A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Terça-feira, 12 de Dezembro de 2017


  • Jogo Aberto
  • Jogo Aberto

    jogoaberto@campograndenews.com.br


11/03/2016 06:00

Os 26 minutos entre o sonho da casa e a realidade da lona

Waldemar Gonçalves

Coisas boas – O prefeito de Campo Grande, Alcides Bernal (PP), deve amanhecer na favela Cidade de Deus nesta sexta-feira (11). Vai, conforme fontes próximas a ele, anunciar “muitas coisas boas” para os moradores, que estão em processo de remoção para outras áreas.

Minutos contados – A ordem para suspender a mudança das famílias, ontem, durou apenas 26 minutos. A precisão temporal é do próprio desembargador Paulo Alberto de Oliveira, a quem não restou alternativa além de extinguir o recurso, mantendo a desocupação a pedido da Prefeitura, instantes depois de reunião com defensores dos moradores. Ele mesmo, no despacho, ainda ressalta a “diligência até o momento não vista” no caso. Em outras palavras, impressionante como o município pode ser rápido se isto o interessar.

Deu a dica – Ao homologar a desistência do recurso, no entanto, o magistrado manteve apenas um item de sua decisão de minutos antes que, teoricamente, pode ser a dica para nova tentativa de interromper a remoção das famílias. Com a palavra, o próprio: “ante a relevância da questão, com consequências sociais e coletivas que extrapolam o objeto da ação, comunique-se também o Procurador-Geral de Justiça, a fim de que avalie, se for o caso, a necessidade de adoção de providências no âmbito das atribuições do MPE/MS”.

Próximos capítulos – A novela – termo que cabe não só pelo enredo trágico e dramático das famílias, como pelas reviravoltas nos tribunais – da Cidade de Deus ainda está longe do fim. A ver, por exemplo, pela citação da defensora pública Olga Lemos Cardoso de Marco sobre a situação: “onde já se viu desalojar famílias de barracos para jogar em uma tenda de plástico?”. Segundo ela, a forma como a Prefeitura faz a remoção não cumpre o combinado com a Justiça anteriormente.

Novidade eleitoral – O PR (Partido da República) trabalha com um projeto que pode mudar o cenário eleitoral de Campo Grande. Baseado em pesquisas qualitativas, o partido defende candidatura de um empresário e pode ter adesão das duas maiores legendas do Estado, PSDB e PMDB.

O perfil – Com a desistência de Ricardo Ayache (PSB), presidente da Cassems, e a divisão da família Trad, com as candidaturas de Nelsinho (PTB) e Marquinhos (PSD), dirigentes do PR enxergam uma estrada pavimentada para alguém novo, bem sucedido e, comprovadamente, competente administrativamente.

Curto e direto – Vinicius Leite dos Santos, advogado da Egelte, empreiteira que retomará as obras do Aquário do Pantanal, foi curto e direto quando questionado sobre o trabalho feito pela Proteco no tempo em que tocou o projeto. Disse que sua cliente não se responsabilizará por qualquer ato da Proteco na obra. Mas, descartou qualquer medida judicial em relação a isto, por enquanto.

Deixa pra ele – Em outros termos, o ex-prefeito Nelson Trad Filho (PTB) afirma que pode até abrir mão de uma eventual candidatura à Prefeitura de Campo Grande caso seu irmão, Marcos Trad, de saída do PMDB rumo ao PSD, seja definido pré-candidato. O mais velho não quer provocar um racha na família.

Parcimônia – Mesmo com a palavra de que, pelo menos contra o irmão, Nelsinho não irá brigar, Marquinhos prefere tratar a possível candidatura com parcimônia. Postura mesma adotada quando questionado sobre a sua saída do PMDB e eventual mudança para o PSD. Aliás, o deputado tem feito mistério se irão mesmo ou não para o partido e prometeu surpresa para a manhã de sábado.

Se hay gobierno, soy carnaval – O protesto de domingo pela saída do PT do poder deve terminar em uma típica – e ligeiramente fora de época – folia. O show ao fim da passeata, na Avenida Afonso Pena, prevê bateria de escola de samba, grupo de sambistas e duplas sertanejas. A programação eclética não é à toa, se considerada a expectativa de 100 mil participantes. Na falta de abadá, terá camiseta com o slogan “Fora Dilma, Lula e o PT” por R$ 20 cada.

(com a redação)

2018 será ano mais curto para o Legislativo
Três meses – Carnaval, Semana Santa, campanhas eleitorais, Copa... Tudo isso encurta 2018 para os trabalhos legislativos. A observação é de Fábio Tra...
Máfia do Cigarro passa quase livre nas estradas
Esquema antigo - A atuação da Máfia do Cigarro em Mato Grosso do Sul vem de décadas e, de tempos em tempos, surge uma nova denúncia envolvendo polici...
MS também tem "bunker" cheio de dinheiro
Versão tupiniquim - O “bunker”de Geddel Vieira, que escondeu R$ 51 milhões de propina, tem versão pantaneira. Paredes de apartamento de um político e...
Secretário torce e comemora venda da folha
Torcida - Parecia um jogo valendo título a forma como o secretário de Finanças e Planejamento de Campo Grande, Pedro Pedrossian Neto, acompanhava a a...


imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions