A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quarta-feira, 16 de Janeiro de 2019


  • Jogo Aberto
  • Jogo Aberto

    jogoaberto@campograndenews.com.br


18/09/2017 06:00

Coincidência trágica e violenta uniu Mayaras na Capital

Anahi Zurutuza

Coincidência trágica – Não só o nome, mas o destino trágico uniu duas Mayaras em Campo Grande. Mayara Amaral, de 27 anos, foi assassinada no dia 24 de julho e quase dois meses depois, nesta sexta-feira (15), Mayara Fontoura Holsback, 18, perdeu a vida de forma brutal.

Que sina – O assassinato da segunda Mayara, que está sendo tratado como feminicídio, aconteceu ainda dias antes de um dia histórico para Mato Grosso do Sul. Nesta segunda-feira (18), vai a júri o pedreiro acusado de ter torturado, estuprado e assassinado a ex-mulher em julho de 2015, o primeiro caso de feminicídio registrado no Estado.

Feminicídio ou não – Quando a primeira Mayara foi assassinada, a irmã dela foi às redes sociais para levantar a bandeira contra o feminicídio. O crime, tão brutal quanto, depois acabou enquadrado pela Polícia Civil e pelo MPMS (Ministério Público de Mato Grosso do Sul) como latrocínio (roubo seguido de morte).

Crime de que tipo? – Não importa muito qual a tipificação, na letra da lei, usada para enquadrar os assassinatos das duas Mayaras. A verdade, nua e crua, é que os crimes contra elas foram do tipo destruidor, dos sonhos, de famílias.

Divulgação gratuita – A polêmica levantada por três deputados estaduais sobre o quadro intitulado Pedofilia, um dos que compõe a exposição Cadafalso, acabou por ser uma prestação de serviço: o de publicidade gratuita para a mostra.

‘Ei! Eu existo!’ – O Marco (Museu de Arte Contemporânea), muitas vezes ignorado pela comunidade campo-grandense, também deve ter se sentido prestigiado, ao menos neste fim de semana, que recebeu visitantes para a exposição polêmica e as outras três disponíveis.

À vontade – O prefeito Marquinhos Trad (PSD) estava bem à vontade durante o Circuito Open de Vôlei de Praia em Campo Grande, neste domingo (17). Chamado pela torcida, ele foi para perto do povo, tirou a camiseta e atirou para as pessoas, se sentindo um próprio jogador do torneio.

Mais tímido – Reinaldo Azambuja (PSDB) também recebeu uma camiseta do principal patrocinador da competição, o Banco do Brasil, mas decidiu entrar em uma sala para trocar de roupa.

Da terra – O governador também fez questão de manter a hidratação em dia, tomando tereré enquanto assistia as partidas de vôlei. É a segunda vez que ele expõe esse lado “da terra”. A primeira foi no lançamento da música em homenagem aos 40 anos de Mato Grosso do Sul.

Alegria, alegria – Trazer de volta para Campo Grande o Circuito Open de Vôlei de Praia é "uma grande alegria", disse Reinaldo durante o evento. Disputado em todo País, a etapa do torneio na cidade representou uma "festa" com direito à uma performance de nível "altíssimo", completou o governador que acompanhou os jogos de domingo do início ao fim.

(Com Osvaldo Júnior, Mirian Machado e Mayara Bueno). 

 

Presa em operação adora posar com vereadora
No hospital - O empresário e ex-candidato a deputado estadual pelo PTC, Antônio João Hugo Rodrigues, deu um susto na família na noite de segunda-feir...
Picarelli queria TV, mas deve levar assessoria
Outra rota – Radialista e apresentador de TV, Maurício Picarelli (PSDB) teve o nome lembrado para a Fertel, fundação que comanda a TV Educativa e a r...
Cultura tem “concorrência” entre ex-secretário e suplente
A fila anda – Athayde Nery (PPS) havia descartado assumir a Fundação de Cultura do Estado, depois que a Secretaria de Cultura e Cidadania foi extinta...
Bloqueio de celular pirata não emplaca no presídio
Piratas 100% - Aqui em Mato Grosso do Sul, 1,9 mil celulares piratas já foram bloqueados este ano pela Anatel, mas nada dá jeito nos aparelhos que co...


imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions