A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Terça-feira, 17 de Outubro de 2017


  • Jogo Aberto
  • Jogo Aberto

    jogoaberto@campograndenews.com.br


17/02/2016 06:00

Para vereador, "zikão" é quem deixa Campo Grande doente

Waldemar Gonçalves

Zikão – “Zikão”. A analogia ao vírus zika, principal assunto mundial entre autoridades de saúde atualmente, é o novo apelido do prefeito de Campo Grande, Alcides Bernal (PP). Pelo menos foi assim que o vereador Paulo Siufi (PMDB) se referiu a ele em discurso na sessão de ontem da Câmara Municipal. Segundo o vereador, a cidade está doente por culpa do gestor.

Pecou – Um “pecado” por parte de Siufi. Isto porque, um pouco antes, o vereador, católico praticante, disse que neste período de Quaresma fez o propósito de não falar mal de ninguém em seus discursos, corrigindo-se em seguida, “falar a verdade”, se referindo a Bernal, principal alvo de suas críticas.

Para o ninho – Siufi, inclusive, disse que vai procurar o governador, Reinaldo Azambuja, ainda nesta semana para tratar de sua ida para o PSDB. Segundo o parlamentar, a possível mudança não estaria condicionada a eventual candidatura à Prefeitura de Campo Grande. “Estou buscando um partido onde eu seja respeitado”. Para Siufi, o PMDB acumula derrotas nas urnas, como em 2012 e 2014, e corre sério risco de perder novamente este ano.

Imaturidade – Entre uma crítica e outra ao PMDB, Siufi diz que tem compromisso político com a vice-governadora, Rose Modesto, e que conversará com ela e o governador para definir um caminho, que pode ser a transferência para o PSDB. Ele classifica como imaturidade o racha peemedebista atual.

Soltou o verbo – O vereador Roberto Durães (PT), que chegou na Câmara Municipal no fim do ano passado após a cassação de Thais Helena (PT), em seu primeiro discurso, na sessão de ontem, não economizou nas críticas ao secretário municipal de Saúde, Ivandro Fonseca. Mequetrefe, asqueroso, seboso, analfabeto e arrogante foram alguns dos adjetivos usados pelo vereador durante discurso na tribuna, segundo parlamentar motivado pela má qualidade no atendimento aos pacientes.

Será? – Um dia antes, Durães postou vídeo no Facebook feito na frente da UPA do Vila Almeida. Dentro de um Toyota, marca conhecida por fabricar veículos de luxo, o vereador afirma que ele e a família são usuários da rede pública de saúde e, em seguida, emenda uma série de críticas à atual gestão no setor. Barbárie, abandono, atraso, falta de estrutura são alguns dos termos usados. “A saúde tem jeito, basta ter gestores que tenham vontade e conheçam o sistema”, disse, entre outras coisas.

Planejamento zero – Problemas de Campo Grande na área de Educação reverberaram na Assembleia Legislativa ontem. Os deputados Beto Pereira (PSDB) e Eduardo Rocha (PMDB) criticaram Bernal por não entregar o kit escolar aos estudantes no começo das aulas. Para eles, isto demonstra falta de planejamento. “A Capital vive sua pior crise política e administrativa e não conseguimos achar a saída”, disse o tucano.

Repúdio à CPMF – O deputado Paulo Corrêa (PR) está articulando junto aos colegas uma moção de repúdio contra a recriação da CPMF pela presidente Dilma Rousseff. Ele espera formalizar um documento oficial da casa de leis e depois enviar o documento para o Governo Federal.

Quer a vaga – O deputado Felipe Orro (PDT) revelou que, para entrar no bloco do PMDB, quer sua indicação para a CCJR, a principal comissão da Assembleia Legislativa. Ele disse que as conversas estão adiantadas, mas que até o momento ainda não foi firmado o acordo.

Bonito quer bombar com shows gringos no Carnaval
Bombando - Empresários estão investindo pesado no Carnaval de Bonito 2018. Além da celebridade internacional Paris Hilton, uma das atrações em negoci...
Fábrica planeja investimento de meio bilhão em porto
Projeto ambicioso – Depois de inaugurar mais uma unidade em Três Lagoas, ampliando a produção de celulose, a Fibria negocia com a ampliação da estrut...
MS cumpre "regra de ouro" na finança pública
Melhor que os outros – Existe uma máxima em finanças públicas de que os governos, para não cair em estado de insolvência, não devem custear despesas ...
Reinaldo diz que ação contra o crime não pode ser só no RJ
Mal gerido – Neste ano, o Ministério da Justiça e Segurança Pública gastou R$ 185,77 milhões do FNSP (Fundo Nacional de Segurança Pública), conforme ...



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions