A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Terça-feira, 16 de Janeiro de 2018


  • Jogo Aberto
  • Jogo Aberto

    jogoaberto@campograndenews.com.br


13/01/2018 07:00

Dono de hospital diz não a convite do Podemos

Marta Ferreira

Tô fora – Cortejado por diversos partidos para disputar as eleições de 2018, inclusive sendo apontado como potencial candidato ao governo de Mato Grosso do Sul pelo Podemos, o médico e empresário da área da saúde Mafuci Kadri nega interesse na missão.

Não é minha praia - “Não tenho o perfil político, tenho perfil de trabalho na área de saúde”, afirmou à coluna. Ele é filiado ao PDT, mas revelou o desejo de desfiliar-se, sem anunciar data.

Vaga – O convite do Podemos a Mafuci foi feito nesta semana, durante palestra por ele proferida aos quadros do partido. Pré-candidato ao governo pela legenda, o presidente regional Cláudio Sertão deixou claro que, caso Mafuci Kadri venha a mudar de ideia, abre mão da corrida sucessória rumo ao Parque dos Poderes.

Em obras – Com a política descartada, Mafuci Kadri tem novos planos para o antigo hospital Sírio-Libanês, de sua propriedade, onde pretende instalar a Unidade 2 do Hospital El Kadri. A intenção é concluir as obras em 90 dias.

Mau negócio - As obras são necessárias porque, segundo ele, “a prefeitura entregou o hospital sucateado”. Mafuci diz que não recebeu os valores devidos, então pediu o prédio de volta. O local sediou o Pronto Atendimento Infantil na gestão de Gilmar Olarte.

Destino – O El Kadri ainda não definiu qual será o destino exato da Unidade 2: ou será maternidade e hospital materno-infantil ou uma unidade especializada em ortopedia. De certo, apenas o fato que o nome Sírio-Libanês não será adotado. Mafuci explica que a empresa que levava o nome foi encerrada quando da cessão do prédio ao município de Campo Grande.

No STF – A OAB (Ordem dos Advogados do Brasil), quer fazer parte da ação que questiona a mudança na previdência estadual em Mato Grosso do Sul, que corre desde dezembro do ano passado no Supremo Tribunal Federal. O pedido foi apresentado esta semana e ainda está sob análise.

Quem cuida
– Movida por entidades nacionais que representam policiais militares e bombeiros, a ação questiona a constitucionalidade da unificação dos fundos que bancam a previdência no Estado. O relator definido pelo STF é o ministro Ricardo Lewandowski.

Trâmite acelerado – O magistrado já decidiu que não haverá apreciação de liminar, ou seja, decisão provisória no processo. Ele adotou o chamado rito sumário, enviando a decisão diretamente para o plenário, em razão da relevância do assunto.

Exemplo – Como Mato Grosso do Sul se antecipou no quesito reforma da previdência, a decisão que os ministros tomarem em relação ao questionamento poderá servir de norte para outras ações do tipo.

(Com Humberto Marques)

Cury já se programa para votar taxa do lixo
Preparado- Embora a situação ainda esteja, estranhamente, indefinida, o ex-vereador Eduardo Cury (SD) já conta como certa sua participação na votação...
O julgamento de Lula e a ameaça que sai de MS
Medo - Faltando pouco mais de 10 dias para o polêmico julgamento do ex-presidente Lula, um morador de Mato Grosso do Sul está sendo citado para justi...
Volta às aulas corre risco de novo adiamento
Mais uma vez - De férias, o presidente da Assomasul, Pedro Caravina (PSDB), já recebeu pedido de prefeitos para adiar o início do ano letivo na rede ...
Taxa do lixo tira vereadores das férias
De volta à Câmara – Em recesso até fevereiro, os vereadores foram convocados nesta quarta-feira para voltar à Casa de Leis, para debater a polêmica t...


imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions