A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Domingo, 10 de Dezembro de 2017


  • Jogo Aberto
  • Jogo Aberto

    jogoaberto@campograndenews.com.br


07/08/2014 06:00

No desespero para comprar, público vaia de prefeito a padre

Edivaldo Bitencourt

Alianças - Com o início dos discursos acirrados na Assembleia, os deputados lembraram das antigas alianças políticas que não deram muito certo. Marcio Monteiro (PSDB) citou a feita na última eleição em Campo Grande, onde alguns arranjos foram considerados "esdrúxulos".

Bernal – Monteiro citou o caso de Alcides Bernal (PP), que lançou chapa pura, mas teve apoio dos mais diversos partidos. "Estas parcerias não deram certo, só lembrar no que deu o resultado na Capital", avisou.

Silêncio – Junior Mochi (PMDB) reclamou das restrições da legislação eleitoral. Ele lembrou que não há como fazer carreatas e passeatas em silêncio, já que desta forma o eleitor não irá se animar a seguir junto e ouvir as propostas dos candidatos. "Não dá oportunidade para divulgar campanha".

Resposta - Monteiro foi a tribuna pedir uma resposta do senador Delcídio do Amaral (PT) sobre as denúncias que envolve seu nome na CPI da Petrobras, sem que este culpe o PSDB por estas divulgações, quando os tucanos não tem nada haver com a questão. "Aguardamos resposta a sociedade e que não envolva o PSDB".

Defesa - Os deputados do PT fizeram questão de dizer que Delcídio apenas ressaltou que não se pode acusar alguém com base em citações de terceiros. Eles também consideraram a revista Veja tendenciosa e que sempre mantém um alinha crítica desde o começo da gestão petista.

Direito - Zé Teixeira (DEM) fez questão de dizer que não é pelo fato de ser concorrente de Delcídio nesta eleição, que vai começar a criticá-lo, já que este tem o direito de se defender das acusações. No entanto, ele disse que o petista não pode ficar culpando filiados de outros partidos.

Juntos – O candidato a governador, Nelson Trad Filho (PMDB), e o presidente regional do PSB, Murilo Zauiht, destacaram a parceria. Ontem, eles convocaram coletiva para destacar que todo o material de campanha terá o candidato a presidente, Eduardo Campos (PSB).

Vaiaram – Os consumidores, que foram à inauguração do Hipermercado Comper no Conjunto Parati, vaiaram o prefeito da Capital, Gilmar Olarte (PP). A revolta ocorreu porque eles estavam impacientes para iniciar as compras no novo estabelecimento comercial.

Surpreso – Esta foi a primeira vaia enfrentada por Olarte em um evento público na Capital. Ao ouvir a sonora manifestação popular, ele se mostrou surpreso. “Vou parar, o povo deve querer comprar”, afirmou e encerrou o discurso. Mas o povo estava furioso e vaiou até o padre.

Milagre – O prefeito aproveitou a inauguração do centro de educação infantil no Bairro Betavile para cantar “Faz um milagre”. Ao som da banda da Guarda Municipal, ele cantou e destacou que “Campo Grande está indo bem porque Deus está do nosso lado”.

(colaboraram Ludyney Moura, Leonardo Rocha, Marcelo Victor e Kleber Clajus)

Máfia do Cigarro passa quase livre nas estradas
Esquema antigo - A atuação da Máfia do Cigarro em Mato Grosso do Sul vem de décadas e, de tempos em tempos, surge uma nova denúncia envolvendo polici...
MS também tem "bunker" cheio de dinheiro
Versão tupiniquim - O “bunker”de Geddel Vieira, que escondeu R$ 51 milhões de propina, tem versão pantaneira. Paredes de apartamento de um político e...
Secretário torce e comemora venda da folha
Torcida - Parecia um jogo valendo título a forma como o secretário de Finanças e Planejamento de Campo Grande, Pedro Pedrossian Neto, acompanhava a a...
Partidos fazem "fila" por Takimoto
Desejado - Na mira do PDT para perder o mandato, o deputado estadual George Takimoto já tem fila de interessados em seu passe na Assembleia Legislati...


imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions