A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Terça-feira, 21 de Janeiro de 2020

07/12/2019 08:32

Maluco por tempestade, Maycon põe o pé na estrada para clicar temporais

De mesociclone a red sprite, ele já registrou vários fenômenos da natureza que aconteceu em Mato Grosso do Sul

Alana Portela
Em busca do clique certo, Maycon Zanata foi parar no meio da tempestade em Juti (Foto: Maycon Zanata)Em busca do clique certo, Maycon Zanata foi parar no meio da tempestade em Juti (Foto: Maycon Zanata)

Aos 28 anos, Maycon Zanata é o caçador de tempestade que põe o pé na estrada para fotografar os fenômenos da natureza no céu de Mato Grosso do Sul. Ele é de Dourados, 229 quilômetros de Campo Grande, e desde 2017 resolveu encarar os temporais em busca de uma imagem perfeita para guardar de arquivo e futuramente montar um documentário.

“Fotografo tempestade porque gosto de criar conteúdo e meu sonho é ir para Oklahoma nos Estados Unidos, onde acontece muitos fenômenos, mas preciso de patrocínio. Quero construir conteúdos para vender, fazer exposições. As imagens que fiz aqui no Estado estou produzindo calendários”, conta.

Ele é fotógrafo há cinco anos e revela que sempre gostou das câmeras, pois fazia imagens amadoras para lembrar de momentos importantes e depois se profissionalizou. A primeira tempestade que registrou foi no sítio da família, perto do município onde mora.

“Estava voltando para a casa quando vi uma tempestade forte, que não era comum. Parei o carro no acostamento e fiz as fotos. Era uma nuvem prateleira, que é um paredão de nuvem baixa e acontece quando o céu inteiro está limpo e vem chegando o temporal forte, com rajadas de vento e pode até trazer chuva com granizo”, explica.

Mesociclone que ocorreu em outubro deste ano na região de Dourados (Foto: Maycon Zanata)Mesociclone que ocorreu em outubro deste ano na região de Dourados (Foto: Maycon Zanata)
No mês passado, o caçador conseguiu capturar a imagem de um raio caindo em Dourados (Foto: Maycon Zanata)No mês passado, o caçador conseguiu capturar a imagem de um raio caindo em Dourados (Foto: Maycon Zanata)
Três raios caíram ao mesmo tempo, numa área rural perto de Dourados em outubro deste ano (Foto: Maycon Zanata)Três raios caíram ao mesmo tempo, numa área rural perto de Dourados em outubro deste ano (Foto: Maycon Zanata)

Depois de conseguir as fotos, postou as imagens nas redes socais e recebeu vários comentários. Percebeu que os registros chamaram atenção e passou a estudar meteorologia, para entender mais os fenômenos da natureza. “Li livros de ciências, assisti documentários sobre tornados e tempestades”, relata Maycon.

Se juntou a um grupo de caçadores de tempestades do Estado e passou a enfrentar às estradas, principalmente na primavera e verão. “É quando chove quase todos os dias, geralmente à tarde, e às vezes, consigo pegar até dois temporais. A noite, fotografo raios e já peguei até red sprite em Campo Grande”.

Red sprite são raios vermelhos, que surgem acima das nuvens. “A nuvem está a 12 mil metros do chão e esse fenômeno ocorre entre ela e a parte estrelada do céu. Capturei porque estava fazendo outro ensaio e surgiu a imagem a 200 quilômetros de distância”, recorda o caçador.

Maycon também conseguiu clicar a formação de um mesociclone a 50 quilômetros de Dourados. “É uma rotação de nuvens que pode formar tornado. A tempestade causou estragos na região. Na época o radar meteorológico de tempestades severas estava desligado, então não sabia do evento, aí começaram me mandar mensagem avisando”.

2019 começou com várias tempestades e o fotógrafo registrou uma nuvem baixa levando temporal para perto de Dourados, em fevereiro (Foto: Maycon Zanata)2019 começou com várias tempestades e o fotógrafo registrou uma nuvem baixa levando temporal para perto de Dourados, em fevereiro (Foto: Maycon Zanata)

Na semana passada os moradores de Fátima do Sul registraram um tornado passando pela região e informaram Maycon. No entanto, ele não conseguiu chegar a tempo. “Só no mês passado fotografei 14 tempestades e nesse já foram três. Vou para Ponta Porã, Juti, Naviraí e até Paraguai para caçar essas tempestades”.

Toda vez que vai em busca dos cliques, Maycon se mantém numa distância segura para evitar riscos, principalmente quando cai raios. “Quando começa a cair, entro no carro porque é isolador por conta dos pneus de borrachas e deixo a câmera fotografando no automático do lado de fora”, comenta.

Em 2020, Maycon pretende fazer uma exposição com as imagens que fez nesses anos em Dourados e em Campo Grande.

Curta o Lado B no Facebook e no Instagram

Em Dourados ainda Maycon clicou uma supercélula que é nuvem carregada e pode formar mesociclone (Foto: Maycon Zanata)Em Dourados ainda Maycon clicou uma supercélula que é nuvem carregada e pode formar mesociclone (Foto: Maycon Zanata)
Mais dois raios que caíram ao mesmo tempo, neste ano durante uma tempestade em Dourados (Foto: Maycon Zanata)Mais dois raios que caíram ao mesmo tempo, neste ano durante uma tempestade em Dourados (Foto: Maycon Zanata)
Outra supercélula registrada em outubro de 2019, Dourados(Foto: Maycon Zanata)Outra supercélula registrada em outubro de 2019, Dourados(Foto: Maycon Zanata)
Campo Grande News - Lista Vip WhatsApp
imagem transparente

Classificados


Copyright © 2020 - Campo Grande News - Todos os direitos reservados.