ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
ABRIL, SEXTA  12    CAMPO GRANDE 24º

Comportamento

Lembra dos camelôs nas ruas? Veja como era o comércio no passado

Fotografias do Arca mostram faces desenvolvimento econômico em Campo Grande

Por Aletheya Alves | 29/02/2024 07:50
Rua Barão do Rio Branco com a presença de camelôs. (Foto: Arquivo/Arca)
Rua Barão do Rio Branco com a presença de camelôs. (Foto: Arquivo/Arca)

Conforme Campo Grande se desenvolvia economicamente, mudanças foram sendo adotadas na paisagem da Capital. Os camelôs que apareciam nas fotografias de ruas e o orgulho das frotas de carros de comerciantes ficaram no passado, mas, a partir dos registros ,o #TBT de hoje (29) é para relembrar como o comércio da cidade era no século passado.

Em 1998, o Arca (Arquivo Histórico de Campo Grande) reuniu uma série de fotografias para ilustrar a evolução de Campo Grande no setor do comércio. Mas, antes mesmo do século XX chegar, a cidade já começava a receber algumas atividades comerciais e contava com primeiros negócios imobiliários.

No início do século, entre 1905 e 1920, o comércio era realmente tomado por vendas de posses de terras. De acordo com os registros, José Antonio Pereira comprou um roçado por 30 mil réis e deu início à primeira transação comercial no que se tornaria a vila de Santo Antonio de Campo Grande.

Por volta de 1912, a cidade tinha 200 casas de negócios com armazéns de fazendas, mercearias, tavernas e farmácias. Em setembro de 1914, Manoel Suarez e Irmãos registraram hotel na Praça Municipal, esquina com a Avenida Afonso Pena.

Entre 1920 e 1930, o maior centro comercial da cidade ficava no espaço entre a 26 de Agosto, Avenida Mato Grosso, Calógeras e 13 de Maio.

Arados com tração animal eram usados pelos pioneiros na produção agrícola (Foto: Arquivo/Arca)
Arados com tração animal eram usados pelos pioneiros na produção agrícola (Foto: Arquivo/Arca)
Matadouro Público ficava localizado na região da Rua Anhanduí. (Foto: Arquivo/Arca)
Matadouro Público ficava localizado na região da Rua Anhanduí. (Foto: Arquivo/Arca)
Na Rua 14 de Julho, as casas comerciais atendiam principalmente os fazendeiros em 1935. (Foto: Arquivo/Arca)
Na Rua 14 de Julho, as casas comerciais atendiam principalmente os fazendeiros em 1935. (Foto: Arquivo/Arca)
Registro da frota de veículos usados por comerciante na Rua 26 de Agosto. (Foto: Arquivo/Arca)
Registro da frota de veículos usados por comerciante na Rua 26 de Agosto. (Foto: Arquivo/Arca)

Nesse período, o destaque era para a participação das colônias sírio-libanesa, portuguesa, espanhola e italiana. “A maioria dos comerciantes dedicava-se à venda de secos e molhados, negociando tecidos, armarinhos, chapéus e perfumaria”, diz a publicação.

Exemplos citados pelo Arca são as empresas Augusto Wolfes no ramo de relojoaria, fotografia, comissões e consignações; além de José Passarelli na venda de artigos de escritório, jornais e livraria.

Durante a passagem entre 1930 e 1940, há um aumento no número de farmácias, padarias, comércio de gado e derivados. Referência de localização na cidade, o Matadouro Público foi registrado em 1934 por uma sociedade entre brasileiros e uruguaios.

No final da década, a cidade contava com a venda de diamantes entre Mato Grosso e Rio de Janeiro. Outro exemplo do setor econômico é o Hotel Colombo em 1936 com bar, restaurante e comércio em geral.

Na década de 1950, os edifícios São Felipe e Kondorfer eram referências comerciais. (Foto: Arquivo/Arca)
Na década de 1950, os edifícios São Felipe e Kondorfer eram referências comerciais. (Foto: Arquivo/Arca)
Esquina da Dom Aquino e 14 de Julho já era região comercial importante. (Foto: Elio Taveira/Arca)
Esquina da Dom Aquino e 14 de Julho já era região comercial importante. (Foto: Elio Taveira/Arca)
Clientes no Mercadão Municipal, que continua sendo um dos pontos principais da cidade. (Foto: Arquivo/Arca)
Clientes no Mercadão Municipal, que continua sendo um dos pontos principais da cidade. (Foto: Arquivo/Arca)

“Em 1947, a indústria tinha 244 estabelecimentos e o comércio atingia 665 empresas. Em 1949, havia 600 telefones instalados. Em 1950, o município já se destacava concentrando 16,3% do total das empresas comerciais do Estado”, descreve o Arca.

Foi nesse período, em 1949, que as Casas Pernambucanas chegavam a Campo Grande. Na década de 1950, Campo Grande recebia investimentos de comerciantes de São Paulo e do Rio de Janeiro. E um fator curioso é que as mulheres apenas abriam os comércios autorizadas pelos seus maridos, conforme cláusula em contratos.

Com a chegada de 1960, a cidade contava com 16 bancos, 1545 estabelecimentos comerciais e 295 indústrias. Falando dos dez anos seguintes, o destaque era para a soja e criação de gado. “Incrementava-se o setor de turismo e transporte sendo que o final da década marcava o início de um surto desenvolvimentista motivado pela divisão do Estado em 1977”.

Nas duas décadas finais do século, o destaque era para o aumento no comércio varejista e atacadista de supermercados. “Em 1996, o município tinha 720 estabelecimentos atacadistas, 251 deles no ramo alimentício. No comércio varejista, 33% das 8.200 empresas também eram do setor de alimentação. Na sequÊncia, aparecia o comércio de vestuário e usos diversos, com 1764 e cerca de 1 mil estabelecimentos comercializavam veículos, peças e acessórios”.

E, completando o século, as cenas de camelôs nas ruas da cidade se espalhavam tanto ao ponto de que um espaço apenas para os vendedores foi criado. Fechando a década de 1990, em 1998, o Camelódromo foi inaugurado.

Acompanhe o Lado B no Instagram @ladobcgoficial, Facebook e Twitter. Tem pauta para sugerir? Mande nas redes sociais ou no Direto das Ruas através do WhatsApp (67) 99669-9563 (chame aqui).

Receba as principais notícias do Estado pelo Whats. Clique aqui para entrar na lista VIP do Campo Grande News.

Nos siga no Google Notícias