A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Terça-feira, 12 de Dezembro de 2017


  • Jogo Aberto
  • Jogo Aberto

    jogoaberto@campograndenews.com.br


23/02/2016 06:00

Advogado condenado por racismo ocupa cargo público

Waldemar Gonçalves

Comissionado – Condenado a pagar indenização de R$ 17 mil a um bancário por racismo, o advogado Danilo José Medeiros Fligliolino tem cargo comissionado no Ministério Público de Contas, órgão do TCE-MS (Tribunal de Contas do Estado de Mato Grosso do Sul). Foi nomeado em abril de 2015 pelo procurador-geral de contas, José Aêdo Camilo. Conforme tabela remuneratória dos cargos comissionados do MPC, Fligliolino é assessor de procurador e tem salário de pelo menos R$ 10,6 mil.

Moda anti-PT – “De um tempo para cá, parece que virou moda falar mal do Brasil”. A frase abre discurso do ex-presidente Lula em propaganda do horário político do PT que vai ao ar nesta terça-feira (23). O trecho do discurso do principal líder petista, com 1m30s, foi postado pelo deputado federal Zeca do PT no Facebook ontem à tarde.

Não é qualquer um – No vídeo, Lula critica “essa gente que não gosta de dividir os assentos dos aviões com o nosso povo”, contrariando o discurso de crise. “Esse país não é qualquer um não, gente”, fala o ex-presidente, citando o papel do Brasil no agronegócio como um dos exemplos de grandeza da nação. No fim, uma autocrítica: “é verdade que erramos, mas acertamos muito mais e podemos melhorar muito mais ainda”.

Marqueteiro – Por falar em propaganda do PT, o marqueteiro João Santana, que teve a prisão pedida na Operação Lava Jato, já atuou em campanhas políticas em Mato Grosso do Sul. Em 2002, recebeu R$ 2,2 milhões na campanha de Delcídio do Amaral ao Senado. Dois anos depois, ao custo de R$ 1,6 milhão, trabalhou para Vander Loubet na disputa pela Prefeitura de Campo Grande. O deputado federal é, inclusive, um dos investigados por suspeita de integrar esquema de corrupção na BR Distribuidora.

Ruim, sqn – Se em nível nacional o PT busca fortalecer novamente sua imagem, diante de uma interminável Operação Lava Jato e a divisão do protagonismo político com o PSDB desde as eleições do ano passado, em Campo Grande, a saída do vereador Roberto Durães deixou o partido em situação no mínimo desconfortável. De um lado, os petistas perderam uma vaga na Câmara Municipal, mas, de outro, deixou ir embora um quadro considerado sem o perfil da sigla.

Fica para 2016 – Em nota distribuída ontem, o comando estadual petista diz lamentar a perda de uma cadeira no parlamento municipal, “conquistada com os votos da legenda do partido”. Mas, ressalta a falta de interesse de Durães em participar das atividades partidárias, além de posições e atitudes em discordância com as diretrizes do PT. Conclui afirmando que o jeito será tentar, em 2016, ampliar a bancada petista na Câmara da Capital.

Com dois – A escolha de quem será o novo procurador-geral de Justiça do Estado, nome dado ao cargo de chefe do MPE (Ministério Público Estadual), é feita pelo governador a partir de uma lista tríplice obtida com a votação entre os membros do órgão. Este ano, no entanto, apenas dois promotores estão na disputa: Gilberto Robalinho da Silva e Paulo Cezar dos Passos. A votação está marcada para 1º de abril.

Ainda é cedo – Enquanto partidos políticos se mexem de olho nas eleições de outubro, animados também por conta da janela de migração partidária, no TRE-MS (Tribunal Regional Eleitoral) ainda é cedo para tocar no assunto. O presidente da corte, desembargador Divoncir Schreiner Maran, não quis falar, ontem, dos planos da Justiça Eleitoral para o próximo pleito, falou apenas que em breve começarão as reuniões a respeito.

Situação difícil – Em discurso a estudantes, em evento no TRE-MS, ontem, o presidente da Assembleia Legislativa, Junior Mochi (PMDB), comentou que o Brasil vive uma situação difícil na política, um “momento de travessia entre o país que nós temos e aquele que queremos”, e que não se faz democracia forte com instituições fracas. Ainda disse que a democracia segue sendo o melhor regime para a sociedade.

Na própria carne – Enquanto isso, em Bela Vista, o vereador Johnys Basso (DEM) apresentou ontem projeto para que vereadores tenham o mesmo piso salarial de professores. Ou seja, a ideia é reduzir os vencimentos dos parlamentares dos atuais R$ 7,5 mil para R$ 2,1 mil mensais. O argumento é que atuação política não deve ser um meio de vida e, além disso, os salários dos vereadores não condizem com a realidade da maioria dos trabalhadores.

(com a redação)

Reinaldo apoia crescimento dos evangélicos
Decisão divina - Palestrante principal do Fórum Evangélico realizado nesta segunda-feira em Campo Grande, a cantora e pastora Damares Alves disse que...
2018 será ano mais curto para o Legislativo
Três meses – Carnaval, Semana Santa, campanhas eleitorais, Copa... Tudo isso encurta 2018 para os trabalhos legislativos. A observação é de Fábio Tra...
Máfia do Cigarro passa quase livre nas estradas
Esquema antigo - A atuação da Máfia do Cigarro em Mato Grosso do Sul vem de décadas e, de tempos em tempos, surge uma nova denúncia envolvendo polici...
MS também tem "bunker" cheio de dinheiro
Versão tupiniquim - O “bunker”de Geddel Vieira, que escondeu R$ 51 milhões de propina, tem versão pantaneira. Paredes de apartamento de um político e...


imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions