A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Terça-feira, 23 de Janeiro de 2018


  • Jogo Aberto
  • Jogo Aberto

    jogoaberto@campograndenews.com.br


18/07/2016 06:00

Marun e as costas cada vez mais grossas

Ângela Kempfer e Mayara Bueno

Arquivado - O Ministério Público Estadual arquivou uma investigação que havia contra o prefeito Alcides Bernal (PP). O pedido de apuração partiu do presidente da CCJ (Comissão de Constituição e Justiça) da Câmara Municipal, Airton Saraiva (DEM). Mas o MPE avaliou que não havia nada que comprovasse a denúncia.

Reeleição - Caso tivesse avançado, o Ministério Público investigaria eventual improbidade administrativa de Bernal por coação de servidores comissionados para angariar “apoio à sua pré-candidatura à reeleição” à prefeitura de Campo Grande este ano.

Tudo eu - Maior defensor do ex-presidente da Câmara Federal, Eduardo Cunha, o deputado Carlos Marun (PMDB) anda reforçando o papel de vítima no atual cenário político, já que Cunha anda acumulando derrotas.

Costas largas - Ao consolar o presidente da Comissão de Constituição e Justiça, apontado pela imprensa como outro aliado de Cunha, Marun disparou: "O senhor tomou pau da imprensa um dia, injustamente. Eu estou tomando há um ano e estou aqui com as costas largas".

Um pé lá, outro cá -Depois de anos de discussões, a privatização da CESP pode finalmente sair. Um dos interessados seria o banco de investimentos JP Morgan. A Companhia de Energia de São Paulo tem só uma grande usina hidrelétrica, a de Porto Primavera, entre SP e Mato Grosso do Sul, e tem ainda muitas pendências de compensação por aqui, por conta do território inundado para a instalação.

Não grato - O governo Temer faz cada vez mais inimigos nos movimentos socais. Agora, apresentou proposta de criar planos de saúde mais baratos e com menos serviços do que os já existentes. Profissionais ligados à saúde coletiva dizem que as medidas trariam perdas para o Sistema Único de Saúde e seriam mais uma forma de diminuir qualidade.

Liberdade - O Conselho Nacional das Instituições da Rede Federal de Educação também entrou na briga contra o Projeto de Lei, apresentado na Câmara Federal, conhecido como "Escola sem Partido". Para a entidade, é uma iniciativa despropositada e ameaçadora, uma forma de concordar publicamente com a validação da intolerância étnica, da xenofobia, da discriminação do gênero, do credo, da livre sexualidade e da pobreza.

Feio na foto - O Estadão começou a publicar série especial sobre conflitos em Mato Grosso, Amazonas, Goiás, Mato Grosso do Sul, Pará, Rondônia e Tocantins. Em 15 mil quilômetros percorridos, encontraram muitas histórias que mancham a imagem dessas regiões.

Massacre - Por aqui, relatam tortura, estupros, chuva de veneno e pistolagem. A maioria dos casos de violência é contra populações indígenas. A primeira grande reportagem, publicada ontem, mostra o caso de Virgílio Veron, de 47 anos, índio de Juti que cometeu suicídio ao saber que a Justiça havia determinado nova retirada de área onde os guarani estavam acampados.

Extermínio - O jornal também fala de bebê kaiová que morreu após equipe médica negar socorro e apresenta depoimentos sobre mulheres que já se mataram porque sofreram violência muito sexual de pistoleiros contratados por fazendeiros.

Marquinhos volta das férias, mas continua sumido
Oi sumido... – O prefeito Marquinhos Trad (PSD) voltou de férias na quinta-feira (18), mas continua sumido. O chefe do Executivo, conhecido por “dar ...
Quadrilha tentou se livrar de Chevette
Tentativa frustrada – Ladrões que usavam um Chevrolet Chevette para cometer furtos em série há três meses em Campo Grande tentaram devolver o carro a...
PF deve ter novo superintende no fim do mês
No aguardo – Mesmo com o nome do nome superintendente já definido, a chefia da PF (Polícia Federal) em Mato do Sul continua vaga. O comando está, int...
Vereador é "traído" por palavra
Ops - "Nós temos a obrigação de lesar a população...", quer dizer "zelar pela legalidade e regularidade". A troca na ordem das letras não poderia ter...


Quanto à reportagem do Estadão sobre conflitos agrários onde muita inverdade e pouca explicação aparecem, o Estado do MS parece não se incomodar com a pecha de Estado genocida e terra sem lei. Se quem é acusado não reage o que podemos esperar?
Até quando suportaremos?
ACORDA PRODUTOR!!
 
monica em 18/07/2016 11:14:34
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions