ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
FEVEREIRO, SEGUNDA  26    CAMPO GRANDE 33º

Comportamento

No mês da Síndrome de Down, vacina para Juliano foi presente

Juliano diz que sonha em ver os amigos vacinados e ficar com a namorada quando estiver 100% imunizado

Thailla Torres | 28/03/2021 07:30
Juliano Varela tomou neste sábado a vacina contra a covid-19. (Foto: Caroline Merlo)
Juliano Varela tomou neste sábado a vacina contra a covid-19. (Foto: Caroline Merlo)

Felicidade é o sentimento que tomou conta ontem de Juliano Valera logo quando foi acordado pela mãe, Malu Fernandes, que ficou até o fim da noite de sexta-feira acordada para finalizar o cadastro do filho e levá-lo para tomar a primeira dose da vacina contra a covid-19, que foi liberada neste sábado (27) para pessoas de 18 a 60 anos com comorbidades, incluindo as pessoas com deficiência.

Para quem não sabe, Juliano é emblemático na cidade. Aos 28 anos, ele é o jovem que dá nome a uma das principais instituições de apoio as crianças e adolescentes com Síndrome de Down em Campo Grande, a Associação Juliano Varela, que hoje luta para construir sua nova sede.

Chef de cozinha, youtuber e um apaixonado por tudo o que a sua história de vida representa, Juliano luta ao lado da mãe para que pessoas como ele não fiquem escondidas do mundo pela diferença e se abraçam contra um preconceito que continua na ativa.

Por isso, a contemplação com a vacina fez mãe e filho explodirem de felicidade. Acompanhado da amiga de infância e jornalista Caroline Merlo, Juliano foi até a sala de vacina e se tornou uma das pessoas com Síndrome de Down vacinadas neste sábado.

Juliano saiu radiante da sala de vacina. (Foto: Caroline Merlo)
Juliano saiu radiante da sala de vacina. (Foto: Caroline Merlo)

Foram três horas na fila da UBSF Arnaldo Estevão de Figueiredo à espera da vacina. E nem o sol forte e o calor desanimaram Juliano, que sabia bem a importância daquele momento. “É a vacina para não pegar corona”, explicava.

Quando questionado o que faria depois que tomasse a segunda dose e estivesse imunizado, os olhinhos semicerrados pelo sorriso largo que explodia por trás da máscara quase falavam por ele. “Quero ver minha namorada. Estou namorando. É a Kelly”, contava radiante.

Por crescer em ambiente onde o senso de coletivo é muito presente, ele não escondeu o desconforto ao ver poucos colegas com Síndrome de Down na fila. “Tinha que vacinar todo mundo da minha escola, todos os meus amigos”, pediu.

Após tomar a primeira dose, saiu da sala de vacina direto para o abraço acolhedor da mãe, que também não segurou a emoção.

“O mês de março é um dos mais importantes para quem luta pela causa das pessoas com Síndrome de Down. Esse ano nos trouxe uma grande alegria. Durante o mês deles, conseguiram a liberação da vacina. Sinto que foi o maior presente deste ano, comemorado em nosso coração com muita alegria”, descreveu Malu.

Juliano ao lado da mãe Malu Fernandes, que vibrou com a vacina. (Foto: Caroline Merlo)
Juliano ao lado da mãe Malu Fernandes, que vibrou com a vacina. (Foto: Caroline Merlo)

A mãe, que também é diretora da Associação Juliano Varela, explica que as pessoas com a síndrome tendem a ter baixa imunidade, hipertensão e problemas cardíacos. Por isso, a covid-19 para elas é devastadora. “Estamos cuidando com muito zelo de cada vida. Mas só na Juliano Varela já perdemos três alunos para a covid-19”, conta.

Para manter todos os cuidados, a instituição suspendeu todas as atividades presenciais. A ação que já dura um ano e três meses também impacta em doenças emocionais. “Agora, com a vacina, temos esperança de termos nossos alunos sendo felizes, jogando futebol, nadando, dançando, namorando, vivendo a vida deles como eles merecem viver. Agora eu só tenho que agradecer imensamente por essa liberação. Felicidade é o temo que nos define hoje”, diz Malu.

Para Caroline, que fotografou e registrou em vídeo cada momento até a “picadinha” da vacina, o dia foi uma satisfação inexplicável. “Juliano é meu irmão de coração e vê-lo vacinar é um misto de emoções. Todo mundo está a espera desse dia, de se sentir seguro, mais protegido, com a esperança de que esse pesadelo acabe logo”, finalizou.

Malu, Juliano e Caroline deixando o posto de saúde. (Foto: Caroline Merlo)
Malu, Juliano e Caroline deixando o posto de saúde. (Foto: Caroline Merlo)



Curta o Lado B no Facebook e no Instagram. Tem uma pauta bacana para sugerir? Mande pelas redes sociais, e-mail: ladob@news.com.br ou no Direto das Ruas através do WhatsApp do Campo Grande News (67) 99669-9563.

Nos siga no Google Notícias