ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
FEVEREIRO, SEXTA  23    CAMPO GRANDE 26º

Arquitetura

No lugar de alvenaria, galpão de eucalipto virou morada rústica de gaúcho

Família escolheu o lugar como endereço que parece uma viagem de volta no tempo

Thailla Torres | 26/12/2016 06:10
De longe, galpão feito de eucalipto chama atenção e gera curiosidade. (Foto: Goga Penha)
De longe, galpão feito de eucalipto chama atenção e gera curiosidade. (Foto: Goga Penha)

Foram dois anos para a construção dos sonhos. Depois, mais dois para Rauli Pellizari aproveitar a nova morada. Ele foi o único e último morador do enorme galpão que virou residência e um atrativo em Bonito. O lugar chama atenção pela rusticidade e tamanho. A curiosidade de quem passa, é saber os motivos que levaram alguém a erguer o galpão nos moldes antigos. 

Construído por Rauli em 2012. A fachada é vista por cima do muro, com quase cinco metros de altura. Inspirada na arquitetura colonial italiana, comum no Rio Grande do Sul, o lugar foi projetado por ele e feito com eucalipto por toda parte.

Rauli era gaúcho e mais um apaixonado por Mato Grosso do Sul. Morou no Estado por 30 anos até o falecimento, aos 62 de idade construiu o espaço pelo gosto rústico e o desejo de levar uma vida tranquila, lembrando a cultura da família sulista e italiana.

Esse era Rauli, o gaúcho que valia o bigode, segundo a esposa. (Foto: Arquivo Pessoal)
Esse era Rauli, o gaúcho que valia o bigode, segundo a esposa. (Foto: Arquivo Pessoal)

"Ele tinha muitos planos para o próximo ano. Queria levar grupos de Campo Grande para visitar o galpão e ter um lugar para quando se aposentasse. Ele sempre quis um lugar tranquilo para viver", conta a esposa Janete Sinzato Vital, de 61 anos, sobre o marido que faleceu em agosto deste ano.

Ela e o marido viveram ali depois que o lugar ficou pronto. Com dois pavimentos, a parte de cima é semelhante a um sótão. Lá, ainda estão os pertences do casal. Tem cama, ventilador, prateleiras e objetos antigos que eram guardados por Rauli.

Uns minutos dentro do galpão e é como voltar no tempo. Não pela estrutura que parece recém construída, mas pelas antiguidades, tomadas pela poeira e esquecidas no tempo. Rauli fez do galpão um verdadeiro museu, o que para ele era o mais encantador no "Galpão Chama de Bonito", batizou. 

Rauli era conhecido por ser homem forte e ter um coração bondoso. "Era a pessoa mais íntegra e de palavra que eu já vi na minha vida. Alguém bastante difícil de encontrar nos dias de hoje", declara a esposa.

Subindo às escadas, uma pequena sala de estar com objetos antigos e decoração rústica feita por Rauli. (Foto: Goga Penha)
Subindo às escadas, uma pequena sala de estar com objetos antigos e decoração rústica feita por Rauli. (Foto: Goga Penha)

O marido morreu depois de fazer uma cirurgia para retirar pedra na vesícula. Janete ainda busca palavras que possam explicar a partida tão repentina e fala da saudade que ficou para trás. "Ele só deixou saudades da pessoa incrível que ele era. Mas Deus não quis que ele voltasse. Ficou um tempo internado e não teve jeito. Agora só Deus o tem", lamenta.

Janete conta que a história de amor começou há 19 anos, quando ela era guia de turismo na cidade. "Comecei fazendo algumas viagens e também sou assistente social aposentada. Nossa história é até engraçada, nos conhecemos no supermercado", conta rindo. "Ele estava no caixa comprando macarrão e eu com farinhas de trigo. Nos falamos ali. Sinto que era para ser ele e foi a parte mais maravilhosa", recorda.

Durante o tempo que compartilharam juntos, Janete conta que nunca houve desavença. Foram anos de felicidade e amor. "Nunca tivemos um dia de briga nesse tempo. Acho que pela qualidade única, era daqueles homens que valia o bigode, como o pessoal de antigamente falava", conta.

Sem uso, quarto que era do casal, está tomado de poeira. (Foto: Goga Penha)
Sem uso, quarto que era do casal, está tomado de poeira. (Foto: Goga Penha)
No quarto ainda tem parte dos pertences do casal. (Foto: Goga Penha)
No quarto ainda tem parte dos pertences do casal. (Foto: Goga Penha)

No galpão, cada detalhe tem um pedaço da força de Rauli. "Foi tudo da cabeça dele. De um jeito bem rústico, como ele amava. Desenhou o galpão e o fundo que lembra casas antigas do sul", diz Janete.

Rauli gostava de uma vida simples. Tecnologia passava longe. Nos fundos do galpão construiu uma adega feita de pedra e uma cozinha rústica, toda em barro. Comida, era feita só no fogão à lenha, lembra.

"Era o que ele tinha vontade. Nunca quis cozinhar no fogão a gás. Foi ele quem fez e tirou o barro ali do quintal. Fez o acabamento do jeito mais rústico. Gostava de assar porco e pão muitas vezes. Até a comida tinha gosto diferente. Fez um redondo para tachos maiores e outro fogão para apoiar as comidas quando estivessem prontas. Churrasco era feito na vala, sempre que tinha festa", descreve.

Os objetos antigos vieram com o tempo. Na adega, há mais antiguidades do que vinhos. Maioria são garrafas vazias, mas guarda um verdadeiro tesouro em objetos de ferro, moedores de café, panelas e até uma variedade de máquinas de costura, que Janete nem tem noção do tempo.

Poço artesiano dentro da adega feita de pedra. (Foto: Goga Penha)
Poço artesiano dentro da adega feita de pedra. (Foto: Goga Penha)
Panelas de ferro na cozinha rústica. (Foto: Arquivo Pessoal)
Panelas de ferro na cozinha rústica. (Foto: Arquivo Pessoal)
Coleção de máquinas de costura. (Foto: Goga Penha)
Coleção de máquinas de costura. (Foto: Goga Penha)

"A gente foi ganhando as coisas. Ele queria mesmo fazer um museu. Nosso plano era catalogar tudo e colocar o nome das pessoas que presentearam. Com o tempo, contar a história de algumas peças. Tem chaleira ali que é do tempo da escravidão", acredita.

Pela beleza e rusticidade, o lugar virou atrativo e ganhou olhares para eventos. Rauli e Janete por várias vezes deixaram as portas abertas para a alegria. "A gente sempre ocupava para as festas. Ele gostava muito de receber e estar com as pessoas. Já teve aniversário, casamento e reunião. Apesar de moradia, ele queria que o espaço fosse algo diferente para as pessoas conhecerem". 

Mas depois da partida, o destino do Galpão Chama Bonito ainda é incerto. Janete entregou o imóvel aos filhos e não sabe o que vai acontecer. "Passei o Galpão para eles (filhos) que vão cuidar ou vender. Espero que não acabe. O lugar é lindo e conta uma história bonita. Vale a pena lembrar a importância do Rauli", torce.

Curta o Lado B no Facebook.

Espaço interno do galpão ocupado em confraternizações. (Foto: Arquivo Pessoal)
Espaço interno do galpão ocupado em confraternizações. (Foto: Arquivo Pessoal)
Os músicos ficam lá em cima e dá para ter uma noção do tamanho. (Foto: Arquivo Pessoal)
Os músicos ficam lá em cima e dá para ter uma noção do tamanho. (Foto: Arquivo Pessoal)
Nos siga no Google Notícias