A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Domingo, 16 de Dezembro de 2018


  • Jogo Aberto
  • Jogo Aberto

    jogoaberto@campograndenews.com.br


17/11/2018 07:00

Moro deve levar chefe da PF em MS para Brasília

Marta Ferreira

Já vai - Tudo indica que a temporada do delegado da Polícia Federal Luciano Flores na chefia da superintendência da corporação em Mato Grosso do Sul não vai completar um ano. Ele é cotado para fazer parte da equipe do ministro da Justiça de Jair Bolsonaro, o agora ex-juiz Sérgio Moro.

Equipe – O antigo chefe Flores Maurício Valeixo, superitendente da PF no Paraná é cogitado para o comando da Polícia Federal. Ele e Moro atuam juntos, um na Justiça e outro na Polícia Federal, há pelo menos 10 anos e estreitaram relações durante a Operação Lava Jato.

Episódio famoso – O delegado Luciano Flores ficou célebre por ter tomado o depoimento do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva durante a condução coercitiva sofrida pelo político do PT, no dia 4 de março de 2016.

Quem é – Gaúcho de Santa Maria, Luciano Flores tem 39 anos. Ele é formado em Direito, com especializações em Segurança Pública e Direito Penal e Processual Penal. Neste ano, estava cursando mestrado em Gestão Pública.

Temporada curta – Se os rumores forem confirmados, a chefia da PF em Mato Grosso do Sul vai mudar pela segunda vez em menos de um ano. O superintendente anterior, Ricardo Cubas, ficou no Estado dois anos e meio, período em que a Lama Asfáltica foi a investigação mais rumorosa.

Definições - Depois do feriadão, a disputa pela presidência da Assembleia deve ficar acirrada. Os tucanos, por exemplo, se reúnem para discutir o tema. Também é esperado que conversem com o governador sobre a situação, apesar de haver, conforme os próprios parlamentares, a liberdade para definirem a questão entre eles.

Dúvidas - Os deputados divergem sobre quando vai ser "batido o martelo" em relação à mesa diretora. Parte entende que até dezembro tudo estará resolvido, sem disputa e com consenso, como ocorreu nos pleitos anteriores. Outros acreditam que o nome escolhido só será confirmado em janeiro, durante o recesso.

Elemento novo - Um dos motivos para o pensamento de que o consenso será mais difícil dessa vez são os parlamentares de primeira viagem. São nove no ano que vem.  Com dois deputados, a bancada do PSL chega com o cacife da avalanche de votos do partido. O mais votado foi justamente o capitão Renan Contar, escolhido por 79 mil eleitores. O outro é o coronel Carlos Alberto David, que já ocupou uma cadeira na casa e teve 45 mil votos.

Composições - Outro tema em debate na Assembleia é a formação de vários blocos partidários no ano que vem, já que a única legenda com bancada forte será o PSDB, com cinco integrantes. O restante terá poucos representantes, tanto que o MDB vai contar com 3 deputados, e o PT, DEM, SD, PP, PSL ficarão com dois representantes.

Aglutinação – Assim como no Congresso Nacional, a segmentação maior vai exigir novas estratégias. Neste novo cenário, o caminho mais lógico é que partidos se juntem para ganhar espaço.

(Com Leonardo Rocha)

 

Diplomação tem "clima universitário" e Bolsonaro "presente"
Festa – Realizada na mesma época das colações de grau de universitários, a diplomação dos eleitos neste ano teve um quê desse tipo de festa. A platei...
Preso usa marmita para escapar da polícia
MacGyver – Na sexta-feira passada, o detento Thiago Miranda dos Santos Ferreira, de 19 anos, conseguiu abrir as algemas e escapar, na porta do Presíd...
Marília Mendonça, rainha da sofrência e da "fofura"
Gente boa – Marília Mendonça não é famosa só por sua voz e pelo sucesso tão jovem. É querida pelas fãs por ser despachada e, ao mesmo tempo, simpátic...
Reajuste colocaria folha dos servidores em risco
Reflexo – Há uma séria preocupação dentro da prefeitura de Campo Grande com um aumento no salário do prefeito. É em relação ao que significaria o rea...


imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions