ACOMPANHE-NOS    
ABRIL, QUARTA  01    CAMPO GRANDE 29º

Artes

Vídeo de 1997 revela um Michel Teló bem diferente, do tempo dos bailões

Por Marta Ferreira | 12/12/2011 13:11

Apresentação do programa Som do Mato tem o cantor à frente do grupo Santo Chão, ainda adolescente

Michel Teló em 1997: calça "santropeito", cabelo escorridinho e repertório regional "de verdade" no tempo em que os bailões eram moda. (Foto: Reprodução)
Michel Teló em 1997: calça "santropeito", cabelo escorridinho e repertório regional "de verdade" no tempo em que os bailões eram moda. (Foto: Reprodução)

O ano é 1997, época dos bailões sertanejos em alta em Campo Grande. No vocal, um cantor adolescente, loirinho, meio tímido, mas que já dava trabalho com as “fãs”, como testemunham os colegas do grupo Santo Chão, o segundo do qual Michel Teló fez parte, e que animava festas movidas aos ritmos regionais “de verdade”, o chamamé, a polca, o vanerão.

A origem de Teló está documentada em uma gravação do programa Som do Mato, da TV E, hoje Brasil Pantanal, disponível no You Tube.

Estão lá, em 24 minutos de vídeo, a imagem e a voz de um Michel Teló bem diferente da atual mistura de pop com sertanejo, para muitos um sacrilégio.

Ali, o garoto de 17 anos já tinha alguma estrada, fazia bailes madrugada adentro e comemorava a gravação do primeiro disco com o Santo Chão, em um estúdio improvisado na casa dele.

Na entrevista à apresentadora, a cantora e artista plástica Miska, Michel nem de longe lembra o artista “descolado” de hoje. A calça é no estilo “santropeito”, a camisa é xadrez, porém bem larga e de manga comprida, nada comparável às roupas justinhas de hoje. O cabelo era escorrido, sem os arrepiados modernosos.

Na hora de dançar, mais um contraste. Nada de coreografias sugestivas, apenas o passo marcado com o pé, e olhe lá.

Outro tempo-Diferentes mesmo são as músicas. Naquele tempo, Michel cantava canções como a tradicional “Guri”, uma espécie de hino do cancioneiro do Sul do País, trazido para Mato Grosso do Sul pelos migrantes. O acompanhamento tinha, no máximo, guitarra e sanfona, em contraste com a batida eletrônica de hoje, o tal housenejo.

O sotaque, sulista, evidenciava a origem do cantor. Paranaense, de Medianeira, Michel veio ainda criança para Campo Grande. Aqui, ganhou a primeira gaita aos 12 anos, formou o primeiro grupo, Guri, ainda na escola, gravou pela primeira vez com o paranaense Bailanta, passou pelo Santo Chão, e fez sucesso, mesmo, com o Tradição, do qual saiu em 2009, para a atual carreira de hits de melodia e refrão fáceis.

Por tudo isso, o vídeo do programa Som do Mato se revela uma relíquia para os fãs do cantor.

Confira abaixo o vídeo.