ACOMPANHE-NOS    
JANEIRO, QUARTA  26    CAMPO GRANDE 23º

Educação e Tecnologia

Governo investirá R$ 30 milhões para financiar pesquisas científicas

Programa será lançado no dia 6 de dezembro, às 14h430, pela Fundect

Por Ana Paula Chuva | 02/12/2021 13:39
Sede da Fundect em Campo Grande. (Foto: Divulgação)
Sede da Fundect em Campo Grande. (Foto: Divulgação)

O governo do Estado lança na próxima semana o MS+ Ciência. O programa prevê investimento de R$ 30 milhões em recursos para 11 chamadas, editais e convênios na área de ciência tecnologia e inovação para projetos em diversas áreas. O evento acontece às 14h30 do dia 6 de dezembro.

De responsabilidade da Fundect (Fundação de Apoio ao Desenvolvimento do Ensino, Ciência e Tecnologia), o programa vai beneficiar diversos pesquisadores de programas de pós-graduação e que desenvolvem projetos nas áreas de sustentabilidade, indústria, agronegócio, entre outros.

Entre eles, está a Fundect Universal 2021. O edital no valor de R$ 10 milhões contempla projetos de pesquisa e inovação que contribuam para o alcance dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentáveis da ONU (Organização das Nações Unidas) – Agenda 2030, objetivando ações do governo para fomentar a sustentabilidade, que devem tornar MS Estado Carbono Neutro até 2030.

No edital Mato Grosso do Sul para a Indústria, em parceria com o Senai, Sesi e Sebrae, serão investidos R$ 4,77 milhões e é voltado para empresas que apoiam o desenvolvimento de projetos, de produtos, serviços e processos de caráter inovador, novos ou aprimorados.

Neste caso, o investimento será composto por R$ 2 milhões do governo do Estado, R$ 2 milhões do Senai/Sesi e R$ 777 mil do Sebrae-MS.

Ainda em parceria com o Sebrae, será lançado o Plano de Trabalho do Projeto Pró-Pantanal, com assinatura de termo de cooperação técnica e financeira no valor de R$ 2,836 milhões, para elaboração e execução de editais de inovação, chamadas de projetos e concessão de bolsas, além de acompanhamento de empresas beneficiadas pelos editais de inovação dos programas Centelha e Tecnova.

Com objetivo semelhante, o Fundect Inovatec terá investimento de R$ 337 mil para desenvolvimento de talentos e aplicação de capital intelectual para acompanhamento e orientação de projetos de inovação, preferencialmente de startups, promoção de ecossistemas e ambientes de inovação e disseminação a cultura do empreendedorismo inovador e de base tecnológica.

Pós-graduação – Em atenção especial da Fundect, estão os programas de pós-graduação. Ação permitirá o investimento de R$ 3,312 milhões em 92 bolsas de mestrado profissional.

Além de R$ 3,288 milhões destinados a bolsas de mestrado, doutorado e pós-doutorados para programas consolidados no Estado, com conceitos Capes 5 ou 6. Ao todo, serão 60 bolsas sendo 20 de mestrado, 20 de doutorado e 20 de pós-doutorado, atendendo 10 programas de pós-graduação.

O governo também investirá R$ 600 mil no acordo UFMS – Fundect para contratação de pesquisadores visitantes recém-doutores na Universidade Federal de Mato Grosso do Sul e mais R$ 500 mil no Termo de Cooperação Fundect – Embrapii/UFMS, para a implementação da Unidade Agrotec, que receberá recursos financeiros para prospectar e executar projetos, nas linhas de pesquisa de Tecnologia de alimentos, Bioinsumos e Tecnologias para a Sustentabilidade do Agronegócio.

Agronegócio – Com investimento de R$ 3 milhões, o Convênio Fundems/Fundect – Safra 2022 permitirá a testagem, por parte de pesquisadores ligados à Fundação MS, da eficiência de defensivos agrícolas (inseticidas, herbicidas e fungicidas), combinados com diversas possibilidades de plantio, no controle dos principais problemas fitossanitários das culturas da soja e do milho.

E na mesma linha, o convênio Fundems/Fundect – Fundação Chapadão/Safra 2022, com R$ 1 milhão em recursos, possibilita o desenvolvimento de um plano tecnológico para a produção de soja e milho, nas condições das regiões norte e nordeste do Estado.

Por fim, serão destinados R$ 350 mil em apoio a piscicultura, desenvolvido pela UEMS (Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul) e Embrapa Pantanal, para a criação de protocolos e tecnologias para produção das espécies de peixes nativas de interesse comercial da região pantaneira, seja para consumo ou para utilização como isca viva na pesca profissional e esportiva.

Nos siga no Google Notícias
Regras de comentário