ACOMPANHE-NOS    
OUTUBRO, SÁBADO  31    CAMPO GRANDE 22º

Arquitetura

Inspirada nos EUA, casa tem hall de sapatos e ambientes voltados para o quintal

“Subindo pelas paredes”: Após morar de aluguel, Thalita e Daniel conseguiram construir residência que mudou o clima da família

Por Thailla Torres | 04/03/2020 07:22
Fotos foram feitas pelo casal e mostram a arquitetura de uma casa com vida, inclusive com crianças. (Foto: Arquivo Pessoal)
Fotos foram feitas pelo casal e mostram a arquitetura de uma casa com vida, inclusive com crianças. (Foto: Arquivo Pessoal)

Uma arquiteta que no momento não atua e um engenheiro que não tem tempo, construindo a própria casa. Assim definem-se Thalita e Daniel que ficaram noivos em 2009 e desde então sonhavam com uma casa feita por eles e para eles. Um lar para ficar à vontade, com luz, cor, plantas e detalhes que estimulassem o aconchego.

Em resumo, a dona define como uma boa casa aquela capaz de deixar boas memórias. Assim o casal vem conquistando a casa dos sonhos e compartilhando cada detalhe nas redes sociais com a página “Subindo pelas paredes”, criada para mostrar que é preciso mais dedicação e vontade do que somente dinheiro para ter a casa que faz bem.

Foi preciso muita dedicação da arquiteta e o engenheiro para que finalmente encontrassem o terreno ideal e começassem a construção. Depois de visitar inúmeras regiões e também iniciar uma obra que acabou ficando muito cara em Dourados, o casal ficou um tempo sem saber onde realmente iriam recomeçar a construir até que encontraram um novo terreno no bairro Vilas Boas, em Campo Grande. “Eu e ele estávamos agoniados querendo sair do aluguel, a gente queria construir algo nosso e decorar do nosso estilo, sem limitações”, lembra Thalita Rigonatto, de 32 anos.

Imagem da cozinha. (Foto: Arquivo Pessoal)
Imagem da cozinha. (Foto: Arquivo Pessoal)
E o charme dos detalhes. (Foto: Arquivo Pessoal)
E o charme dos detalhes. (Foto: Arquivo Pessoal)
Cada objeto foi pensado para ocupar e fazer da casa um cantinho especial. (Foto: Arquivo Pessoal)
Cada objeto foi pensado para ocupar e fazer da casa um cantinho especial. (Foto: Arquivo Pessoal)

Por sorte, assim que acharam o terreno ideal, pouco tempo depois ele acabou ficando à venda. “Ainda moramos um tempinho de aluguel até conseguirmos comprar e iniciarmos as obras”, lembra a moradora. Assim que Thalita e Daniel pisaram na sala da casa e viram as janelas e portas generosas, logo sentiram que estavam no lugar certo.

Para uma arquiteta, é fácil enxergar o que uma boa casa precisa, mas Thalita confessa que ficou um pouco receosa a princípio, sem conseguir decidir tudo no primeiro momento. “É muito difícil fazer algo pra gente. É diferente quando trabalhamos com os clientes”. Daniel, apesar de engenheiro, é apaixonado e entende muito bem de arquitetura. Por isso, não há dúvidas que além de casal, os dois formaram uma bela dupla na elaboração da casa, embora tenham preferências distintas, eles conseguiram decidir cada detalhe junto.

"Mudroom" é o espaço para tirar os calçados. (Foto: Arquivo Pessoal)
"Mudroom" é o espaço para tirar os calçados. (Foto: Arquivo Pessoal)
E deixar os pertences como vemos nos filmes americanos. (Foto: Arquivo Pessoal)
E deixar os pertences como vemos nos filmes americanos. (Foto: Arquivo Pessoal)
Um dos banheiros segue configuração de uma pia só. (Foto: Arquivo Pessoal)
Um dos banheiros segue configuração de uma pia só. (Foto: Arquivo Pessoal)
Enquanto outro tem duas cubas e arquitetura moderna. (Foto: Arquivo Pessoal)
Enquanto outro tem duas cubas e arquitetura moderna. (Foto: Arquivo Pessoal)

De fato, quando a casa começou a ficar pronta nem tudo estava do jeito que sonhavam: apesar dos ambientes generosos e da luz natural, o casal não queria uma configuração simples, mas nada exageradamente sofisticado. “Queríamos uma casa para viver, onde não houvesse sala proibida para as crianças, onde cada lugar fosse desfrutado por eles e por nós”.

