ACOMPANHE-NOS    
SETEMBRO, QUINTA  23    CAMPO GRANDE 25º

Economia

Rússia libera exportação de carne de dois frigoríficos no Estado

Por Vinícius Squinelo | 11/10/2013 19:30

O Serviço Federal de Vigilância Sanitária e Fitossanitária da Rússia (Rosselkhoznadzor) liberou hoje (11) seis frigoríficos brasileiros para a exportação de carne bovina. Dos seis estabelecimentos autorizados, dois deles estão em Mato Grosso do Sul.

De acordo com o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, em reportagem da Agência Brasil, a informação foi publicada no site oficial do órgão russo nesta sexta-feira (11). Agora, o ministério aguarda o comunicado oficial das autoridades russas para permitir os embarques de mercadoria às empresas liberadas.

A Rússia é o segundo maior importador da carne bovina brasileira, atrás apenas de Hong Kong. Para mantê-la como mercado, o Brasil tem optado por adequar-se às exigências sanitárias do país, que são mais rigorosas do que as locais.

Os seis estabelecimentos autorizados pertencem às empresas JBS e Marfrig e ficam em São Paulo, Goiás, Mato Grosso e Mato Grosso do Sul. Segundo o ministério, nenhum dos locais faz parte da relação das dez que foram suspensas pela Rússia em meados de setembro. Desta lista de proibição, nenhum estabelecimento é de Mato Grosso do Sul.

De acordo com a assessoria de comunicação do órgão, são unidades que estão sendo autorizadas pela primeira vez ou voltando a exportar. Duas delas ficam em Mato Grosso do Sul, estado que, ao lado do Paraná e do Rio Grande do Sul, sofreu restrições do governo russo por um longo período para exportação de carne bovina, suína e de aves.

Após uma visita ao Brasil em julho, as autoridades russas enviaram relatório ao governo brasileiro em setembro avisando sobre a suspensão de nove unidades processadoras de carne bovina e uma de carne suína em diversos estados. Na ocasião, o Ministério da Agricultura disse que se uniria ao setor privado para fornecer dados aos russos e que o Brasil buscaria sanar as inconformidades com as normas sanitárias do país.

Nos siga no Google Notícias
Regras de comentário