A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Domingo, 24 de Setembro de 2017

14/09/2017 17:18

Artista tentou combater o machismo e a pedofilia, mas foi julgada no Cadafalso

Deputados pegam carona na polêmica de exposição no Santander e acionam polícia contra mostra no Marco

Izabela Sanchez
Alessandra Cunha, a Ropre, durante exposição em Uberlândia no fim do ano passado (Foto: Cleiton Borges/ Correio de Uberlândia)Alessandra Cunha, a Ropre, durante exposição em Uberlândia no fim do ano passado (Foto: Cleiton Borges/ Correio de Uberlândia)

Quando Pablo Picasso (1881-1973) lançou Guernica, ícone de suas criações, em 1937, chocou a comunidade espanhola ao mostrar os horrores da guerra à partir de uma estética desencontrada, o cubismo. Em 2017, 70 anos depois, Ropre, autora da exposição Cadafalso, faz a mesma coisa: choca para mostrar as violências do machismo, entre elas, a pedofilia.

Em Mato Grosso do Sul, no entanto, a artista mineira Alessandra Cunha, a Ropre, se viu, nesta quinta-feira (14), julgada em praça pública após deputados pegarem carona na polêmica causada pelo Queermuseu, em Porto Alegre, e aplicarem a lógica da censura no Marco (Museu de arte contemporânea de Mato Grosso do Sul), que expõe, desde junho, e com exclusividade, a exposição da artista. No Rio Grande do Sul, a exposição toda foi suspensa. Aqui, virou caso de polícia e um quadro foi apreendido. Além disso, só entra na exposição, agora, quem tem mais de 18 anos, censura raríssima.

O quadro 'pedofilia', peça que mais gerou polêmica (Reprodução/atelier)O quadro 'pedofilia', peça que mais gerou polêmica (Reprodução/atelier)

Acossada

A ironia também pega carona na mobilização do deputado Lídio Lopes (PEN), que acusa Ropre de apologia à pedofilia. Isso porque o objetivo, conforme relata a artista, foi mostrar as formas e consequências violentas do machismo na sociedade. Por isso o nome Cadafalso: local onde eram julgadas e queimadas vivas as mulheres acusadas de bruxaria pela Inquisição católica na idade média.

"Estou bem surpresa mesmo. E é por um motivo que não existe, porque a minha pintura é um protesto para alertar o que acontece. Eles aproveitam para fazer a politicagem. É uma coisa que é tão tabu que não pode nem usar a palavra que incriminam", comenta Alessandra.

O conjunto de obras da artista não tem estética fácil, dada ao público para ser mastigado, engolido e compreendido de forma imediata. Com uso de cores fortes, imagens de sofrimento e destaque para o corpo masculino, Alessandra incomodou parte da sociedade sul-mato-grossense. Mas é justamente esse, lembra ela, o papel da arte. A 'gota d'água' para os conservadores foi o nome de uma das obras: pedofilia.

O quadro em questão tenta alertar para uma violência que deriva, entre outras questões, do machismo, relata a artista. A discussão trazida por Ropre é, inclusive, corroborada pelos índices de violência contra meninas - crianças e adolescentes -, e que ocorrem, na maioria das vezes, dentro da própria casa.

"Minha produção é sempre pensada em uma crítica social, mas é a primeira exposição focada mesmo em um tema isolado [violência contra a mulher] que é cheio de tabus mesmo, então provoca um incômodo em todo mundo, isso é comum. Eu quis meio que levar isso ao extremo, tanto é que a gente ve sempre usarem o corpo da mulher [na arte], e eu fiz exatamente o contrário, usei o corpo do homem, focando principalmente no falo [pênis] porque a gente vive em uma sociedade falocêntrica, e eles usam isso para estabelecer poder, então eu tinha que tocar na ferida mesmo e é um tema bem difícil", explica.

Agora, Alessandra corre o risco de ser denunciada, formalmente, por apologia à pedofilia: a movimentação dos deputados Lídio Lopes, Paulo Siufi (PMDB), Maurício Picarelli (PSDB) e Coronel David (PSC) acabou por envolver a DPCA (Delegacia de Proteção à Criança e ao Adolescente) na exposição. Lúcia Montserrat, coordenadora do Marco, também foi acusada.

Enquanto isso, a exposição era permitida apenas para adolescentes e adultos, e não para crianças, conforme boatos que circularam, cheios de desinformação. A polêmica, no entanto, já atingiu resultados e fez com que 'Cadafalso', agora, só seja permitida para o público adulto, à partir de 18 anos.

Sociedade perde oportunidade de discussão

Foram justamente adolescentes, conta a coordenadora do Marco, que ao visitarem a exposição renderam ao espaço uma discussão sobre as violências retratadas nas obras.

"Dentro do contexto todo só tem um que chama pedofilia, o grande tema é o combate à violência contra a Mulher. 'Aconteceu lá no Rio Grande do Sul então vamos achar alguma coisa aqui porque vira moda'. Ninguém percebe a tamanha importância que foi essa exposição aqui. Vários adolescentes vieram aqui e as pessoas não têm noção da discussão, como foi rica pros adolescentes, e esse é o papel", comenta.

