A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Segunda-feira, 29 de Maio de 2017

26/11/2013 06:39

Grafite de Jota Crepaldi põe em muro a morte indígena na disputa por terra

Paula Maciulevicius
Jota viveu em Campo Grande por cinco anos e hoje acompanha o que chama de 'bizarrice' na causa indígena. (Fotos: Marcos Ermínio)Jota viveu em Campo Grande por cinco anos e hoje acompanha o que chama de 'bizarrice' na causa indígena. (Fotos: Marcos Ermínio)

Um passado mais que atual. Das notícias que ganham repercussão mundial para o grafite no muro da Orla Ferroviária: um fazendeiro, um café, uma corda e um índio morto. Seria um retrato de ontem, de hoje ou atemporal? A interpretação de cada um que passar pela esquina da Calógeras com a Mato Grosso vai levar em conta mais do que o contexto em que o Estado vive, a bagagem que carrega os olhos de quem cruzar com o recado de Jota Crepaldi.

De um lado, bigode e chapéu do senhor da fazenda. De outro, o cocar indígena que ainda colore o chão de onde está enterrado. A mensagem é clara de quem acompanha de longe o espetáculo de descaso que vive mais que Mato Grosso do Sul, um Brasil como um todo.

“O que está rolando é uma bizarrice em relação à população indígena. Senão fizer uma reforma política, esse Brasil vai acabar”, comenta. A mensagem está dada, o posicionamento é claro sob o cenário de protagonistas que vivem o sangue no campo.

Num bate-papo, ele explica a ligação que tem com o Estado, Jota cursou Publicidade e Propaganda em Campo Grande, morou aqui por cinco anos e mesmo tendo se dedicado ao grafite intensamente nos últimos seis anos, só agora entra em cena na Capital.

Sendo contra ou a favor, grafite causa reação e reflexão.Sendo contra ou a favor, grafite causa reação e reflexão.

“A reflexão pode ser do contra ou a favor, mas a arte vai muito além da estética. Ela tem que fazer refletir. Arte bonitinha por bonitinha, muita gente faz. Se hoje passar alguém e não gostar e quiser pintar de preto, é porque se incomodou, é porque teve efeito”, argumenta.

O trabalho dele que agora se restringe ao grafite é com uma pegada de interior. “Faço bastante regional, coisa nordestina, caipira e sempre tentando refletir, a obrigação da arte é essa”.

O convite para grafitar em Campo Grande partiu de um amigo em comum e teve o intermédio do vereador Eduardo Romero. Recentemente a Câmara dos Vereadores aprovou a lei que prevê pena e multa para quem pichar patrimônios públicos, mas como incentivo ao grafite como arte, destina espaços para exposição do trabalho que vem da rua.

“Culturalmente, o que vem da rua é considerado ruim. Mas as coisas estão mudando, devagarinho, mas estão. A pichação é um assunto complicado. Todo adolescente tem necessidade de se expressar, o fato é qual forma ele usa para isso. Antes de tudo tem que vir a questão de respeito à propriedade que não é sua”, opina.

Antes de apontar partidos que foram tomados, passe os olhos no massacre descrito no grafite. Ali está um só índio e um só fazendeiro. Se a imagem causou reação, a arte se valeu do que realmente é, defende quem usa o grafite como serviço público. Porque arte na rua qualquer um interpreta. “Qualquer um tem acesso. É bom porque é uma arte democrática, não precisa pagar ingresso”, finaliza Jota.

De um lado, um senhor de fazenda. Do outro, o colorido cocar que marca onde índio está enterrado. A disputa pelas terras une os dois lados por uma corda. (Foto: João Garrigó)De um lado, um senhor de fazenda. Do outro, o colorido cocar que marca onde índio está enterrado. A disputa pelas terras une os dois lados por uma corda. (Foto: João Garrigó)
Sesc Horto recebe espetáculo teatral gratuito na próxima semana
Entre a próxima quinta-feira (1) e sábado (3), o Teatro Prosa do Sesc Horto recebe o espetáculo "Três Vírgula Quatro Graus Na Escala Richter", da Com...
MS participa no mês de julho de feira de artesanato em Pernambuco
Mato Grosso do Sul participa em julho, entre os dias 6 e 16, em Olinda (PE), da Feira Internacional de Negócios do Artesanato, maior evento do setor ...



imagem transparente
Busca

Compartilhe

Classificados


Copyright © 2017 - Campo Grande News - Todos os direitos reservados.