A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Domingo, 25 de Junho de 2017

25/11/2016 16:28

Taxas indevidas e vendedor insistente estão entre os problemas da liquidação

Elci Holsback
Consumidor deve ficar atento às condições oferecidas pelas lojas (Foto: Renata Volpe)Consumidor deve ficar atento às condições oferecidas pelas lojas (Foto: Renata Volpe)

Cartazes anunciando descontos que, muitas chegam a 80% em temporada de Black Friday são de encher os olhos, mas o consumidor precisa estar atento aos detalhes por trás da oportunidade de adquirir um produto mais barato e não cair na armadilha da "black fraude", conforme orienta a superintendente do  Procon - MS, Rosimeire Cecília da Costa. É importante sempre ficar atento a cada detalhe durante as compras, sejam elas em lojas físicas ou virtuais para evitar transtornos", destaca Roseimeire.

Já no primeiro dia de promoção, há consumidor arrependido com a compra, pois, se sentiu lesado durante a liquidação. "Houve denúncia de um consumidor que efetuou sua compra on-line e se arrependeu ao perceber que o site embutia no valor pago a tarifa do ICMS (Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços), o que não é legítimo. Neste caso, o valor do desconto proposto para aquele produto acaba alterado e não é vantajoso ao comprador", comenta.

A superintendente alerta ainda que antes de se animar a visitar os sites de promoções ou passear pelas lojas em busca de produtos mais baratos, o consumidor precisa ficar atento a informações que podem mudar o valor do produto, como juros de parcelamento, quem se responsabiliza pelo frete, no caso de compra virtual e, acima de tudo a idoneidade da loja.

"É obrigação do vendedor apresentar aos clientes de maneira clara se no caso das compras parceladas haverá juros que alteram o preço final do produto e qual será o valor da parcela. Nossa maior recomendação no ambiente virtual é para que o cliente confira o endereço do site e em cada detalhe descrito na promoção. Em caso de dúvida, procure outra página", destaca.

Aquele simpático vendedor que sempre quer mostrar um produto que o cliente nem demonstrou interesse também está agindo de maneira equivocada. Insistir para que o consumidor compre ou ao menos conheça determinado produto é errado, a equipe precisa estar bem preparada. É preciso atender bem, mas jamais induzir o cliente".

Trocas também estão previstas, independente do período de promoção, mas desde que seja por avaria do produto, o que garante 7 dias para troca mediante apresentação da nota fiscal. 

Para colaborar com a população durante esse período de liquidação, o Procon - MS divulgou uma lista de recomendações para não ser enganado no Black Friday.

- Guardar todas as notas fiscais;

- Atenção redobrada nas compras on-line. É essencial gravar as telas e todas as comunicações eventualmente realizadas, no caso das lojas virtuais; 

- Verificar a segurança do site e optar por sites com boa reputação. Antes de clicar em um link, passar o mouse em cima para verificar se o endereço que aparece na barra inferior do navegador é o mesmo;

- Para compras feitas fora do estabelecimento comercial (telefone, internet, etc), o consumidor tem um prazo de sete dias para desistir, sem precisar justificar o motivo. O prazo começa a contar a partir de seu recebimento;

- Checar sempre as condições de entrega e o valor do frete. 

A superintendente do Procon reforçou ainda que para de Mato Grosso do Sul, os consumidores tem que fazer valer a Lei nº 3.903, de 19 de maio de 2010, que obriga os fornecedores de bens e serviços localizados no Estado a fixar data e turno para a entrega dos produtos ou realização dos serviços aos consumidores. “As entregas devem ocorrer na hora e períodos estipulados pelos consumidores”, explica Rosimeire.

O suporte aos consumidores conta com pesquisa do site Reclame Aqui, também utilizada pelo Procon. Segundo o levantamento, os  brasileiros estão atentos às possíveis armadilhas das liquidações. Em 2014, a ferramenta registrou 12 mil queixas, entre fila de espera das lojas virtuais, dificuldade de finalizar compra e alteração de preço. Em 2015 o número reduziu para 4,4 mil reclamações e as principais queixas foram relacionadas à propaganda enganosa, problemas para finalizar compra e divergência de valores.

O consumidor que se sentir prejudicado pode procurar o Procon/MS, em Campo Grande, localizado na Rua Treze de Junho, 930 – Centro ou pelo telefone (67) 3316-9800.

Na Capital, Black Friday não empolga, mas descontos compensam
Movimento nas lojas do centro foi tranquilo na manhã de sexta-feira....
Procon realiza pesquisa de preços em produtos usados nas festas de São João
O Procon (Superintendência para Orientação e Defesa do Consumidor) realizou uma pesquisa de preço de 45 produtos típicos em festas de São João. Os da...



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions