ACOMPANHE-NOS    
MAIO, SEGUNDA  10    CAMPO GRANDE 23º

Jogo Aberto

Engenheiro formado em RO é investigado na operação Moradias

Por Marta Ferreira | 13/04/2021 06:00
Campo Grande News - Conteúdo de Verdade

O nome – O engenheiro civil Guilherme Marcos Vit é o ex-servidor comissionado da prefeitura de Campo Grande na gestão de Alcides Bernal investigado na operação Moradia, do Gaeco, braço do Ministério Publico contra a corrupção. As apurações indicam recebimento de transferência na conta dele, no valor de R$ 20 mil, por parte do presidente da organização não governamental Morhar.

Sob suspeita – A ONG recebeu R$ 3,6 milhões para construir casas populares em mutirão fracassado. Só 42 de mais de 300 imóveis foram entregues e com defeitos. Vit era o fiscal da obra, aponta a investigação. Tinha 4 anos de formação quando assumiu o serviço de fiscalização de obras públicas.

Currículo – Em seu perfil no Linkedin, rede social dedicada a informações profissionais, ele cita o trabalho que agora está sendo investigado. Afirma ter ficado como servidor sem concurso do Município de abril de 2016 até dezembro daquele ano.

O que fazia – O engenheiro, formado em 2012 em Rondônia, descreveu sua atuação como responsável pelo acompanhamento e controle das obras de “desfavelamento da Cidade de Deus”, preenchimento de diário de obra com dados e fotos. Também “mediava o relacionamento da contratada com os moradores dos locais”.

A irregularidade – O contrato entre a prefeitura de Campo Grande e a Morhar foi firmado em junho de 2016, e logo gerou desconfiança. A entidade não tinha sede, mas receberia valor milionário para construir moradia onde seriam assentadas famílias da favela próxima ao lixão de Campo Grande.

Andamento – Na semana passada, endereços ligados a Vit, ao presidente da ONG, Rodrigo da Silva Lopes, à esposa dele, a uma empresa dela, foram alvos de busca e apreensão. Agora o material vai ser avaliado, como parte de procedimento investigatório. Se houver provas, os suspeitos serão acusados de improbidade administrativa.

Não lembro – O imbróglio aconteceu no último semestre da gestão de Alcides Bernal (PP) na prefeitura de Campo Grande. Alcides não é investigado direto no caso. Indagado pela reportagem sobre o ex-comissionado, disse não se recordar do nome. A coluna tentou localizar o engenheiro, sêm exito.

Fica – A pergunta está no ar na Polícia Federal em Mato Grosso do Sul. Será que a mudança na chefia em Brasília vai tirar daqui o delegado Marcelo Botelho, que assumiu o cargo em setembro do ano passado? Por enquanto, não há informações a respeito, mas entre os comandados, a torcida é para não haver nova alteração, após tão pouco tempo.

Quem – Botelho estava em Tocantins antes de vir para Mato Grosso do Sul. Mas tem experiência com a realidade regional. Comandou a penitenciária federal por aqui e atuou nas investigações da Lama Asfáltica.

Bom mesmo é ... -O presidente da Assembleia Legislativa, deputado Paulo Corrêa (PSDB) foi homenageado com o título de Cidadão Coxinense. A entrega da comenda foi na última sexta-feira (09) durante sessão solene realizada no plenário da Câmara Municipal de Coxim e transmitida nas redes sociais. A cidade do "Pé de Cedro" fez aniversário neste domingo, de 122 anos.

Nos siga no Google Notícias
Regras de comentário