ACOMPANHE-NOS    
JUNHO, QUARTA  03    CAMPO GRANDE 18º

Consumo

Advogada larga tudo para vender chapéu e bomba no Instagram

De Rio Verde, a 204 quilômetros de Campo Grande, advogada transformou peça simples em item fashionista entre as blogueiras

Por Thailla Torres | 21/04/2020 08:50
Maria é advogada e trabalha com venda de chapéu há cinco anos. (Foto: Arquivo Pessoal)
Maria é advogada e trabalha com venda de chapéu há cinco anos. (Foto: Arquivo Pessoal)

Maria Luara Manhani Pires, de 28 anos, é advogada nascida em Rio Verde de Mato Grosso, a 204 quilômetros de Campo Grande. Há cinco anos ela se transformou na profissão e colocou mais artesanato na vida. Usando a palha natural, ela e o marido levam cor à cabeça de mulheres com chapéus, que agora são itens fashionistas e peças indispensáveis para fotos instagramáveis de blogueiras.

“Sempre gostei de moda e estilo. Antes de existir o Instagram, eu já ficava ligada em blogs e nas tendências da internet”, conta.

Famosas estão entre as clientes da sul-mato-grossense.
Famosas estão entre as clientes da sul-mato-grossense.

Casada há 15 anos, a família do marido, dona de uma fábrica de chapéus rústicos, convidou Maria para participar da produção. Foi quando ela teve o start de dar um “up” nas peças rústicas e vender chapéu com mais estilo e cor.  “Desde aquela época, eu estava vendo uma tendência de algo colorido na cabeça, com chapéu no estilo Panamá. Foi então que o André, meu marido, que entende tudo de produção, teve a ideia de abrir o Instagram”.

O sucesso não foi imediato, Maria diz que começou aos poucos a inserção da marca sul-mato-grossense, que leva seu nome, no mercado. Timidamente as peças foram chegando às famosas e blogueiras que começavam a olhar diferente para marcas brasileiras e produtos com uma pegada artesanal. “Não tinha tantas opções de vendas de chapéus no Instagram assim como não havia popularidade do uso do acessório para diversas ocasiões”.

Maria conseguiu, usando a internet, transformar o tradicional chapéu de palha em item fashionista, com modelos e cores diferentes. “Com o tempo nosso chapéu foi se tornando objeto de desejo. Procurei tendências lá fora e busquei resgatar o quanto ele é diferente, valoriza qualquer mulher”.

Item faz a cabeça da mulherada com estilo e pegada artesanal. (Foto: Arquivo Pessoal)
Item faz a cabeça da mulherada com estilo e pegada artesanal. (Foto: Arquivo Pessoal)

O que antes era um acessório que só chamava atenção virou negócio sério e fez Maria mudar de vida. “Foi difícil largar a profissão na época, eu ia prestar concurso para a Defensoria Pública, era um desejo, mas decidi encarar um novo negócio. Essa transição foi muito difícil, mas eu não desisti, eu acreditava que era possível transformar algo artesanal em algo grandioso”. Os chapéus, dos mais simples aos extravagantes são feitos de palhas 100% natural, garante a empresária. “De coqueiros das diversas regiões do Brasil”, afirma.

Além disso ela diz que usa e abusa do marketing e da comunicação não só com famoso, mas com os bastidores. “Eu conheço os estilistas das famosas e os fotógrafos, e isso é importante. Foi assim que eu comecei, aos pouquinhos, e fui conquistando nosso público. Estamos organizando uma plataforma com produtos novos que serão lançados em breve, ou seja, não basta só uma blogueira usar, é preciso haver um trabalho envolvido e tenho muito orgulho disso ser feito aqui, em Mato Grosso do Sul”.

Quem quiser conferir o trabalho de Maria, clique aqui.

Curta o Lado B no Facebook e no Instagram. Tem uma pauta bacana para sugerir? Mande pelas redes sociais, e-mail: ladob@news.com.br ou no Direto das Ruas através do WhatsApp do Campo Grande News (67) 99669-9563.


Confira a Galeria de Imagens: