A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Terça-feira, 18 de Setembro de 2018

07/02/2017 08:29

Grupo de dança ensina zumba para ajudar no tratamento de vendedor com câncer

Thailla Torres
Patrícia é quem acompanha o marido em todos os procedimentos. (Foto: Arquivo Pessoal)Patrícia é quem acompanha o marido em todos os procedimentos. (Foto: Arquivo Pessoal)

As dores do tratamento limitam Tiago no trabalho, mas nada é capaz de lhe tirar o sorriso. Apesar do jeito quieto, otimismo é palavra certa para quem está há três anos na luta contra o câncer. Sempre de mãos dadas com a esposa, Patrícia Barbosa, além do apoio da família, agora Tiago tem ajuda de amigos que vão dar aula de zumba na Orla Morena para ajudar nos custos do tratamento.

A aula de dança solidária será realizada amanhã (8), às 19h, na Orla. Quem quiser aprender, basta entrar na dança, mas o pedido é pela colaboração de R$ 10,00. A ideia surgiu dentro das aulas da academia onde Patrícia faz dança e ficou tempo afastada para ajudar o marido. Depois de abrir o coração para os colegas, alunos e professores decidiram fazer uma hora de aula ao ar livre.

O valor não é nada fora da realidade, mas pode transformar a vida de Tiago. Apesar de ter plano de saúde, os tratamentos foram intensificados e novos procedimentos serão custeados pela família. 

E apesar das dores, nada tira o sorriso de Tiago. (Foto: Arquivo Pessoal)E apesar das dores, nada tira o sorriso de Tiago. (Foto: Arquivo Pessoal)

Quem conta a história de luta e perseverança é a esposa Patrícia, que está buscando poupar o marido de qualquer esforço. "Ele está muito fragilizado e vai precisar passar por outros exames, então tudo que ele precisa é repouso", diz. 

São três anos de altos e baixos, diz Patrícia. A doença foi descoberta depois de muitas dores. "Ele não sentia fome, sentia dor e ficou bem magrinho. Os exames não mostravam nada, mas um dia, ele estava deitado e sentiu uma diferença no corpo. Foi aí que descobriu a doença no rim esquerdo". 

Com o diagnóstico, Tiago foi operado em 10 dias. Mas precisou continuar o tratamento, pois a doença atingiu o pâncreas e os pulmões. "Ele passou a tomar medicação que foi deixando a doença estável. Começou a quimioterapia, que no início não deu tantas reações, mas com o tempo algumas coisas foram mudando", lembra. 

As diferenças que Tiago via e sentia no corpo não tinham tanto peso, quanto a indisposição por conta do tratamento. "Ele ficou com os pelos do corpo e cabelos brancos, teve feridas na boca que não deixavam ele comer e beber. Mas nada disso incomodava ele, quanto ficar sem trabalhar", diz a esposa. 

Mas aos poucos o organismo foi ficando fraco e uma nova cirurgia teve de ser descartada. "Em 2015 ele já não obteve tanto sucesso no tratamento. O médico chegou a conclusão que ele não tinha condições de receber a quimioterapia e muito menos a cirurgia, porque a situação era grave", conta.

Em busca de resultados bons, Tiago passou a encarar um novo tratamento, dessa vez com um nutrólogo. "O primeiro passo desse especialista é fortalecer o organismo dele. Serão vários procedimentos e um deles é o mega dose de vitamina C, onde cada sessão custa R$ 700,00. Os procedimentos têm um custo alto, mas a gente vai tentar de tudo para ver ele bem", afirma a esposa.

A torcida é para qu, pelo menos, as dores acabem. "Ele sente dor todos os dias. Mas independente disso, eu só vejo ele de cabeça erguida, sempre encarando a doença como uma batalha. É claro que a gente vê o sofrimento, mas a persistência dele é muito maior". 

Patrícia também agradece aos amigos, que se tornaram ponto de apoio para quem nunca pensou em desistir. "Agradecemos a Deus e acredito que temos anjos na terra. E são essas pessoas que de alguma forma questionam, nos atendem e nos ajudam, que fortalecem ele todos os dias", declara.

Quem quiser ajudar, o grupo de dança dará aulas de zumba na quarta-feira (8) às 19h, no teatro de arena da Orla Morena.

Curta o Lado B no Facebook.



imagem transparente

Classificados


Copyright © 2018 - Campo Grande News - Todos os direitos reservados.