ACOMPANHE-NOS    
AGOSTO, TERÇA  16    CAMPO GRANDE 18º

Comportamento

Gato vai morar em escola durante pandemia e vira “recepcionista”

Emei Aero Rancho ganhou um novo aliado dos alunos e colaboradores durante a pandemia

Por Thailla Torres | 20/01/2022 07:28
Gato está por todos os cantos da escola e até recepciona alunos. (Foto: Reprodução Instagram)
Gato está por todos os cantos da escola e até recepciona alunos. (Foto: Reprodução Instagram)

Desde o início da pandemia, em 2020, quando as atividades presenciais em escolas e creches foram suspensas, mas educadores e colaboradores voltaram às unidades para trabalhar presencialmente, a diretora da Emei (Escola Municipal de Educação Infantil) Aero Rancho, Elisangela Melo, 48 anos, se deparou com um novo visitante pelo jardim da unidade: um gato fofíssimo.

Ele aparecia e desaparecia quase todos os dias, até que passou a frequentar mais a escola e foi ficando, como se tivesse escolhido a instituição pública para morar. Foi então que os colaboradores da unidade começaram a cuidar do animal, que foi levado ao veterinário, recebeu vacinas e teve sua saúde avaliada.

No inverno daquele ano, funcionários compraram até caminha para que ele dormisse e se aquecesse. Para os funcionários, a presença do gato foi transformadora. “Naquele período, é como se ele soubesse que estávamos carentes de afeto e alegria que só as crianças por aqui nos dão. Então, a gente foi criando laços com ele. Eu amo gatos e tê-lo aqui nos deixou mais feliz”.

No Instagram da Emei, ele virou uma estrela. (Foto: Reprodução Redes Sociais)
No Instagram da Emei, ele virou uma estrela. (Foto: Reprodução Redes Sociais)

Quando o retorno às escolas municipais de educação infantil  foi liberado em 2021, os alunos foram recepcionados pelo gato que, ao longo dos meses, ganhou nome de Chile.

“É incrível, ele não saiu mais da escola. Quando as crianças voltaram, até suspeitamos que ele sumisse e buscaria outro cantinho para morar, por ver tanta gente por perto, mas ele ficou e virou o maior xodó dos alunos”.

A diretora conta que além dos alunos, pais também ficaram encantados com a presença do gato, que virou modelo para fotos, motivo de carinho e sorriso para a criançada. Alguns alunos, que têm gatos e cachorros em casa, pediram aos pais para levar ração à escola para doar ao gatinho.

“Todo mundo quer cuidar e colaborar com o Chile. Ele mudou a nossa rotina”, diz a diretora.

O gato também foi fundamental para o retorno das crianças, que tiveram que se adaptar com distanciamento em salas de aula, uso obrigatório de máscara, higienização constante das mãos e até mesmo com a escola. “Eles ficaram meses longe das salas de aula, dos amiguinhos, dos professores. Foi realmente um momento de adaptação e, sem dúvidas, o Chile acabou tornando esse momento mais leve”.

Na recepção dos alunos no dia a dia, nem sempre Chile está junto, mas quando aparece na porta, fica ali no pé dos colaboradores. Os alunos passa e dão “oi”, “bom dia” com a maior atenção.

Chile descansando na moto da secretária da escola. (Foto: Reprodução Redes Sociais)
Chile descansando na moto da secretária da escola. (Foto: Reprodução Redes Sociais)

Curta o Lado B no Facebook. Tem uma pauta bacana para sugerir? Mande pelas redes sociais, e-mail: ladob@news.com.br ou no Direto das Ruas através do WhatsApp do Campo Grande News (67) 99669-9563.

Nos siga no Google Notícias