ACOMPANHE-NOS    
NOVEMBRO, SEGUNDA  30    CAMPO GRANDE 34º

Comportamento

Sozinha, cabeleireira cuida de 70 animais em casa e pede “socorro”

A cabeleireira cuida sozinha de gatos e cachorros abandonados e está preocupada com as despesas causados por esse cuidado

Por Lucas Mamédio | 04/10/2020 07:20
A preocupação de Grazi nasce da despreocupação de algumas pessoas, das que abandonam animais como se fossem objetos. (Foto: Kísie Ainoã)
A preocupação de Grazi nasce da despreocupação de algumas pessoas, das que abandonam animais como se fossem objetos. (Foto: Kísie Ainoã)

O amor pelos animais não tem limite na casa da Graziela Siqueira Domingues, aliás, na casa só dela não, na da mãe e do marido também. A cabeleireira, de 34 anos, cuida sozinha de mais de 70 animais abandonados, entre gatos e cachorros.

“Hoje eu cuido de 25 gatos e seis cachorros na casa da minha mãe. Na casa do meu marido, onde moro, cuido de cinco cachorros e 24 gatos e alugo uma casa onde fica 11 gatos e 5 cachorros. Eu e minha mãe revezamos pra ir até essa casa que alugo pra cuidar deles, já que meu marido não aceita que eu recolha e traga mais pra casa dele”, explica Grazi.

Chegamos na casa dela, no Jardim Itália, e logo pelo barulho deu para perceber como é uma casa habitada pela felicidade dos animais e pelo amor dela por eles.

“Sempre gostei muito de animais, pois minha mãe sempre teve também quando criança não podia ver na rua que já queria trazer e isso foi crescendo meu amor por eles, sempre eu e minha mãe pegava quando via solto na rua, mas ainda tínhamos pouco”.

Um dos cães resgatados pela cabeleireira. (Foto: Kísie Ainoã)
Um dos cães resgatados pela cabeleireira. (Foto: Kísie Ainoã)

Faz mais ou menos seis anos que esse hábito tomou uma proporção maior, a ponto de Grazi ter que dedicar parte de sua vida a eles. “Alguns cresciam e não conseguimos doar e outros que resgatávamos por serem ariscos não aceitavam um lar”.

O mais impressionante no caso de Grazi é que ela faz tudo isso “sozinha”, sem ajuda de instituições de acolhimento, que geralmente montam parcerias com cuidadores individuais. “Faço isso sozinha sem ajuda de ONGs, apenas com desconto em uma clínica de um parceiro veterinário. Vivo do meu trabalho para todos os cuidados com eles”.

Mas a conta chegou e está chegando a cada dia. “Atualmente não estou dando conta mais sozinha, comecei fazer rifas, pedir ajuda em Facebook porque  hoje já me encontro desesperada com tantas despesas de remédio, ração, consulta. Preciso de ajuda ou pareceria com alguém porque sozinha não vou poder mais fazer isso que gosto pelos animais”.

Atualmente ela pede ajuda para continuar resgatando e cuidando dos animais. (Foto: Kísie Ainoã)
Atualmente ela pede ajuda para continuar resgatando e cuidando dos animais. (Foto: Kísie Ainoã)

A preocupação de Grazi nasce da despreocupação de algumas pessoas, das que abandonam animais como se fossem objetos.

“Gostaria muito que as pessoas tivessem consciência e não descartasse animais na rua como se fosse lixo, porque hoje a lei dá direitos aos animais e queria que isso valesse de alguma forma pra inibir pessoas que fazem isso. É de partir o coração quando você vê animais amarrados sem chance de sair da onde a pessoa deixou para viver, ou quando você vê descarte de gatinhos recém-nascidos nascidos ainda com o umbigo em pleno sol jogados como lixo, isso e desumano”.

Para quem quiser ajudar Grazi, o telefone, que também é WhatsApp é: (67) 99124-0199.

Curta o Lado B no Facebook e no Instagram. Tem uma pauta bacana para sugerir? Mande pelas redes sociais, e-mail: ladob@news.com.br ou no Direto das Ruas através do WhatsApp do Campo Grande News (67) 99669-9563.

Quem quiser ajudar Grazi, o telefone, que também é WhatsApp é: (67) 99124-0199. (Foto: Kísie Ainoã)
Quem quiser ajudar Grazi, o telefone, que também é WhatsApp é: (67) 99124-0199. (Foto: Kísie Ainoã)


Nos siga no Google Notícias