A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quarta-feira, 23 de Maio de 2018


  • Jogo Aberto
  • Jogo Aberto

    jogoaberto@campograndenews.com.br


23/10/2015 06:00

Policiais deixaram Câmara em carro igual ao de Bernal

Edivaldo Bitencourt

Greve sem fim – Campo Grande vive a onda das greves. Só foi acabar a paralisação do lixo, os médicos da Santa Casa decidiram cruzar os braços em protesto contra atraso no pagamento de salários. Só ontem, o protesto comprometeu o atendimento de 300 pessoas.

Reforço – Além dos médicos, os peritos do INSS (Instituto Nacional de Seguro Social) e os bancários continuam parados. Os médicos da previdência estão de braços cruzados há 50 dias. Os bancários completaram duas semanas.

Sem futurologia – O governador Reinaldo Azambuja (PSDB) decidiu adotar a cautela sobre a aprovação do aumento na carga tributária. Ele decidiu aguardar a aprovação das propostas pelos deputados estaduais para incluir a previsão de elevação dos impostos no Orçamento de 2016.

Embate – Os vereadores estavam preparados para a polêmica com a colega, Luiza Ribeiro (PPS). A surpresa foi da confusão causada pela presença de dois policiais a paisana armados, que acabou sendo usada pela oposição para desgastar a parlamentar e o prefeito Alcides Bernal (PP).

Carro – Após os vereadores começarem a questionar a presença da dupla armada no legislativo, os policiais deixaram a Câmara Municipal em um carro semelhante ao utilizado pelo prefeito. Eles também sempre acompanham Bernal nos eventos.

Porte – Teve oficial da Polícia Militar que estranhou a polêmica em torno do assunto. Policiais civis e militares podem andar armados, mesmo de folga, porque possuem o porte obrigatório e fazem parte do sistema de segurança.

Contra ataque – Os vereadores de oposição reforçaram a artilharia contra Bernal. Investigados pela suposta compra de votos para cassar o mandato do progressista em 2014, eles também querem a apuração de denúncia de que Bernal usou as mesmas armas para obter apoio e evitar a cassação.

Movimentos - O deputado Pedro Kemp (PT) afirmou que respeita a autonomia dos movimentos sociais, que inclui a luta em apoio aos povos indígenas em todo o país e a nível internacional. No entanto, o petista é contra a campanha de boicote aos produtos de Mato Grosso do Sul. Para Kemp, a proposta é equivocada e injusta, porque nem todos os produtores agridem os índios.

Fogo – Kemp atribuiu à CPI do Cimi, criada pelos deputados estaduais para investigar a entidade da Igreja Católica, o tumulto ocorrido ontem no legislativo. Ele destacou que a comissão não traz solução, mas só responsabiliza o Cimi pelas invasões de terras no Estado.

Reação - O deputado José Carlos Barbosa (PSB) disse que a Assembleia precisa se manifestar sobre a campanha de boicote aos produtos de MS. Ele prevê danos extraordinários ao Estado em caso de êxito. "Esta é uma preocupação que temos na Casa de Leis", justificou.

(colaboraram Leonardo Rocha e Marcos Ermínio)

DEM e a disputa entre André e Reinaldo
Já escolhi - Sobre a declaração de Puccinelli que estaria "namorando" o DEM, o deputado Zé Teixeira fez brincadeira para dizer de qual lado da disput...
Maioria prefere Lava Jato à Copa do Mundo
Copa? – Pesquisa do Instituto Paraná mostra que, a menos de um mês do Mundial da Rússia, o brasileiro não está muito motivado com o assunto. A consul...
Ex-ministro não errou o “do Sul”, mas...
Gafe - O ex-ministro Henrique Meireles (MDB) em um dos diversos discursos no evento em Campo Grande neste sábado (19) confundiu Mato Grosso do Sul co...
PMs presos têm “festival de ações”
Conhecidos da justiça - Entre as duas dezenas de policiais militares de Mato Grosso do Sul presos esta semana por suspeita de facilitar a vida dos co...


imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions