A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Segunda-feira, 18 de Dezembro de 2017

04/11/2013 17:16

Tomate e banana puxam alta da cesta básica na Capital

Lidiane Kober

De setembro a outubro deste ano, o preço do tomate e da banana aumentou, respectivamente, 13,88% e 9,88% e puxou a alta de 1,12% da cesta básica em Campo Grande. Por outro lado, o valor do feijão caiu 7,15% e do alface, 4,27%, ajudando a equilibrar as contas.

De acordo com pesquisa da Semac (Secretaria Estadual de Planejamento), o custo da cesta básica individual passou de R$ 274,48 a R$ 277,56. De um universo de 15 produtos, sete registraram alta. É o caso do tomate, da banana, carne (3,90%), macarrão (2,44%), sal (2,27%), laranja (1,53%) e do leite (0,44%).

Ao mesmo tempo, além do feijão e do alface, baixou o preço da batata (1,61%) e do açúcar (0,79%), enquanto a margarina, óleo, pão (francês) e arroz mantiveram o mesmo valor.

Segundo a equipe técnica da Semac, o aumento do preço do tomate é reflexo da redução na produtividade por conta da incidência de pragas nas lavouras. No caso da banana, não houve concentração de oferta e a qualidade da produção foi boa, atraindo mais consumidores.

Em época de colheita, aumentou a oferta de feijão, alface e da batata, o que resultou na queda nas cotações. De forma geral, nos 12 últimos meses, o preço da cesta básica aumentou 5,98%. Nos últimos seis meses, os campeões em redução de preço foram o tomate, a batata, o alface, o feijão e o óleo.

Ao mesmo tempo, a banana, macarrão, leite, pão (francês) e carne foram os produtos que mais encareceram a cesta alimentar. Com base no preço global, em média, o trabalhador comprometeu 40,94% do salário mínimo de R$ 678,00 para comprar a cesta no mês passado.

Familiar – No quesito cesta básica familiar, composta por cinco produtos de higiene, sete de limpeza e 32 de alimentação, a alta foi de 0,68% em relação ao mês anterior, registrando a importância de R$ 1.263,26. Dos 44 produtos pesquisados, 21 aumentaram de preço, 16 apresentaram queda e sete mantiveram os valores inalterados.

No grupo Alimentação, a pesquisa apresentou variação positiva de 0,64%. Além do tomate e da banana, a farinha de trigo (8,17%) e mandioca (7,95%) foram os que apresentaram maior elevação de preço.
Do lado contrário, a cebola (22,96%), cenoura (17,10%), abobrinha (14,09%), alho (8,50%), café (4,23%), ovos (3,73%) e mamão (3,40%), junto com o feijão e o alface, registraram a maior redução de valor.

Higiene - O grupo Higiene Pessoal registrou alta de 0,81%. Os produtos que contribuíram para a elevação foram o sabonete (4,23%), dentifrício (2,70%) e o absorvente (1,44%).

Já os produtos em queda foram o papel higiênico (1,33%) e a lâmina de barbear (0,99%). No Grupo Limpeza Doméstica, o aumento foi de 1,60%, puxado pela elevação do preço do sabão em barra (5,33%), sabão em pó (2,46%) e do desinfetante (2,15%).

Procon da Capital abre campanha para orientar comércio e consumidor no Natal
O Procon (Subsecretaria de Proteção e Defesa do Consumidor) de Campo Grande dá início nesta segunda-feira (18) a uma semana de orientação e atendimen...
Os limites do “desculpe, seu score está baixo”
Imagine a seguinte situação. Você está navegando em uma grande loja de comércio eletrônico e escolhe um novo celular para compra. Na hora do pagament...
Confaz aprova incentivos fiscais concedidos pelo Governo de MS
O Confaz (Conselho Nacional de Política Fazendária) aprovou a convalidação de todos os incentivos fiscais concedidos pelo Governo do Estado em Mato G...


imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions