ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
MAIO, SEXTA  24    CAMPO GRANDE 25º

Arquitetura

Paulo Pedra recorre contra tombamento de casa histórica na Antônio Maria Coelho

Liniker Ribeiro e Thailla Torres | 14/01/2019 18:57
Da lateral, foto mostra prédio antigo, alvo de tombamento, na rua Antônio Maria Coelho. (Foto: Marina Pacheco).
Da lateral, foto mostra prédio antigo, alvo de tombamento, na rua Antônio Maria Coelho. (Foto: Marina Pacheco).

O ex-vereador Paulo Pedra aguarda resposta do recurso apresentado por sua defesa, em outubro de 2018, em relação ao tombamento do imóvel no que é proprietário, localizado na Rua Antônio Maria Coelho, esquina com a Rua 13 de Maio, no Centro de Campo Grande. Construído na década de 1920,o prédio foi tombado como patrimônio em agosto do ano passado, após um longo impasse entre o município e o dono do imóvel.

A decisão foi publicada na edição do Diogrande (Diário Oficial de Campo Grande), do dia 23 de agosto. Porém, conforme o advogado Evandro Mombrum de Carvalho, Paulo Pedra alega que a defesa não foi intimada para aparecer na sessão de julgamento ocorrida no dia 4 de julho, sendo que havia uma decisão no tribunal que exigia a intimação.

Em um trecho do documento, datado no dia 4 de outubro do ano passado e encaminhado ao executivo municipal, o dono do imóvel afirma que “embora tenha advogado constituído nos autos do processo administrativo, não lhe foi dada oportunidade de ter ciência e assim comparecer na sessão que julgou o tombamento”, o que segundo ele, seria necessário “afim de que tomem conhecimento prévio da matéria que será submetida a julgamento, abrindo-lhes oportunidade de analisa-la antecipadamente, ou a posteriori, mediante pedido de vista”.

A defesa ressalta ainda que a decisão não chegou ao conhecimento do advogado, assim como a inclusão da pauta na discussão. A residência, chamada de Vivenda Ignácio Gomes, tem cerca de 40m² de construção e área total de 400 m².

Resposta – Questionada, a Sectur informou que o imóvel foi tombado por decreto em 2008 (naquela época era esse o procedimento). Na ocasião, Paulo Pedra tentou "destombar" o imóvel, mas o Conselho Municipal de Cultura se manifestou contra. Ele então entrou com recurso, que está sendo analisado pela PGM (Procuradoria Geral do Município) e será encaminhado ao Prefeito.

A Sectur explicou ainda que todo o processo é minucioso e longo. A decisão fica por parte do executivo, depois disto que a Sectur pode desenvolver o trabalho executar o protocolo de tombamento, que é longo e minucioso, envolvendo avaliação técnica do imóvel, que gera a abertura de um Processo; análise do processo pela Sectur, Semadur, Planurb, Conselho Municipal de Patrimônio Cultural.

Enquanto tramita o Processo, o imóvel em questão fica protegido (não podendo sofrer intervenção); com a aprovação do processo, o tombamento é publicado em diário oficial; e, por fim, a decisão é publicada no Livro de Tombo, que registra o tombamento.

Exigências – Após a publicação do tombamento, a secretaria estabeleceu uma série de situações a ser respeitada pelo proprietário. Em caso de alienação do bem tombado, por exemplo, o dono tem de dar imediato conhecimento disso ao Poder Público, sob pena de multa de 10% do valor da venda.

O imóvel não pode ser “destruído, mutilado ou transformado”, sem prévia autorização do município. Não poderão ser feitos também reparos, pinturas ou qualquer transformação.

Nos siga no Google Notícias