A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Segunda-feira, 11 de Dezembro de 2017


  • Jogo Aberto
  • Jogo Aberto

    jogoaberto@campograndenews.com.br


21/07/2016 06:00

Deputado ignora irmão e reafirma candidatura a prefeito

Waldemar Gonçalves

Problema é dele – “Tenho minha candidatura consolidada. Se ele está em dúvida sobre alguma coisa o problema é dele”. A frase é do deputado estadual Marcos Trad (PSD) ao falar sobre a insistência do irmão, o ex-prefeito Nelson Trad Filho (PTB), em aguardar resultado de pesquisas para definir seu futuro político.

Venha, irmão – Marquinhos já disse, em outras ocasiões, que espera ter o apoio de Nelsinho. Este, por sua vez, fala que a decisão dependerá das medições feitas junto ao eleitorado.

Vem quem quiser – A expectativa de Marquinhos é a mesma em relação ao DEM, do primo e deputado federal Luiz Henrique Mandetta. “Vai vir (para uma aliança em torno de sua candidatura) quem quiser somar com o projeto em favor de Campo Grande”, diz o, por enquanto em função da legislação eleitoral, o pré-candidato do PSD.

Eu, Deus e a população – Ao falar que espera “quem quiser somar”, Marquinhos garante que não ficará “barganhando cargos e secretarias com os partidos”. Por fim, ressalta que entra na disputa em condições diferentes de seus adversários, sem apoio da administração estadual – leia-se Rose Modesto (PSDB) – ou da Prefeitura – ou seja, Alcides Bernal (PP). “Estou eu, Deus e a população”.

Só um que não – Marquinhos só faz uma ressalva. Diz que não quer aliança ou apoio do PMDB, seu ex-partido. O deputado deixou a legenda rumo ao PSD se dizendo chateado preterido entre os então correligionários.

Acabou o tempo – O empresário João Amorim bem que tentou aumentar o prazo para sua defesa na Operação Coffee Break, mas teve o pedido negado, assim como diversos vereadores que tentaram ganhar tempo. Após ser preso várias vezes, o empreiteiro precisa de argumentos para explicar inúmeros questionamentos feitos pelo Ministério Público, especialmente acerca de saques e depósitos, suspeito de favorecer parlamentares.

Votos abençoados – Após encabeçar greves de servidores municipais, o ex-presidente do sindicato que representa a categoria, Marcos Tabosa (PDT), atua em novas frentes. Além de estar de olho no voto dos servidores, tem se reunido com outras categorias, de vigilantes a coletores, além de uma expressiva comunidade evangélica formada por 17 igrejas missionárias.

Cada coisa é uma coisa – O governador do Estado, Reinaldo Azambuja (PSDB), voltou a dizer que a eleição municipal não segue as alianças feitas no passado ou terão influência no pleito de 2018. O tucano pondera que a campanha desta vez é feita com as alianças e afinidades locais, que muitas vezes são diferentes do acerto estadual e nacional. "Sempre vamos respeitar as peculiaridades dos municípios".

É, mas não – O ex-superintendente do Sebrae, Cláudio Mendonça (PR), favorito para ser o candidato a vice de Rose Modesto (PSDB), diz que esta definição só deve aparecer nas convenções tanto do PR como do PSB. Ele já tem participado de eventos e discussão do programa de governo dos tucanos para Campo Grande.

Se virem – São compreensíveis as dificuldades apontadas pela Prefeitura da Capital e Omep, mas só cabe a elas resolver, afirma a Justiça, que negou pedidos de relaxamento da decisão que obriga o Município e a entidade a demitirem 4,3 mil funcionários. Como são questões de ordem administrativas, o Poder Judiciário não pode interferir ou autorizar qualquer mudança no que já foi decidido.

(com Michel Faustino, Leonardo Rocha, Alberto Dias e Mayara Bueno)

2018 será ano mais curto para o Legislativo
Três meses – Carnaval, Semana Santa, campanhas eleitorais, Copa... Tudo isso encurta 2018 para os trabalhos legislativos. A observação é de Fábio Tra...
Máfia do Cigarro passa quase livre nas estradas
Esquema antigo - A atuação da Máfia do Cigarro em Mato Grosso do Sul vem de décadas e, de tempos em tempos, surge uma nova denúncia envolvendo polici...
MS também tem "bunker" cheio de dinheiro
Versão tupiniquim - O “bunker”de Geddel Vieira, que escondeu R$ 51 milhões de propina, tem versão pantaneira. Paredes de apartamento de um político e...
Secretário torce e comemora venda da folha
Torcida - Parecia um jogo valendo título a forma como o secretário de Finanças e Planejamento de Campo Grande, Pedro Pedrossian Neto, acompanhava a a...


imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions