A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Terça-feira, 15 de Outubro de 2019

21/07/2019 07:35

Ana comemora os 30 anos com vestido lilás, muitas fotos e samba no pé

A menina que um dia ouviu que não viveria mais de 10 anos, hoje comemora 30 cheia de vida.

Thailla Torres
Ana sambando em comemoração aos 30 anos de vida. (Foto: Kísie Ainoã)Ana sambando em comemoração aos 30 anos de vida. (Foto: Kísie Ainoã)

Ana Carolina Queiroz Rodrigues, que tem Síndrome de Down, comemorou neste último sábado mais um ano de vida. Nascida em 1989, no interior de Mato Grosso do Sul, sem internet, rede social ou escolas munidas de preparação para atendê-la, ela e a mãe ouviram que sua expectativa de vida não iria tão longe. Ontem, ela sorriu e sambou no seu 30º aniversário para comemorar três décadas desmentindo a previsão pessimista.

Ana é uma mulher, sem qualquer necessidade de outra definição. Isso porque cresceu ao lado de uma família preparada para fazer acreditar que poderia ser como qualquer outra garotinha. Aos 30 anos e com saúde perfeita, ela deixa os momentos de dificuldade no passado para celebrar a vida. “Eu sou forte e quero muita felicidade”, resumiu Ana, enquanto abraçava seus convidados e tirava foto com todos.

“Ana sempre foi uma menina que se deu bem em tudo o que ela fez. Despontou em todas as atividades e nunca houve algo que ela gostasse menos. Talvez, por isso, toda essa energia mora dentro dela. E olha que ela venceu muitos desafios”, disse a mãe, a professora aposentada Rosana Queiroz da Silva Rodrigues, de 58 anos.

Ana comemorou 30 anos neste sábado (20), em Campo Grande. (Foto: Kísie Ainoã)Ana comemorou 30 anos neste sábado (20), em Campo Grande. (Foto: Kísie Ainoã)

Quando Ana veio ao mundo e Rosana recebeu o diagnóstico de Síndrome de Down,  ouviu que a filha não deveria passar dos 10 anos de idade. “Eu fiquei desesperada. Na época, morando no interior, distante da informação e de centros médicos, única coisa que ouvi era que a expectativa de vida era baixa. Só depois, consultando com novos médicos, descobri que os livros estavam ultrapassados e muita coisa era falta de conhecimento”.

Segundo a mãe, ainda sem escolas com estrutura para atender pessoas com deficiência, Ana começou cedo na escola infantil regular. “Não era fácil, mas era o que tinha e nós incentivávamos muito a Ana. Assim ela se alfabetizou aos sete anos e conseguiu terminar o Ensino Médio regular aos 19. Agora, ela estuda para o Enem e realiza diversas atividades”.

Quem passava pelo portão principal da festa, encontrava uma mesa repleta de medalhas que Ana ganhou fazendo esporte. “Ela foi eleita na categoria de natação paraolímpica a atleta do ano e já ganhou inúmeras medalhas. Ela ama nadar e faz tudo com muito amor”, descreve a mãe.

O aniversário da filha nunca passou batido, mas a chegada dos 30 anos não poderia ser tão simples. “Precisava ser uma comemoração à altura da vida de Ana, com muita alegria e cores que ela ama”.

Nem Ana imaginava tamanha decoração e convidados em sua festa. “Quando estávamos nos preparativos, eu falei que talvez ela cairia dura de tanta emoção, mas ela me respondeu que era uma mulher forte e ficaria muito feliz com sua festa”.

E não foi diferente. Ana chegou à sala decorada de casa com um vestido lilás deslumbrante. Na pista de dança recebeu homenagem da mãe e da família. Feliz com toda comemoração, ela decidiu agradecer os convidados e a vida sambando. Dançou à vontade e distribuiu um sorriso gostoso. “A felicidade é tão sincera, que ninguém se atreve a não se emocionar. Eu como mãe fico com meu coração pulando de alegria”.

No dia do aniversário, Rosana diz que seria injusto narrar o passado apenas com lamentações sobre o futuro de Ana e talvez de preconceito ou uma rotina de olhares desinformados. Ela gosta mesmo é de falar o quanto a filha tira de letra toda dificuldade. “Nós pais temos que lutar pelos direitos de nossos filhos, mas precisamos deixar vencerem os desafios. Costuma dizer que tudo muda de acordo com o que você enxerga. Nós sempre tratamos a Ana, primeiramente, como ser humano para que ela tivesse autonomia, vontade e se tornasse uma mulher realizada”, conclui.

Curta o Lado B no Facebook e Instagram.

Ana ao lado da mãe Rosana. (Foto: Kísie Ainoã)Ana ao lado da mãe Rosana. (Foto: Kísie Ainoã)
Ela fez questão de posar com todos os convidados. (Foto: Kísie Ainoã)Ela fez questão de posar com todos os convidados. (Foto: Kísie Ainoã)
Com felicidade a mil, Ana estava radiante na festa. (Foto: Kísie Ainoã)Com felicidade a mil, Ana estava radiante na festa. (Foto: Kísie Ainoã)
imagem transparente

Classificados


Copyright © 2019 - Campo Grande News - Todos os direitos reservados.