A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quinta-feira, 15 de Novembro de 2018

06/11/2018 08:19

Depois de 10 anos ouvindo causos, Duca escreve livro com essência do interior

A autora deu forma ao sonho de escrever no livro "O Desenterro" que começa com histórias de tesouros escondidos em Mato Grosso do Sul

Kimberly Teodoro
Bióloga e professora, Duca leva uma vida tranquila no interior do estado, assim como seus personagens (Foto: Acervo Pessoal)Bióloga e professora, Duca leva uma vida tranquila no interior do estado, assim como seus personagens (Foto: Acervo Pessoal)

Na versão sul-mato-grossense do pote de ouro no fim do arco-íris, a lenda ganha muitas variações com tons mais sombrios e assustadores, mas a essência continua a mesma: Durante a guerra do Paraguai, as famílias costumavam enterrar seus bens mais preciosos para mantê-los a salvo do saque de soldados inimigos que pudessem, por acaso, passar por essas bandas. Em alguns casos, o que se conta é que os jesuítas, em sua fuga do Brasil, enterraram por aqui todos os tesouros que não conseguiram carregar. 

Mesmo depois de mortos os espíritos dessas pessoas não puderam se libertar do que ficou para trás e voltam em sonhos, ou na forma de luzes que só podem ser vistas a noite e em determinados lugares para contar aos descendentes ou para aqueles que julgam merecedores, o local dos "enterros", para que assim finalmente consigam descanar em paz.

O Desenterro é o livro escrito por Duca para preservar histórias regionais (Foto: Divulgação)O Desenterro é o livro escrito por Duca para preservar histórias regionais (Foto: Divulgação)

Foi inspirada nessas histórias e na própria experiência com um desses sonhos quando criança, que Maria do Carmo Andrade, a Duca, resolveu eternizar em uma coletânea de contos um pouco da cultura regional, da sabedoria popular e das crenças dos moradores mais antigos de áreas remotas no interior no livro "O Desenterro".

Nascida em Promissão, interior de São Paulo, ela veio para Mato Grosso do Sul aos 18 anos para estudar biologia, foi aí que o apelido de Maria surgiu, quando o "do Carmo" foi abreviado para Duca e ficou assim até os dias de hoje, passando a ser a assinatura da autora que também é bióloga e professora. Especialista em botânica, ela já desenvolveu projetos de pesquisa nas zonas mais remotas do pantanal, mesma época começou a ouvir os causos locais pela primeira vez e a comparar com as próprias memórias de infância. Hoje Duca vive em na chácara que transformou em recanto ecológico perto de Corguinho e leciona para alunos do ensino médio em Vila Taboco, também nas imediações da cidade.

"Uma coisa que marcou muito foram as histórias que meu pai contava, ele participou da guerra civil espanhola, e nas guerras eles sempre tem a esperança de encontrar alguma coisa. Quando eu era criança pensava muito nisso e há mais ou menos 30 anos, na chácara da minha família lá em Promissão, uma cidadezinha como qualquer outra do interior, com em nada especial, sonhei que me diziam para ir até o Rio dos Patos, em um determinado lugar.Era gente da família me dizendo isso, mas nunca fui. Depois disso, fiquei todo esse tempo fiquei alimentando esse sonho", relembra.

Recanto ecológico no qual Duca vive e de onde escreve suas histórias e poemas (Foto: Acervo Pessoal)Recanto ecológico no qual Duca vive e de onde escreve suas histórias e poemas (Foto: Acervo Pessoal)

A trama do livro começou a se desenrolar na cabeça da escritora quando durante os projetos no Pantanal ela passou a ouvir histórias semelhantes as que o pai contava lá no interior de São Paulo, e relacionar os acontecimentos com o sonho que a acompanha até hoje.

"Estive em lugares como a Nhecolândia, onde as pessoas ainda se reúnem na beira do fogo durante a noite e passam as histórias dos antepassados a diante. Foi quando eu entendi que elas precisavam, de alguma forma, ser preservadas. Foram 10 anos coletando causos e 6 meses escrevendo, dando forma e vida aos personagens", conta.

Como inspiração, Duca teve essa gente da terra que conta suas sinas, realizadas ou não, que encara a vida com simplicidade e coragem, aceitando os fatos com resignação e seguindo em frente dia-a-dia. Visão, que ela acredita vir também da biologia, uma área pouco influenciada pelas emoções das ciências sociais, em que "a vida acontece porque tem que acontecer e acaba porque tem que acabar".

Paisagem nos arredores de Corguinho que serviram de inspiração para o livro (Foto: Acervo Pessoal)Paisagem nos arredores de Corguinho que serviram de inspiração para o livro (Foto: Acervo Pessoal)

Os cenários do livro são descritos de maneira genérica, levando consigo o melhor do interior e expressando bem as características regionais, sem no entanto, identificar um lugar ou tempo, dessa maneira a narrativa pode "ter sido há 100 anos ou se passar nesse exato momento, aqui ou no interior de São Paulo". A história é a de Justiniano, um sertanejo típico e criado pensando no senhor Ícaro de Almeida, que Duca conheceu há muitos anos e foi o primeiro a contar a versão sul-mato-grossense da lenda para ela.

A narrativa de Duca chama a atenção pelo abuso dos regionalismos, pela falta de emoção dos personagens que aceitam o destino trazido em sonho por antepassados desconhecidos sem se alterarem, ficarem assustados e nem fugirem de medo. Tudo isso com uma estrutura de texto deliciosa, como sentar na sala de estar e ouvir as histórias contadas pela avó acompanhados de uma xícara de café quentinho e bolo de fubá recém saído do forno, torcendo para que o herói vença os percalços do caminho e conquiste a merecida recompensa, com risos, lágrimas e suspenses ao longo da trama.

Sinopse - As histórias de assombrações que amedrontaram todos nós estão descritas nessa saga. A narração da odisseia de um brasileiro insignificante, em busca de um tesouro prometido pelos seus ancestrais é feita sem emoção, sem descrição e sem noção, de tal forma que todo o cenário seja imaginado pelo leitor. Esse efeito de uma história se tornar familiar para cada um que a lê traz sentimentos de serenidade e satisfação. A aventura é cheia de percalços e a cada superação nos sentimos parte da solução.

O livro está disponível em e-book para compra na Amazon, clicando aqui.

Cura o Lado B no Facebook e no Instagram.

Estrada percorrida pelo personagem principal na saga pela recompensa prometida (Foto: Acervo Pessoal)Estrada percorrida pelo personagem principal na saga pela recompensa prometida (Foto: Acervo Pessoal)


imagem transparente

Classificados


Copyright © 2018 - Campo Grande News - Todos os direitos reservados.