ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
ABRIL, SÁBADO  13    CAMPO GRANDE 30º

Comportamento

Vindos da França e Itália, barcos ligam Corumbá a famosos da história

Fernandes Vieira foi construído em 1867, Etrúria transportou Roquette-Pinto e Guaporé levou Lévi-Strauss

Por Aletheya Alves | 17/02/2024 08:34
Etrúria fopi construído em Gênova e comprado por um comerciante em Corumbá. (Foto: Arquivo)
Etrúria fopi construído em Gênova e comprado por um comerciante em Corumbá. (Foto: Arquivo)

Integrando uma narrativa que corre o Rio Paraguai, Luiz Alfredo Marques Magalhães mostra como as embarcações integram as memórias afetivas de Corumbá. Citando três exemplos, ele conecta a Cidade Branca a personagens como Roquette-Pinto e Lévi-Strauss.

Para o autor, alguns exemplos fazem grande diferença na história regional, sendo eles o Fernandes Vieira, Etrúria e o Guaporé.

No livro, Magalhães conta um pouco sobre cada uma das três embarcações e contextualiza o cenário. Começando pelo Fernandes Vieira, construído em 1867, foi trazido de Toulon, na França. Por ser uma “canhoneira”, ou seja, armada com canhões, foi utilizada na guerra com o Paraguai.

Guaporé foi a embarcação responsável por transportar Lévi-Strauss até Cuiabá. (Foto: Arquivo)
Guaporé foi a embarcação responsável por transportar Lévi-Strauss até Cuiabá. (Foto: Arquivo)
Fernandes Vieira integra a história da guerra contra o Paraguai. (Foto: Arquivo)
Fernandes Vieira integra a história da guerra contra o Paraguai. (Foto: Arquivo)

Já em 1910, o barco foi comprado e adaptado para receber passageiros. Naquela época, fazia o percurso entre Porto Esperança, Corumbá e Cáceres.

“Com o Fernandes Vieira, lendária nave corumbaense, essa emoção parece sintonizada perpetuamente no tempo. Competentes contadores de história - como Augusto Proença e Abílio de Barros - são volta e meia ‘assaltados’ pelo Fernandes Vieira, numa imaginária curva do rio Paraguay”.

A segunda embarcação se conecta com personagens históricos como o professor, antropólogo e ensaísta Roquette-Pinto, considerado o pai da radiodifusão brasileira. De acordo com Magalhães, ele foi transportado em 1917.

Construído em Gênova, na Itália, em 1890, o Etrúria conseguia levar vinte passageiros a cada viagem. “Seu primeiro dono foi o comerciante italiano Geasone Rebuá, radicado em Corumbá”.

Em 1898, foi vendido para a firma José Dulce e Companhia, de São Luiz de Cáceres, proprietária de uma casa comercial famosa na cidade.

Já como terceiro exemplo, o autor conta sobre o barco Guaporé que fez o transporte do antropólogo francês, Lévi-Strauss, até Cuiabá.

“O vapor também penetrava pelos afluentes mais importantes do rio Paraguai; muitas vezes, quando aqueles rios secundários se achavam cheios, arremetia e entrava por tributários como o Nioaque - através do Miranda, para entregar mercadorias e passageiros em suas cidades”, completa o autor sobre o Guaporé.

Acompanhe o Lado B no Instagram @ladobcgoficial, Facebook e Twitter. Tem pauta para sugerir? Mande nas redes sociais ou no Direto das Ruas através do WhatsApp (67) 99669-9563 (chame aqui).

Receba as principais notícias do Estado pelo Whats. Clique aqui para entrar na lista VIP do Campo Grande News.

Nos siga no Google Notícias