ACOMPANHE-NOS    
AGOSTO, QUARTA  17    CAMPO GRANDE 25º

Comportamento

Na saída da consulta, pai abraça filha que não via há 29 anos

Ronaldo viu a filha pela última vez quando ela tinha oito meses de vida

Por Jéssica Fernandes | 04/07/2022 11:16
Ronaldo e Maria Lusia no reencontro desta segunda-feira, 04. (Foto: Henrique Kawaminami)
Ronaldo e Maria Lusia no reencontro desta segunda-feira, 04. (Foto: Henrique Kawaminami)

O primeiro abraço entre filha e pai demorou 29 anos para acontecer. Durante esse tempo, Maria Lusia da Silva e Ronaldo Gonçalves, de 44 anos, buscaram um ao outro através das redes sociais e parentes em comum. Ambos deram fim a distância que os separavam nesta segunda-feira, na Santa Casa, em Campo Grande.

O Lado B esteve presente no reencontro e acompanhou a espera de Maria Lusia pelo pai nas dependências do hospital. Ronaldo veio de Três Lagoas, a 327 km de Campo Grande, para realizar uma consulta e rever a filha mais velha.

Por cerca de 20 minutos, os dois ligaram um para o outro na tentativa de acharem o ponto certo para o encontro. A cada telefonema, a atendente de padaria não escondia o nervosismo e sorria ao ouvir a voz dele através do aparelho. Após dizer que estava ansiosa, ela revela que sentia medo de ter sido esquecida. “Eu tô muito nervosa. Na verdade tinha medo, porque achei que ele tinha cansado de me procurar”, diz.

Ao ver o pai, a atendente ficou bastante emocionada. (Foto: Henrique Kawaminami)
Ao ver o pai, a atendente ficou bastante emocionada. (Foto: Henrique Kawaminami)

Após sair da entrada principal do hospital, Maria Lusia desceu as escadas sentido a Rua Rui Barbosa, porém percebeu que o pai também não estava ali. Ao receber outra ligação, a atendente desceu mais um lance de escadas e seguiu para a Rua 13 de Maio onde finalmente o avistou.

Na calçada, pai e filha deram um longo abraço. Enquanto Maria Lusia chorava, Ronaldo sorria e dizia: “Nossa, quanto tempo. Que saudade da minha filha”. Já ela, em certo momento, falou: “Agora não vamos nos separar mais”. Entre o vaivém de pedestres que achavam a cena curiosa, os dois continuaram sem se soltar e trocaram palavras que só eles sabem.

Passada a emoção do primeiro momento, Ronaldo expõe que nunca perdeu a esperança em rever a filha. “Procurei bastante. Nunca desisti, jamais. Toda a vida pensei nela, mas a gente trabalha em fazenda, é empregado, então não tem como sair procurando. Naquela época quase não usava internet e, agora que comecei, ela me achou”, relata.

Na calçada, eles conversaram e trocaram palavras de carinho. (Foto: Henrique Kawaminami)
Na calçada, eles conversaram e trocaram palavras de carinho. (Foto: Henrique Kawaminami)

Na semana passada, uma das tias de Maria Lusia conseguiu encontrar o perfil de Ronaldo no Facebook. A partir disso, a atendente entrou em contato com o pai que, por coincidência, tinha uma consulta com o oftalmologista marcada para essa manhã.

Infância longe do pai - Natural de Bodoquena, Maria tinha oito meses quando Ronaldo a viu pela última vez. A atendente explica que na época a mãe veio para Campo Grande após um desentendimento. “Não sei o que aconteceu entre os dois, mas ela simplesmente pegou as coisas dela e eu nunca mais vi meu pai”, lembra.

Ao decorrer dos anos, ela diz que o pai tentou entrar em contato através de parentes, mas sem sucesso. "Ele não sabia como me achar, ele ligava para minha tia para falar comigo, mas minha mãe tinha medo de eu querer ir embora com ele", explica.

Ao decorrer dos anos, Ronaldo tentou achar a filha. (Foto: Henrique Kawaminami)
Ao decorrer dos anos, Ronaldo tentou achar a filha. (Foto: Henrique Kawaminami)

Sem qualquer lembrança ou fotografia do pai, Maria Lusia fala que cresceu sentindo falta dele. "Todo dia dos pais eu chorava com vontade de ver ele, mas eu não podia, não tinha como e não tinha nem ideia", destaca.

Com o apoio do marido, Jackson de Souza, de 26 anos, ela tentou localizar o pai por meio de rádios no interior do Estado. Nesta manhã, Jackson também esteve presente no reencontro e foi quem achou Ronaldo.

Depois das lágrimas, sorrisos e abraços apertados, eles seguiram para tomar um café. Ainda hoje, Ronaldo retorna para Três Lagoas, porém em breve pai e filha deverão marcar mais um encontro.

Pai e filha seguiram juntos para tomar um café. (Foto: Henrique Kawaminami)
Pai e filha seguiram juntos para tomar um café. (Foto: Henrique Kawaminami)

Acompanhe o Lado B no Instagram @ladobcgoficial, Facebook e Twitter. Tem pauta para sugerir? Mande nas redes sociais ou no Direto das Ruas através do WhatsApp (67) 99669-9563 (chame aqui).

Nos siga no Google Notícias