ACOMPANHE-NOS    
DEZEMBRO, SEXTA  03    CAMPO GRANDE 22º

Consumo

Quanto custa ficar nos hotéis que resistem perto da antiga rodoviária?

Apesar da reputação de região “abandonada”, isso não se aplica necessariamente às estruturas dos hotéis

Por Bárbara Cavalcanti | 16/08/2021 06:20
Hotel Iguaçu fica bem em frente à antiga rodoviária. (Foto: Paulo Francis)
Hotel Iguaçu fica bem em frente à antiga rodoviária. (Foto: Paulo Francis)

Entre os diversos comércios da região da antiga rodoviária, há uma variedade de hospedagens, inclusive, diversos hotéis. É nítido que o setor passa por dificuldades: na Dom Aquino, para cada hotel aberto, há outro próximo que está fechado.

Mas a reputação de região “abandonada” não se aplica necessariamente às estruturas dos hotéis, que oferecem quartos com banheiro, ar-condicionado e buffets de café da manhã bem servidos, com a faixa de preço das diárias em torno dos R$ 120 para o casal. Entre os comerciantes, a esperança de tempos melhores está na promessa de reforma do prédio.

De acordo com a comerciante Silmara Cristina dos Santos, de 48 anos, a pandemia só agravou o movimento que já minguava desde o fechamento da rodoviária, em 2010. “A impressão que dá, é que o poder público esqueceu do Bairro Amambaí. O bairro é o mais antigo da cidade, a antiga rodoviária é um prédio que já foi o marco de prosperidade da região e agora está esquecido”, comenta.

Silmara é natural de Marília, no interior de São Paulo e relata que se “aventurou” na área de hospitalidade em 1999, época que descreve como auge do movimento. “Antigamente, eram todo tipo de pessoa, tinham muitas pessoas a trabalho, mas alguns turistas que estavam de passagem para Bonito. Na época, eu sempre trabalhava com 90% da capacidade do hotel, que hoje não chega a 5%”, detalha. Hoje, é a própria Silmara que faz todo serviço de limpeza do local.

“A gente só teve uma noção do impacto, quando a rodoviária fechou. Era realmente muita gente que passava por aqui. A esperança agora, é que a promessa desse projeto de reforma realmente seja cumprida”, acrescentou.

O Hotel Presidente, na Dom Aquino, é mais simples e chega a se assimilar a uma estrutura de hostel, com  opções de quartos com banheiros compartilhados. A diária mais barata, e de acordo com Silmara sem reajuste há quatro anos, é de R$ 35 por pessoa, em um dos quartos com banheiro compartilhado. A suíte fica no valor de R$ 100 para o casal, com ar condicionado e TV. O café da manhã é incluso. O Whatsapp para contato é o (67) 99226-7075.

No Hotel Iguaçu, a suíte fica R$ 120 para o casal, também com café da manhã, TV e internet. De acordo com o gerente Lucas Tortorelli, de 30 anos, o que manteve o hotel vivo, principalmente, durante a pandemia, foram os hóspedes que são funcionários de empresas, que são o perfil principal de viajantes na região. Mais informações estão disponíveis no telefone (67) 3322-4621 ou (67) 99902-4621 .

Um dos quartos do Hotel Iguaçu, com suite, cama de casal e solteiro. (Foto: Paulo Francis)
Um dos quartos do Hotel Iguaçu, com suite, cama de casal e solteiro. (Foto: Paulo Francis)

“As pessoas vêm para cá, porque a localização é boa, mas o que acaba amedrontando é a concentração de usuários de drogas. Eles abordam as pessoas pedindo dinheiro e brigam muito entre si. Eu nunca vi acontecer nada com hóspedes, mas isso acaba intimidando as pessoas e, inclusive, até rende algumas avaliações baixas”, detalhou.

Na Rua Alan Kardec, há duas quadras da antiga rodoviária, fica o Hotel Colonial. A opção mais simples é um quarto de uma cama de solteiro com ventilador, no valor de R$ 70. O preço já vai para R$ 90 nos quartos com ar-condicionado e R$ 120 na suíte para o casal. Em todos, há também TV no quarto e café da manhã incluso na diária. O telefone para contato é o (67) 3382-6061.

Na mesma rua, o Hotel Internacional é um dos mais “caros”, mas também tem a melhor avaliação do site de reservas Booking.com, com a nota de 8.1. Na estrutura, conta até com piscina. No site, o valor da diária para o quarto duplo é de R$ 145, com café da manhã incluso. Todos os detalhes estão disponíveis no telefone (67) 3384-4677.

Na Rua Barão do Rio Branco, o Hotel Papaya já volta a ficar na faixa de preço mais comum da região. As diárias para o casal ficam a partir de R$ 110. Todos os quarto são privativos, com TV e internet e também com café da manhã incluso. O telefone para contato é o (67) 3253-2000.

O Hotel Carandá fica na Rua Joaquim Nabuco, na quadra ao lado da antiga rodoviária. Também é um dos mais simples, com opções de quartos sem e com ar condicionado. A diária mais barata é de R$ 60 no quarto privativo para uma pessoa, sem ar condicionado. A suíte de casal, com ar condicionado, frigobar, TV e wifi fica no valor de R$ 120. Mais informações estão disponíveis no telefone (67) 3382-8384.

Curta o Lado B no Facebook. Tem uma pauta bacana para sugerir? Mande pelas redes sociais, e-mail: ladob@news.com.br ou no Direto das Ruas através do WhatsApp do Campo Grande News (67) 99669-9563.

Nos siga no Google Notícias
Regras de comentário