ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
FEVEREIRO, SEXTA  23    CAMPO GRANDE 29º

Comportamento

Relógio era tão importante para Renato Rezende, que homenagem emociona família

Médico sofreu ao ver o Relógio da 14 derrubado, lutou para que a réplica fosse construída em homenagem, agora dá nome ao monumento

Thaís Pimenta | 24/08/2018 09:14
Miniatura dada para a filha mais nova, Fabianna, pelo pai. (foto: Thaís Pimenta)
Miniatura dada para a filha mais nova, Fabianna, pelo pai. (foto: Thaís Pimenta)

"O pessoal brincava que o relógio era o quarto filho dele", diz a viúva de Renato Barbosa de Rezende, Maira Lúcia sobre a peça histórica hoje no cruzamento da Afonso Pena com a Calógeras que, novamente revitalizado, vai ganhar o nome do médico já falecido.

Pais de três meninas, Ana Carolina, Renata e Fabianna, a família sempre soube lidar com o pai e esposo multitarefado como médico, presidente do Rotary Clube e um dos fundadores da Associação Médica de Campo Grande .

Sobrinho neto de Vespasiano Martins, Renato é lembrado como um homem saudosista, "de visão, que pensava além dele". "Quando o relógio foi derrubado na 14 de Julho, ele ficou muito triste, sofreu muito. Porque para o pessoal mais velho o monumento era a representação de Campo Grande", lembra ela.

Em 1996, uma  edição do extinto Diário da Serra questionava justamente a falta de um símbolo em Campo Grande, afinal, o antigo marco da Capital havia sido derrubado em 1972 com a justificativa de que atrapalharia o fluxo de carros no Centro. 

Maira, Fabianna, Ana Carolina e Renata foram as mulheres da vida do médico. (Foto: Thaís Pimenta)
Maira, Fabianna, Ana Carolina e Renata foram as mulheres da vida do médico. (Foto: Thaís Pimenta)

Uma pesquisa de opinião provou que era realmente o relógio que deveria representar a cidade. Então, Renato, como presidente do Rotary, assumiu a luta pela construção da réplica na Calógeras. Em um documento escrito pelo próprio médico, ele diz: "Em 27 de agosto de 1996 propus e foi aprovada em reunião do Rotary Clube a inciativa de construímos o Relógio da Calógeras, como homenagem ao centenário de Campo Grande".

Para Maira, Renato sentia-se na obrigação de honrar o que a família havia feito pela cidade. "Me lembro dele questionando a demolição do primeiro relógio, ele questionava que toda a energia, todas as pessoas e eventos que por ali passaram, estariam sendo demolidos junto com o monumento".

Foi por meio de doações que o Relógio voltou para a comemoração dos 100 anos de Campo Grande. Mas uma curiosidade fez com que o monumento continuasse tendo o mesmo valor do passado: o maquinário do relógio era o mesmo do antigo. "Eles encontraram em um garimpo pelos ferros velhos da Prefeitura", lembra a esposa.

A estrutura, antes de tijolos, foi refeita com concreto e ferro pra que "ninguém conseguisse demolir", como brinca Maira.  

Imagem da entrega da Réplica do Relógio. (foto: Thaís Pimenta)
Imagem da entrega da Réplica do Relógio. (foto: Thaís Pimenta)
Relógio será entregue revitalizado à cidade e a família de Renato na segunda-feira. (Foto> Paulo Francis)
Relógio será entregue revitalizado à cidade e a família de Renato na segunda-feira. (Foto> Paulo Francis)

As três filhas se recordam do cuidado que o pai tinha com o tal monumento. "Sempre que nós viajávamos tínhamos que checar se o funcionamento estava perfeito, se as horas estavam certas, e avisar a ele", conta Fabianna.

A cerimônia de entrega emocionou a Renato. "Era uma sensação de dever cumprido", comentam as mulheres da vida do pneumologista. 

Como pai, as filhas recordam-se da atenção, do interesse em conversar para saber como elas estavam. "Ele tinha isso de querer a família sempre junto. Sentava conosco, brincava de especular nossas vidas. Foi um homem muito alegre, de papo pra todo mundo, das crianças até os mais velhos", comentam.

Elas mimavam o pai e ele as mimava de volta - não necessariamente nesta ordem. "O único homem da casa, então imagine como era. Por estar sempre envolvido em muita coisa, quando papai estava em casa a gente fazia de tudo pra ele, em contrapartida nós sabíamos que podíamos contar com ele pra tudo".

Relacionamento permanece vivo no coração de Maira e nas recorações espalhadas pela casa. (Foto: Thaís Pimenta)
Relacionamento permanece vivo no coração de Maira e nas recorações espalhadas pela casa. (Foto: Thaís Pimenta)

Dentre tantos outros projetos assumidos por Renato, elas são pontuais ao dizer que o relógio foi um dos mais especiais para ele. Entretanto, é interessante relembrar alguns dos feitos que provam a identidade solidária do médico. Foi ele quem instalou a primeira CTI da Santa Casa de Campo Grande, logo após se formar na Universidade de São Paulo e se especializar em cirurgia toráxica.

"Teve também o Projeto Esperança,em 1990, quando ele trouxe o maior especialista em tratamento contra as drogas, o argentino Kalina, para Campo Grande, e inspirou projetos tão  importantes quanto Brasil afora. Na época, até mesmo o Paraguai e Bolívia pediram para participarem do projeto", comenta Maira.

Na casa da viúva, uma parede toda é reservada para as lembranças do projeto mais especial do marido. Obras de arte assinadas por artistas regionais recriam o Relógio em diferentes estilos. "Esta placa é original da época da inauguração da réplica. Ele me pediu para guardá-la caso alguém arrancasse a que está instalada no monumento, pois eu poderia 'instalar de novo'", lembra ela.

Placa original, acima, e convite do Centenário de campo Grande.
Placa original, acima, e convite do Centenário de campo Grande.

A história de amor que permanece viva no coração de Maira e nas memórias dispostas pela casa começou antes de tudo isso. Maira tinha 15 anos e morava na mesma rua do estudante de Medicina da USP, que vez ou outra vinha para Campo  Grande ficar com a família. "Nos conhecemos nessa época e começamos namorar com 17 anos. Meu pai era uma fera, na verdade, continua sendo, então o Renato sofreu na mão do sogro", brinca.

O charmoso homem alto, com seu bigode sempre bem cuidado, foi o grande amor da vida de Maira. Em fotos do passado, do início do relacionamento, Maira e Renato já pareciam almas gêmeas. "Eu sempre estive do seu lado. Apoiava ele em todas as suas escolhas malucas de novos projetos. Éramos uma grande dupla. Eu fui a mãe disciplinante, ele o pai bonzinho, e assim seguimos".

Durante a entrega do Relógio revitalizado, que acontece na segunda-feira, às 19h, Maira preparou um curto e sincero discurso de homenagem ao esposo, que com certeza sentiria-se honrado ao saber que o monumento agora tem seu nome. "Ele foi um homem feliz e nós nos emocionamos muito ao receber a notícia da homenagem. Com certeza será um momento emocionante e de muito saudosismo, de saudade", finaliza.

Curta o Lado B no Facebook  e no Instagram.

Nos siga no Google Notícias