ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
MAIO, SEGUNDA  20    CAMPO GRANDE 17º

Artes

Artista desenha com carvão os resquícios do tempo na arquitetura

Aos 22 anos, Sara criou série desenhando imóveis históricos de Campo Grande

Thailla Torres | 20/11/2021 07:55
Um dos desenhos feitos com carvão mostra fachada do Edifício José Abrão. (Foto: Arquivo Pessoal)
Um dos desenhos feitos com carvão mostra fachada do Edifício José Abrão. (Foto: Arquivo Pessoal)

O desenho e a criação sempre estiveram presentes na vida da artista visual Sara Welter, que carrega o nome artístico Syunoi. A mãe pintava telas, mesmo assim, ela diz que não se via como artista, até que em 2018, resolveu se jogar nos desenhos.

“No último ano do ensino médio, comecei a desenhar bastante e foi quando criei o Instagram. Comecei a pensar que a arte poderia ser uma possibilidade real na minha vida. Pintei meu primeiro mural em 2016 e foi uma aventura colocar um desenho pequeno num muro tão grande e foi seguindo esses caminhos que cheguei à faculdade de arte”, revela.

Em 2018, quando ela teve o resultado do Enem, se inscreveu para arquitetura e artes visuais na UFMS. “Escolhi artes e resolvi me mudar para Capital em busca de uma independência, e foi aí que comecei a me ver como artista” lembra.

E foi usando o carvão e o nanquim que ela criou a série “Resquícios do Tempo”, com desenhos para mostrar o que ficou nos lugares históricos de Campo Grande.

O primeiro desenho foi do Edifício José Abrão, localizado na Rua 14 de Julho. Construído em 1939, o local possui estilo Art Deco e foi considerado na época, o maior prédio da cidade. Foi o antigo Hotel Americano e segue em compasso de espera pelo tombamento definitivo como patrimônio da cidade.

O segundo é a Casa Glória, localizado também na Rua 14 de julho, é uma das lojas mais tradicionais da cidade, construída em 1956.

Confira a galeria de imagens:

  • Campo Grande News
  • Campo Grande News
  • Campo Grande News
  • Campo Grande News
  • Campo Grande News

O terceiro desenho da série é de um lugar bem abandonado, já pegou fogo e, atualmente, depois de muita briga, foi tombado como patrimônio histórico. Localizado na Rua 13 de Maio, foi casa de Ignácio Gomes, o primeiro maquinista da cidade que trouxe telefonia pra cá, foi construída em 1922.

O quarto e último desenho da série traz a primeira escola de Campo Grande, foi construído em 1919, como um armazém e adaptado para uma escola em 1927. Tombado como patrimônio em 1997. Também está em situação degradante.

A ideia com os desenhos, segundo Sara, é apresentar curiosidades e visibilidade aos monumentos históricos que construíram a identidade da Capital. “Pretendo continuar a série, pois tem muitos lugares a explorar”.

Agora, desenhando desde 2019, Sara sente que a arte inundou sua vida. “Não consigo me ver sem ela”, resume.

Quem quiser ver mais sobre o trabalho de Sara, pode acompanhá-la no Instagram.

Curta o Lado B no Facebook. Tem uma pauta bacana para sugerir? Mande pelas redes sociais, e-mail: ladob@news.com.br ou no Direto das Ruas através do WhatsApp do Campo Grande News (67) 99669-9563.

Nos siga no Google Notícias