Thalita e Daniel estavam tão animados que decidiram que trabalhar uma decoração diferente em cada ambiente da casa e abusar de detalhes que normalmente não são utilizados nas construções brasileiras, mas fazem toda diferença para uma família que tem rotina, como o mudroom. Ao pé da letra, é a sala da lama.

Todos os ambientes da casa são voltados para o quintal da família. (Foto: Arquivo Pessoal)
Todos os ambientes da casa são voltados para o quintal da família. (Foto: Arquivo Pessoal)
O verde faz parte da casa tanto quanto quem habita nela. (Foto: Arquivo Pessoal)
O verde faz parte da casa tanto quanto quem habita nela. (Foto: Arquivo Pessoal)

Nos Estados Unidos, por exemplo, é muito comum esse ambiente. Ele fica na entrada de serviço, geralmente entre a garagem e a cozinha e serve para tirar os sapatos sujos, os casacos, deixar as mochilas ou capacetes de bike. Thalita sempre adorou a ideia e em todas as casas que morou com Daniel teve um problema com a entrada. “Ficavam cheias de sapatos, carteira, moedas, bolsas, mochilas e casacos. Isso sempre me incomodou. Daniel começou com a ideia de fazer um closet, foi quando lembrei do mudroom e mostrei a ele”, conta.

Além disso, para garantir todos os ambientes, o casal montou um programa de necessidade. É nada mais do que colocar no papel as prioridades de cada um e somar valores para saber o que deveria ser feito primeiro. O mais difícil, segundo Thalita, foi a cozinha. “Fizemos uns 10 projetos diferentes. Não queríamos um espaço gourmet, mas queríamos um lugar onde pudéssemos também reunir a família”.

A casa passeia do estilo moderno, ao industrial e o clássico americano, um pouco inglês também. Justamente o industrial é que faz o moderno e o clássico conversarem. O casal optou por uma fachada moderna, “que também chamo de moderna-clássica”, diz.

E os ambientes da casa se misturam. Alguns indo bem mais para um lado que o outro. Tem também bastante referência ao estilo farmhouse, tipo casa de fazenda, mas as fazendas americanas. “Mas Thalita, não vai virar uma bagunça essa mistureba toda?” perguntam. “Não se você souber como fazer. Misturar estilos traz muita personalidade à uma casa e decoração. Mas tem que ser com cuidado”, explica a arquiteta.

O layout do banheiro também é o que Thalita queria há anos. Lavatório no centro, boxes nas laterais, um para o chuveiro, outro para o vaso sanitário. Desde o início queriam duas cubas e de embutir. Os espelhos também são armários, o que a arquiteta coloca nos seus projetos há muito tempo, pois acha muito prático.

Na sala, outro detalhe indispensável foi a lareira. Há quem diga que é desperdício ter uma lareira numa cidade cada vez mais quente como Campo Grande, mesmo assim, sonhos são sonhos, explica Thalita. “Eu não abri mão porque nem que seja uma vez no ano eu vou acender essa lareira e curtir ao lado da minha família. Também optamos por uma lareira que acende com álcool em gel. A lenha que temos aqui é só de enfeite”.

O bacana é que boa parte dos ambientes são voltados para o quintal. Cozinha, sala de TV, sala de jantar, suíte do casal. A ideia é integrar, com portas que também garantem privacidade em determinados momentos, e garantir uma vida próxima a natureza. Plantada recentemente, a era, em breve, vai tomar os muros da casa. “E assim ficaremos rodeados de verde. Hoje ando pela casa feliz com a visão do verde do tempo inteiro e aquela sensação deliciosa de sonho realizado”.

Quer ver mais da casa e dos detalhes escolhidos por Talita e Daniel? Siga o casal no Instagram @subindo.pelasparedes.

Curta o Lado B no Facebook e no Instagram. Tem uma pauta bacana para sugerir? Mande pelas redes sociais, e-mail: ladob@news.com.br ou no Direto das Ruas através do WhatsApp do Campo Grande News (67) 99669-9563 (chame agora mesmo).

Nos siga no Google Notícias
Regras de comentário