ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
MAIO, SEXTA  24    CAMPO GRANDE 18º

Comportamento

Na "arte" dos nossos avós, contação de histórias vira profissão de Josi

Com talento natural, ela agora inspira outros a também serem bons contadores em um curso on-line e gratuito marcado para março

Raul Delvizio | 22/02/2021 08:37
Josi durante uma apresentação anterior à pandemia do novo coronavírus (Foto: Arquivo Pessoal)
Josi durante uma apresentação anterior à pandemia do novo coronavírus (Foto: Arquivo Pessoal)

Contar histórias. Escritas, lidas, ouvidas e faladas. Um hábito milenar que, nos dias de hoje, parece uma forma de "arte" distante da gente, que mais relembra os tempos dos nossos avós. Porém, para a bibliotecária Josiane  de Oliveira de 46 anos, uma atividade apaixonante que se transformou em profissão.

Na velhice, os passos são lentos porque carrega uma criança, um jovem e um adulto na própria história..."

"Contar histórias é reviver memórias, lembranças, cheiros, sabores, vivências. Ouvi-las também, e isso transforma! Muda a forma de ver as coisas, as pessoas, a vida. Criamos imagens, refletimos, sonhamos", considera. Será que o Lado B, assim como ela, tem esse hábito como prática? Esperamos que sim.

Aos 46 anos, largou a biblioteconomia para seguir a atividade de contadora (Foto: Arquivo Pessoal)
Aos 46 anos, largou a biblioteconomia para seguir a atividade de contadora (Foto: Arquivo Pessoal)

Desde que era menina, Josi sempre se interessou pela arte das palavras. "Quando aprendi a ler, lembro uma vez a professora levou uma caixa cheia de livros e  eu escolhi o maior. Queria que a história não acabasse nunca!".

Quando adolescente, seu refúgio era a biblioteca – até que virou carreira. Acabou por entrar no curso de biblioteconomia da UFPR (Universidade Federal do Paraná) e, assim que formada e na chance do primeiro emprego, se vestiu na função social de contadora de histórias.

"Mas meu primeiro curso na atividade só foi anos mais tarde. Os anos passaram e em 2017 fiz outro. A coragem de abrir a boca e revelar palavras foi maior que o medo de contá-las. Passei a dar voz às lidas e sentidas, e pude testemunhar o brilho nos outros dos outros a cada história", ressalta.

Fazendo cursos on-line, Josi foi se aperfeiçoando na prática (Foto: Arquivo Pessoal)
Fazendo cursos on-line, Josi foi se aperfeiçoando na prática (Foto: Arquivo Pessoal)

Com a pandemia da covid-19, Josi perdeu o emprego. Então as pessoas a incentivavam: "você tem que investir nesse tipo de trabalho, você é ótima!" e ela acreditou. "Passei a estudar ainda mais, criei um canal no YouTube e comecei a postar vídeos. Aprendi ao mesmo tempo que fazia. Hoje sinto que estou de fato lapidada", opina.

Aqui, em mais uma contação (Foto: Arquivo Pessoal)
Aqui, em mais uma contação (Foto: Arquivo Pessoal)

Arte dos nossos avós – "Nós somos a história viva dos nossos antepassados. Com a idade, ficamos mais saudosos, lembramos das coisas com mais simplicidade, calmaria, amor... por isso que é tão delicioso sentar ao lado de um senhorzinho ou uma senhorinha e ouvir. São histórias contadas em candura, pela experiência, coragem e alegria vivenciadas", explica.

Mas o que é preciso para ser mestre na hora da contação? "Primeiro é preciso encontrar o seu 'eu' de contador, receber a história para poder, então, compartilhá-la ao mundo. Não é preciso ser ator. Não é preciso encenar ou atuar. Mas há sim uma linha tênue entre as duas coisas. A dica de ouro, para mim, é saber a resposta para a pergunta: 'por que eu quero contar esta história?'. Afinal, o que a história vai despertar no outro? Tem que pensar na estrutura da narração e respeitá-la. Porém, uma mesma história fica diferente na boca de vários contadores. A beleza está na imaginação, no tom da voz, nos silêncios e pausas... é isto que faz uma história ficar especial", esclarece.

Não só para crianças, mas Josi conta histórias de todas as idades (Foto: Arquivo Pessoal)
Não só para crianças, mas Josi conta histórias de todas as idades (Foto: Arquivo Pessoal)

Formação gratuita – Em dez mini oficinas on-line cada uma com 10 horas/aula, o curso "Formando Contadores de Histórias" acontece de março a abril e promove a introdução para essa arte milenar. São três instrutores, incluindo Josiane, que promoverão gratuitamente desde a contação, passando pela atuação até preparação vocal. Na ocasião, serão emitidos certificados aos participantes.

"Qualquer pessoa maior de 16 anos, que tenha acesso a internet, se inscreveu em algum dos cursos e instalou o aplicativo Zoom no celular, tablet ou computador, pode participar.  E lógico, aqueles que se interessam em aprender um pouquinho sobre esta linda arte", conta Josi.

As inscrições podem ser realizadas até o dia anterior de cada oficina pelo site oficial com a programação completa. Agende-se: do dia 1º de março até 21 de abril.

Curta o Lado B no Facebook e no Instagram. Tem uma pauta bacana para sugerir? Mande pelas redes sociais, e-mail: ladob@news.com.br ou no Direto das Ruas através do WhatsApp do Campo Grande News (67) 99669-9563.

Nos siga no Google Notícias