ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
JUNHO, SÁBADO  22    CAMPO GRANDE 24º

Comportamento

Elas são maioria em tudo: começo, meio e fim da estrada da vida

Núbia luta há anos para transformar vidas de pessoas, mesmo que muitas estejam no fim de uma caminhada

Thailla Torres | 08/03/2022 08:01
Aos 39 anos, realização de Núbia é usar a profissão para transformar a vida da família e de idosos. (Foto: Paulo Francis)
Aos 39 anos, realização de Núbia é usar a profissão para transformar a vida da família e de idosos. (Foto: Paulo Francis)

Durante a vida, não é preciso uma pesquisa profunda para ver que mulheres são maioria em muitos cenários. Primeiro é no cuidado com os filhos, na fila da vacina, na reunião da escola. Depois, quando surgem as tretas da adolescência e até mesmo as primeiras conquistas. Mas a prova vem quando alguém que essas mulheres amam enfrenta desafios. Seja um familiar, amigo ou um grande amor.

Não é à toa que já mostramos aqui no Lado B, que as mulheres são maioria das escolas até à fila dos presídios. Hoje, vamos mostrar alguém que na estrada da vida, é feliz ao estar presente no começo, meio e fim da jornada do ser humano.

O nome dela é Núbia Daniela De Souza Calaça, de 39 anos. O substantivo guerreira caberia bem no seu sobrenome. Quem olha o sorriso largo e tem a sorte de ouvir de perto sua gargalhada gostosa, nem imagina os perrengues que ela já viveu. Mesmo assim, nada é capaz de fazer Núbia desistir das pessoas, mesma que muitas se sintam no fim da estrada.

Há alguns anos, ela se tornou cuidadora de idosos e passou a transformar a vida de seus pacientes, mostrando que é possível viver e ir contra o sentido tão difundido por aí do que é ser velho.

É claro que na maioria dos casos, os pacientes de Núbia se encontram em um cenário repleto de limitações, mas ela não deixa que a barbárie do abandono seja potencializada pela indiferença aos mais velhos.

Núbia mostrando foto de massagem nos pés de uma das idosas que cuida. (Foto: Thailla Torres)
Núbia mostrando foto de massagem nos pés de uma das idosas que cuida. (Foto: Thailla Torres)

Núbia é mais que uma cuidadora. Tornou-se ao longo do tempo amiga e confidente de seus pacientes, ainda que muitos nem falem mais por conta do Alzheimer e de diferentes limitações. No entanto, o diálogo da cuidadora é feito com o olhar e com o toque.

Independente do cenário, seja a sala de casa ou um restaurante, ela não se acanha em abraçar, conversar durante horas, fazer as mesmas perguntas ou até mesmo sentar no chão para tirar do idoso um sorriso que há tempos vem sendo escondido.

Núbia é do tipo que pega um carro e leva o paciente para tomar um ar fresco ou sentar numa lanchonete para tomar o suco preferido em uma tarde qualquer.

Os anos de experiência também levaram a cuidadora ao patamar de combatente. “Já denunciei muita família por abandono e maus-tratos”, conta. “Também já bati muita boca com familiar que ousava falar mal e menosprezar o idoso. Eu não tenho medo de ninguém, o que eu tenho é amor pelos meus idosos. E na profissão de cuidadora, nossa missão é cuidar do idoso da melhor forma. E o primeiro caminho é o amor.”

Núbia sai de casa de mala pronta para ser mulher, mãe, amiga e cuidadora

A admiração pelo ofício começou em 2000, lembra Núbia, quando esteve acompanhando o pai internado durante 27 dias no Hospital Universitário.

“Eu via assistentes sociais de um lado para o outro à procura de familiares de idosos que ali se encontravam sem acompanhante. Nesse período, eu saía do leito do meu pai para ajudar, dar um banho, trocar uma fralda, dar uma comida, porque via o quanto os enfermeiros estavam corridos e se desdobravam para atender os pacientes.”

Após 27 dias, o pai faleceu, mas antes de morrer, fez um pedido à filha. “Ele queria que eu fizesse uma faculdade, Matemática ou Economia. Optei pela Economia e consegui me formar para realizar o sonho dele. Meu pai foi uma pessoa ausente, mas consegui resgatar mais de 20 anos de vida em 27 dias. Só que, anos mais tarde, eu decidi fazer Técnico em Enfermagem e me apaixonei pela área.”

Núbia na companhia dos filhos, no condomínio onde mora. (Foto: Paulo Francis)
Núbia na companhia dos filhos, no condomínio onde mora. (Foto: Paulo Francis)

À época, Núbia era casada e vivia um relacionamento conturbado com o ex-companheiro. Chegou a sofrer violência doméstica antes de conseguir o divórcio. Sozinha, ouviu que não teria condições de criar os filhos. “Naquela época, afirmei que eu poderia ficar sem comer, mas meus filhos nunca passariam fome.”

Núbia trabalhou na área da limpeza, depois em uma rede de supermercados, até conseguir ser indicada para cuidar de idosos. “Eu abracei uma família que chegou da Polônia com familiar acamado e assim, eu consegui me inserir no mercado.”

Sem nada que desabone os seus cuidados, Núbia viu seu nome rodar hospitais e consultórios de Campo Grande. “Passei a ser indicada por muitos médicos e enfermeiros a diversas famílias.”

Hoje, ela trabalha quase todos os dias, encara plantões de 24 até 72 horas. Divide o tempo com os filhos, o lar e os idosos que cuida. “Tem gente que me pergunta como eu aguento, lembro então que sou sozinha e preciso cuidar dos meus filhos. Isso é minha maior força.”

O trabalho nem sempre é fácil. “Às vezes, fico mais tempo na casa dos idosos, que hoje, são minha segunda família. Mas o meu maior prazer é vê-los todos bem cuidados, ainda que alguns tenham perdido suas referências ou estejam acamados. Todos merecem ter uma rotina de cuidados, amor e carinho.”

A maior dor é a despedida. “Tenho muitas lembranças de idosos que já partiram e outros mudam para outro estado. Meu coração morre de saudade. Lembro-me das histórias, dos aprendizados, dos desafios, do crescimento.”

Se alguém acha que a velhice de alguns não tem mais nada a acrescentar, Núbia bate o pé e discorda. “Eu aprendo muito com eles, todos os dias. Em cada retorno para casa, vivo um renascimento.”

Toda essa força para cuidar idosos e transformar uma fase tão sensível da vida, Núbia também atribui à mãe.

Campo Grande News - Conteúdo de Verdade

Nossa mãe sempre nos ensinou que a arte de ensinar não é só através de um certificado, mas também do amar, tocar e olhar. Ela sempre nos ensinou olhar com o coração e não pela forma rentável. Nós, mulheres, somos a massa capaz de fazer a diferença em qualquer lugar e temos de lutar juntas por isso. Cuidar é que me torna uma mulher mais feliz.”

Além de Núbia, uma irmã e duas sobrinhas também são cuidadoras experientes. Agora, até a filha de 18 anos decidiu encarar a mesma jornada, orgulhosa da transformação feita pela mãe.

Acompanhe o Lado B no Facebook, Instagram do Lado B e Twitter. Tem pauta para sugerir? Mande nas redes sociais ou no Direto das Ruas através do WhatsApp (67) 99669-9563 (chame aqui).

Nos siga no Google Notícias