A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sábado, 16 de Dezembro de 2017

27/02/2010 16:31

Trabalhadores de frigoríficos querem reajuste de 15%

Redação

No próximo dia 5 de março acontece reunião para a discussão de propostas da convenção 2010/2011 dos trabalhadores do setor de frigoríficos da base do Sindmassa/MS (Sindicato Intermunicipal dos Empregados Vinculados nas Indústrias de Fabricação de Massa Alimentícias, Biscoitos, Macarrão, Panificação, Confeitaria, Laticínios, Frigoríficos Abatedores de Bovinos, Suínos, Levinos, Aves, Carnes e Produtos Derivados do Estado de Mato Grosso do Sul). Eles querem reposição de 15% linear, com elevações de salário em torno de R$ 750.

Atualmente, o piso salarial para a categoria atinge R$ 510, que foi acordado na última convenção da coletiva, equiparando-se assim ao salário mínimo. O aumento real foi de apenas 1,09%.

A proposta de piso foi referendada em cinco assembleias, realizadas em Rochedo, Coxim, Itaquiraí, Iguatemi e Porto Murtinho, em dezembro do ano passado, com a presença de 2,3% dos presentes, obedecendo a CLT (Consolidação das Leis Trabalhistas).

Para a convenção deste ano, a minuta está em apreciação pelo Sicadems (Sindicato das Indústrias de Carnes e Derivados de MS) e deverá ser avaliada na reunião de março.

Na opinião do secretário do Sindmassa/MS, Fábio Alex Salomão, as indústrias do setor têm as condições objetivas para conceder um reajuste que compense perdas acumuladas nos últimos anos.

Ele informa que a maioria da empresas que atuam em Mato Grosso do Sul apresentaram aumento nos lucros, constatados pelo crescimento nos abates, aberturas de novos mercados externos como o chinês, aquecimento do consumo interno de carnes, erradicação da febre aftosa, redução de carga tributária pelo governo federal e do ICMS pelo governo do estado, entre outros.

"Só o Friboi apresentou um crescimento do lucro real de 114% no ano passado, conforme estudo realizado pelo Dieese (Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos) ", explica o sindicalista.

Além do salário normativo no valor de R$ 750, os trabalhadores incluíram na minuta a negociação o PLR (Participação no Lucro e Resultados) ou multa de R$ 350 em caso de descumprimento, aumento de itens na cesta básica, redução da jornada de trabalho para 36 horas semanais, fim do trabalho aos sábados, entre outros fatores.

Já que o sindicato patronal propôs apenas a reposição da inflação 4,63% na realização sindical com as indústrias da base de Campo Grande, Salomão prevê o endurecimento na negociação.

Caso as negociações não contemplem aumento real de salário, a direção do Sindmassa/MS deverá encaminhar a demanda judicial junto ao TRT (Tribunal Regional do Trabalho) e ao STT (Superior Tribunal do Trabalho).

A proposta da convenção pode ser conferida aqui.

Os limites do “desculpe, seu score está baixo”
Imagine a seguinte situação. Você está navegando em uma grande loja de comércio eletrônico e escolhe um novo celular para compra. Na hora do pagament...
Confaz aprova incentivos fiscais concedidos pelo Governo de MS
O Confaz (Conselho Nacional de Política Fazendária) aprovou a convalidação de todos os incentivos fiscais concedidos pelo Governo do Estado em Mato G...
Consumidor terá 30 dias para contratar serviço de esgoto antes de ser multado
Será apresentado às 9h de segunda-feira (18) um termo de parceria entre o Procon-MS (Superintendência para Orientação e Defesa do Consumidor de Mato ...
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions