ACOMPANHE-NOS    
MAIO, TERÇA  11    CAMPO GRANDE 31º

Enquetes

Para maioria, MS se tornou mais violento durante a pandemia

Conforme resultado da enquete, 73% acreditam que violência tenha aumentado no período pandêmico

Por Guilherme Correia | 04/05/2021 07:38
Equipe da Guarda Civil Metropolitana fazendo ronda em Campo Grande (Foto: Henrique Kawaminami)
Equipe da Guarda Civil Metropolitana fazendo ronda em Campo Grande (Foto: Henrique Kawaminami)

Maioria dos leitores vê que a violência tem aumentado ao longo do último ano, marcado pela pandemia de covid-19. Conforme enquete, 73% dos respondentes concordam com essa hipótese.

Para a leitora Marilene Fonseca, que escreveu nas redes sociais do Campo Grande News, fatores como o aumento no desemprego tem feito com que mais pessoas se rendam ao crime. "Desemprego aumentou e a alimentação ficou muito cara", comenta.

De acordo com o último Anuário Brasileiro de Segurança Pública, elaborado pelo FBSP (Fórum Brasileiro de Segurança Pública), homicídios dolosos tiveram aumento de 6% em Mato Grosso do Sul - indo de 246 vítimas no 1º semestre de 2019 para 261 no mesmo período do ano passado.

Conforme a publicação, a pandemia tem feito com que haja um "reconfiguração do cenário criminal e da segurança pública", por conta de uma série de fatores, como por exemplo a crise econômica.

Além disso, vale ressaltar que mais pessoas têm ficado em casa, por obrigação ou por receio de exposição, o que faz com que a violência doméstica também ganhe condições para que aconteça mais frequentemente. "Mas é possível entender que alguns destes tipos de crimes parecem ter observado um aumento na subnotificação, tendo em vista a maior dificuldade de registros por parte das mulheres em situação de violência doméstica durante a vigência das medidas de distanciamento social".

Denuncie - Para casos de violência contra a mulher, denúncias podem ser feitas de forma gratuita e anônima ao telefone 180. Além disso, o disque 100 recebe acusações de violações de direitos humanos relacionadas a crianças e adolescentes, idosas e pessoas com deficiência.

Por fim, outros telefones também estão à disposição da população, como o 190 da Polícia, ou o 193 para emergências.

Campo Grande News - Conteúdo de Verdade


Nos siga no Google Notícias
Regras de comentário