ACOMPANHE-NOS    
JULHO, QUINTA  29    CAMPO GRANDE 13º

Comportamento

Irmãs procuram vestido de crochê, única lembrança da mãe que morreu

Elas dizem que são capazes de pagar recompensa, pois peça foi levada em assalto à residência no Rita Vieira

Por Thailla Torres | 27/03/2021 07:15
Irmãs e mulheres da família ao lado de dona Marileide, que era crocheteira de mão cheia. (Foto: Arquivo Pessoal)
Irmãs e mulheres da família ao lado de dona Marileide, que era crocheteira de mão cheia. (Foto: Arquivo Pessoal)

Desde o dia 20 de março as irmãs Gisele, Gisleide e Gisleyne não dormem tranquilas e também não param de pensar no sorriso da mãe que amava fazer crochê e presentar a família com roupas feitas por ela.

As três irmãs são unidas e no último sábado perderam uma das maiores lembranças da mãe, que morreu há três anos. A casa da irmã Gisleyne foi assaltada no Rita Vieira, ela perdeu muitos itens pessoais para os bandidos, mas nada doeu mais do que abrir o guarda-roupa e ver que o vestido amarelo longo feito pela mãe havia sido levado.

“Foi uma das peças que a minha mãe fez com muito carinho e deixou para minha irmã, era a principal lembrança dela. Minha irmã, que ainda sofre com a despedida da nossa mãe, também está sofrendo muito por ter perdido o vestido”, explica a auxiliar administrativa Gisele da Silva Ferreira, de 35 anos.

Esse é o vestido que as irmãs procuram. (Foto: Arquivo Pessoal)
Esse é o vestido que as irmãs procuram. (Foto: Arquivo Pessoal)

Para tentar encontrar a roupa Gisele recorreu às redes sociais. Publicou em diferentes grupos um trecho da história e pediu ajuda para encontrar a peça. Até o momento só conseguiu compartilhamento, nada do paradeiro da roupa.

Gisele diz que está disposta a pagar pela peça caso alguém esteja vendendo. “Às vezes, alguém repassou a roupa pra frente, essa é a nossa esperança. Eu até compro se for possível, tudo para que minha irmã não fique sem essa lembrança”.

A admiração pelas peças de crochê é o ficou da mãe, Marileide da Silva Ferreira, que morreu aos 52 anos, em 2018, vítima de um erro médico durante cirurgia, segundo a filha.

Marileide estava bem quando entrou para uma cirurgia de retirada de pedra na vesícula naquele ano. “Internamos ela no sábado e a enterramos na segunda”, lembra Gisele. Segundo a filha, o médico perfurou o intestino da mãe, que não resistiu às complicações e faleceu. “Na época até pensamos em buscar nossos direitos, mas era muita burocracia e nada do que eu fizesse iria trazer nossa mãe de novo”.

Por isso, os crochês pela casa e que ainda estão no guarda-roupa são lembranças mais que especiais. “Ela amava crochê, tentou ensinar e convencer as filhas a fazerem, mas nenhuma quis, porém, sempre fomos admiradoras do trabalho dela. Nossa mãe era uma mulher feliz e talentosa. Até hoje tenho os vestidinhos que ela fez pra minha filha”, conta.

Encontrar o vestido é o que Gisele mais quer a partir de agora. “Ele é PP, não é em todo mundo que serve, por isso, temos esperança de que alguém devolva. É um vestido único e com valor sentimental muito grande”.

Quem tiver notícias ou souber do vestido amarelo longo feito de crochê, pode entrar em contato com Gisele pelo WhastApp no (67) 99163-0526.

Curta o Lado B no Facebook e no Instagram. Tem uma pauta bacana para sugerir? Mande pelas redes sociais, e-mail: ladob@news.com.br ou no Direto das Ruas através do WhatsApp do Campo Grande News (67) 99669-9563.

Nos siga no Google Notícias
Regras de comentário