ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
FEVEREIRO, QUARTA  21    CAMPO GRANDE 20º

Jogo Aberto

Por pouco, Justiça não “perdeu” pivô de operação em 2010

Por Anahi Zurutuza, Jackeline Oliveira e Caroline Maldonado | 12/02/2024 06:00
Gerson Palermo mais jovem, numa da vezes que foi preso (Foto: Campo Grande News/Arquivo)
Gerson Palermo mais jovem, numa da vezes que foi preso (Foto: Campo Grande News/Arquivo)

Por pouco – Pivô da investigação da Polícia Federal contra o desembargador Divoncir Schreiner Maran, o traficante Gerson Palermo teve chance de escapar dez anos antes da fuga em 2020, após ter sido colocado em prisão domiciliar. Em 2010, ele deixou o Instituto Penal de Campo Grande em outubro, mas foi levado para o Estabelecimento Penal Jair Ferreira de Carvalho em novembro, antes de sumir, se é que tinha essa intenção.

O erro – Apesar de ter quatro condenações à época, o juiz Alexandre Antunes permitiu que “Pigmeu”, um dos apelidos do homem tido com uma das lideranças do PCC (Primeiro Comando da Capital), deixasse o regime fechado e passasse a cumprir pena no semiaberto, conforme noticiado pelo Campo Grande News naquele ano. Segundo o juiz substituto da 1ª Vara de Execução Penal, Albino Coimbra Neto, uma nova condenação contra o criminoso deixou de ser considerada quando foi deferida progressão de regime. Assim que o problema foi percebido, o detento foi levado para o presídio de segurança máxima.

Prende e solta – Palermo, que ficou conhecido pelo sequestro do avião da Vasp para roubar R$ 5 milhões que estavam a bordo, foi preso e solto várias vezes. A última havia sido em 2017. Ele está foragido desde abril de 2020, quando decisão de Divoncir Maran o colocou em liberdade com monitoramento eletrônico. Em pedido feito no plantão judicial, a defesa alegou o risco do cliente, com 63 anos, contrair covid-19 no cárcere. A decisão foi revogada no dia seguinte por outro desembargador, que levou em conta o fato de Palermo ter mais de 100 anos de prisão a cumprir. Mas nesse meio-tempo, ele arrebentou a tornozeleira e desapareceu. A PF investiga se o desembargador recebeu propina para dar o habeas corpus.

Chora, me liga - Apresentação de João Bosco e Vinícius causou mal-estar entre as prefeituras de Sete Quedas e Aral Moreira e revoltou membros do governo estadual. Com show da dupla sertaneja garantido para o aniversário da primeira cidade e o outro município querendo a mesma atração, a ideia foi colocar o namorado da promotora de eventos no jogo e lucrar em dobro.

Macetando, macetando - Para conseguir os dois contratos e agradar a amada, o tal namorado, que ocupa cargo na administração estadual, convenceu prefeito a abrir mão de João Bosco e Vinícius, mentindo que a data já estava reservada. O problema é que quem manda no negócio não gostou do estratagema. Corre nos bastidores que quando o assunto chegou ao responsável pelo pagamento de cachê, o prédio da Governadoria tremeu.

Locomotiva - É tempo dos vereadores fazerem as contas antes de decidirem as trocas de partido. Siglas com muitos candidatos com grandes chances de vitória e com a capacidade de investir mais ficam “inchada”, o que pode tirar as chances de reeleição dos colegas. Apesar de ser assunto sério, os vereadores brincam o tempo todo.

Só um vagão - O vereador Ronilço Cruz, o "Guerreiro", disse que se o vereador Claudio Serra, o "Claudinho" sair do PSDB e ir para o Podemos, ele sai do partido. O motivo? "Não tem como concorrer uma locomotiva com um vagão", disse Ronilço, em referência às boas condições do vereador Claudinho de se reeleger.

Um mais um – Dias desses, na Câmara, o vereador Marcos Tabosa viu Claudinho abraçando o vereador Jamal Salem e já disse "vai para o MDB?". Ronilço entrou na conversa e avisou: "no Podemos não quero!". A verdade é que Claudinho não tem intenção de deixar o ninho tucano, mas os vereadores fazem essas "contas mentais" da probabilidade de voto o tempo todo. Será assim até todos mudarem de partido entre março e abril deste ano e ficarem preparados para as eleições em outubro.

Urgência – Morador vizinho ao Bairro Bosque da Saúde, o vereador Ronilço Guerreiro (Podemos) foi correndo ao local quando soube das demolições que ocorreram na semana passada, por alguém que ainda disputa a área na Justiça. O parlamentar colocou os moradores em contato com a Defensoria Pública na tentativa de ajudar em meio ao desespero dos que não conseguiram apoio da polícia para impedir a ação no momento.

Justificado – Com isso, Ronilço acabou perdendo a audiência pública de prestação de contas do orçamento de 2023, na Câmara Municipal. Ele não foi o único a faltar, mas como sempre participa dos balanços orçamentários, fez questão de justificar de antemão a ausência ao presidente da comissão de Finanças e Orçamento da Câmara Municipal, vereador Roberto Santana, o “Betinho” (Republicanos), e avisou também a esta coluna, após ser mencionado na edição da semana passada. “Fui para a audiência, mas tive que sair para ficar ao lado do povo que estava precisando urgente da nossa ação”, disse.

Nos siga no Google Notícias