ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
MAIO, DOMINGO  26    CAMPO GRANDE 12º

Comportamento

1ª combatente florestal de MS, Anna entrou no curso para fazer história

Bombeira militar enfrentou diversos desafios, mas não desistiu para inspirar mais mulheres na profissão

Jéssica Fernandes | 31/08/2022 06:27
Anna Brites, de 28 anos, emocionada durante uma das etapas do curso de especialização. (Foto: Arquivo pessoal)
Anna Brites, de 28 anos, emocionada durante uma das etapas do curso de especialização. (Foto: Arquivo pessoal)

Desde o começo do curso de formação do CBMMS (Corpo de Bombeiros Militar de Mato Grosso do Sul), Anna Luiza Brites da Costa, de 28 anos, sabia que enfrentaria incontáveis desafios na profissão. Ela aceitou mais um ao ingressar no Curso de Prevenção e Combate a Incêndios Florestais e terminou a etapa fazendo história como a primeira mulher combatente florestal do Estado.

Entre testes físicos e psicológicos, Anna vivenciou na pele o curso que é considerado um dos mais difíceis do CBMMS. A bombeira militar comenta que ao decidir fazer a especialização sabia que estava entrando para a história da corporação.

“Desde o começo eu sabia que nenhuma outra (mulher) havia tentado. Eu estava ingressando mesmo para fazer história. Houveram aqueles que não queriam ‘deixar’ isso acontecer. Mas não cabe a ninguém deixar ou não deixar. Eu deveria, como diz no nosso meio militar, ‘pagar minha etapa’ e enfrentar todos os mesmos desafios que qualquer outro militar. Então, realizei as mesmas atividades e mostrei que nós mulheres somos capazes”, afirma.

Turma de 2022 do Curso de Prevenção e Combate a Incêndios Florestais. (Foto: Arquivo pessoal)
Turma de 2022 do Curso de Prevenção e Combate a Incêndios Florestais. (Foto: Arquivo pessoal)

O curso, segundo ela, testa a capacidade de quem participa a todo instante. Nesse processo, ela revela que considerou desistir durante uma prova. “O momento específico que esse pensamento veio à tona foi em uma marcha longa que tivemos no início e cogitei que não daria conta. A verdade é que mais do que o esforço físico, por não saber quanto tempo essa marcha levaria, quantos quilômetros a mais marcharíamos, era um desafio psicológico”, frisa.

Anna ressalta que tirou forças do apoio dos familiares. Além disso, a militar diz que pensava nas outras mulheres que representava. “Eu pensava a todo instante que eu não estava ali só por mim. Meu fracasso representaria o fracasso das mulheres, reforçaria o pensamento machista de que aquilo não é pra gente”, comenta.

Neste mês, ela e outros colegas concluíram o curso de especialização. Por ser a primeira combatente florestal, Anna tem sido procurada para falar sobre a experiência que sente orgulho em compartilhar. Contudo, ela confessa que não esperava receber tanta atenção. “Eu não esperava a repercussão toda de agora. Muita gente falando sobre, dando entrevistas, ‘ficando famosa’, mas eu acho importante mesmo falar disso. Foi difícil sim e eu não posso menosprezar”, destaca.

Bombeira Militar durante ocorrência em zona florestal. (Foto: Arquivo pessoal)
Bombeira Militar durante ocorrência em zona florestal. (Foto: Arquivo pessoal)

O começo na carreira militar - Embora não cogitasse ser bombeira na infância, o interesse em ser combatente florestal partiu de memórias que ela guarda desse período. Anna fala sobre o ambiente onde brincava com o pai e que hoje é seu local de trabalho.

“O que me atraiu também para esta área são as memórias que me remetem ao meu falecido pai. Ele faleceu quando eu tinha 14 anos. Ele sempre gostou do mato e me levava em pescarias, me incentivava a brincar nas árvores, subir barrancos, nadar, andar a cavalo e eu me divertia ajudando ele nas atividades da chácara”, conta.

Em 2020, Anna entrou para o curso de formação do CBMMS e se tornou soldado em março de 2021. Já em 2022, ela deu os primeiros passos rumo à especialização concluída neste mês.

Anna passou por provas físicas e psicológicas no processo de especialização. (Foto: Arquivo pessoal)
Anna passou por provas físicas e psicológicas no processo de especialização. (Foto: Arquivo pessoal)

Ela explica a importância de ter essa experiência em prevenção e combate a incêndio florestal. “No âmbito corporativo essa área é uma das mais importantes. Cada ano os incêndios florestais no Pantanal têm ganhado maior visibilidade e nossa atuação para reduzir os efeitos deles é imprescindível”, declara.

No meio militar em que atua, ela comenta que as mulheres ainda são a minoria. “A verdade é que não somos muitas. Nós mulheres ainda não atingimos 10% de todo o efetivo”, afirma. Aos poucos, ela acredita que esse espaço será cada vez mais preenchido por mulheres que também irão representar o CBMMS.

No fim da entrevista, Anna destaca que espera ser exemplo para as próximas bombeiras militares e combatentes florestais que virão.

“Esses tempos uma menininha que caminhava pela rua com a mãe ao me ver fardada, gritou chamando a atenção: “Olha mãe, uma bombeira mulher’. Isso só mostra que ainda somos novidade para muitas. Enquanto criança nunca cogitei ser bombeira por nunca ter visto mulheres bombeiras e não ter esse exemplo para me inspirar, mas não porque não existiam e sim porque eram poucas mesmo. Com certeza sirvo de inspiração e quero continuar servindo”, conclui.

Turma reunida na formatura do curso realizada neste mês. (Foto: Arquivo pessoal)
Turma reunida na formatura do curso realizada neste mês. (Foto: Arquivo pessoal)
Anna ao lado da noiva, que também é militar. (Foto: Arquivo pessoal)
Anna ao lado da noiva, que também é militar. (Foto: Arquivo pessoal)
Bombeira militar celebrou conquista com a mãe e a filha. (Foto: Arquivo pessoal)
Bombeira militar celebrou conquista com a mãe e a filha. (Foto: Arquivo pessoal)

Acompanhe o Lado B no Instagram @ladobcgoficial, Facebook e Twitter. Tem pauta para sugerir? Mande nas redes sociais ou no Direto das Ruas através do WhatsApp (67) 99669-9563 (chame aqui).

Nos siga no Google Notícias