Lúcia também relata que os grupos responsáveis pelas acusações não visitam o museu e falam à partir de uma perspectiva distante.

"A arte não é contemplativa, ela é um objeto de discussão, de reflexão. E o que me deixa mais triste é que as pessoas que julgam, falam e que comentam não vão ao museu, não apreciam a arte. Se ainda fossem pessoas que frequentassem o museu, entenderiam um pouco mais do que está acontecendo, mas não.Têm uma postura antiquada e ainda estão na época da renascença e acham que a paisagem seja a arte, e não que não seja, uma coisa não invalida a outra", opina a diretora.

"A gente está em um museu de arte contemporânea. Nós temos por exemplo uma sala aqui que é uma sala de arte ingênua [arte naïf, com origem na França] e temos outras salas de arte para discussão, para reflexão, pra gente sair do lugar [mental e reflexivo] onde está. Se você fica sempre no mesmo lugar não tem sentido", emenda.

Obras procuram explorar a estética do corpo masculino para realizar crítica às violências (Reprodução/atelier)Obras procuram explorar a estética do corpo masculino para realizar crítica às violências (Reprodução/atelier)

A artista no Cadafalso

Campo Grande foi a única cidade, além de Uberlândia (MG), a receber a exposição. Alessandra teme o crescimento do conservadorismo.

"Fiquei bem assustada. De repente começou uma perseguição contra os artistas, porque eles não querem que sejam explicitadas as ideias, e tem um tom de machismo nessa forma de comportamento das pessoas que estão no poder. E aí por conta do que aconteceu em Porto Alegre, de repente todos querem perseguir os artistas. Mas nunca pensei nisso [censura], que fosse, de repente acontecer, principalmente agora, em 2017, que a gente está procurando a liberdade de falar de todos os assuntos. Tem uma galera com um pensamento errado, principalmente políticos, pelo que vejo".

Lúcia comenta que, ao julgarem e acusarem, as pessoas retiram uma peça de arte do contexto onde está inserida, e retiram, também, o sentido da obra como um todo. "Esse trabalho da Alessandra, ela assim, tem uma sensibilidade, tem uma delicadeza, na maneira de trabalhar, e a gente olha eles e é agressivo, não está acostumado a olhar o órgão sexual, mas quando você percebe o contexto você percebe a denúncia que está ali, começa a fazer uma reflexão".

"Cadafalso era um tablado usado antigamente para torturar e para queimar as bruxas, então eu tentei falar da questão da mulher na sociedade, porque com o machismo a gente fica nesse cadafalso, seja na situação de tortura ou de privação de algumas coisas, então é uma tentativa de falar de uma situação pesada que a mulher carrega diariamente", explica a artista, sobre a origem do nome da exposição.

Em 2017, mais de 500 anos após o fim da inquisição, Alessandra tentou falar e denunciar os julgamentos e violências aos quais estão submetidas as mulheres. Ao denunciar a 'fogueira da inquisição machista', no entanto, Alessandra se viu, ela mesma, no Cadafalso.




atribuir todo tipo de coisa ao machismo não é combate-lo. Pedofilia agora é machismo?
 
Fabio em 16/09/2017 07:54:51
Atribuir todo tipo de coisa ao machismo não é combater o machismo.
 
Fabio Almeida em 16/09/2017 07:48:58
O delegado acatou a denúncia de outros 4 homens (deputados estaduais). Este é um ponto importante: homens censurando a manifestação artística de uma mulher que denuncia a opressão e a violência contra a mulher e a criança. Homens machistas e opressores não suportam serem "desnudados" em imagens ou textos artísticos, pois a arte tem esse poder de mobilizar sentimentos críticos contra especialmente o conservadorismo, as opressões. A arte pode ser libertadora, e os machistas fazem de tudo para podar essas manifestações. No caso aqui abordado, esses machistas têm o poder de impor a censura por serem homens, deputados e delegado.
 
Vitor Wagner Neto De Oliveira em 15/09/2017 14:36:50
Defendo a liberdade de expressão, porém, entendo que assim como cada um de nós podemos fazer uma interpretação das obras expostas, as crianças e adolescentes também, e, de uma forma que, não sabemos quais podem ser as consequências...infelizmente, concordo com a retirada das obras.
 
KELY CRISTINY DA SILVA NUNES em 15/09/2017 14:17:57
Existem muitas outras formas de combater o machismo e a pedofilia e essa realmente não é a melhor!! Acredito sim na politicagem dos nossos representantes e também na boa intenção da moça, mas acho correto não deixar lá... sinto muito...pense em formas melhor de fazer isso eu sei que vc é capaz!! E tem mais, assim como ela defende a idéia dela, as outras pessoas também tem esse direito e nada mais justo de as pessoas que querem ver ir até onde ele está e quem não quer ver, tenha que ver na marra uai!!
 
Marcia em 15/09/2017 08:29:07
imagem transparente
Busca

Compartilhe

Classificados


Copyright © 2017 - Campo Grande News - Todos os direitos reservados.