A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sábado, 27 de Maio de 2017

29/10/2016 07:20

Biografia que resgata a história da Prata da Casa será lançada em novembro

Naiane Mesquita
Grupo Acaba no show Prata da Casa (Foto: Cândido Alberto da Fonseca)Grupo Acaba no show Prata da Casa (Foto: Cândido Alberto da Fonseca)

O ano era 1979. O projeto Prata da Casa, criado na UFMS (Universidade Federal de Mato Grosso do Sul), crescia a passos largos. No hall de artistas que se apresentavam no campus, nomes como Almir Sater, Carlos Colman e Guilherme Rondon. Uma geração inteira marcada pela iniciativa, que perdurou até 1983.

Reescrevendo a trajetória desta história, o jornalista Rodrigo Teixeira realizou mais de 21 entrevistas, entre músicos e profissionais que atuavam nos bastidores do projeto, para lançar o livro “Prata da Casa - Um Marco da Música Sul-mato-grossense”. “O projeto Prata da Casa surgiu logo após a fundação da UFMS, era um projeto cultural com shows, gravação de videoclipe e de um LP em 1982. Depois ainda teve um projeto de circulação”, explica Rodrigo.

Celito Espíndola em mais uma apresentação (Foto: Cândido Alberto da Fonseca)Celito Espíndola em mais uma apresentação (Foto: Cândido Alberto da Fonseca)

Essa é a segunda obra do jornalista, que também é autor de “Os Pioneiros – A Origem da Música Sertaneja”, outra biografia sobre a história da música em Mato Grosso do Sul. “O interessante do Prata da Casa é que foi um projeto pioneiro e que destacou muitos nomes dessa geração como Almir Sater, Lenilde Ramos, Celito Espíndola, Carlos Colman, Guilherme Rondon. Eles ficaram conhecidos como Geração Prata da Casa. Inclusive, essa foi a primeira vez que gravação um LP ao vivo em Campo Grande”, afirma o escritor.

No livro há entrevistas com grandes profissionais que já partiram, como o músico e compositor Geraldo Roca e a escritora e professora Maria da Glória Sá Rosa. “Acredito que foram as últimas entrevistas deles. Fiz questão de entrevistar quem trabalhou na área técnica. A professora Glorinha foi uma das articuladoras do projeto, além do cineasta Candido Alberto da Fonseca e do músico Moacir Lacerda, do grupo Acaba”, ressalta Rodrigo.

No projeto foram apresentadas canções marcantes e emblemáticas para o povo sul-mato-grossense, como “Trem do Pantanal”, “Cunhataiporã”, “Quyquyho”, “Sonhos Guaranis”, “Piraretã”, “Waradzu”, “Estradeiro”, “Violeiros”, “Ciranda Pantaneira”, “Descuidado”, “Horizontes” e “Coração Ventania”.

O autor também explica como foi o processo de federalização da Universidade Estadual de Mato Grosso (UEMT), em que a entidade se transformou em Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (UFMS), em 1979. O projeto “Prata da Casa” foi desenvolvido na Presc (Pró-reitoria de Extensão e Serviços Complementares) e idealizado por Cândido Alberto da Fonseca, que se transferiu do Rio de Janeiro para Campo Grande para trabalhar neste núcleo da UFMS a convite de José Octávio Guizzo.

O jornalista e cineasta contou com a colaboração de Moacir Lacerda, integrante do Grupo Acaba e engenheiro, que na época estava trabalhando também da Presc, posteriormente dirigida pela professora Maria da Glória Sá Rosa.

O lançamento do livro pela editora UFMS será no dia 3 de novembro, às 19 horas, no Teatro Glauce Rocha, com direito a noite de autógrafos. O preço da publicação é no valor de R$ 90,00.

Sesc Horto recebe espetáculo teatral gratuito na próxima semana
Entre a próxima quinta-feira (1) e sábado (3), o Teatro Prosa do Sesc Horto recebe o espetáculo "Três Vírgula Quatro Graus Na Escala Richter", da Com...
MS participa no mês de julho de feira de artesanato em Pernambuco
Mato Grosso do Sul participa em julho, entre os dias 6 e 16, em Olinda (PE), da Feira Internacional de Negócios do Artesanato, maior evento do setor ...



imagem transparente
Busca

Compartilhe

Classificados


Copyright © 2017 - Campo Grande News - Todos os direitos reservados.