ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
JULHO, TERÇA  23    CAMPO GRANDE 17º

Diversão

Slam Plural é grito de liberdade para artistas independentes

Na Praça do Rádio, artistas apresentaram poesias sobre amor, racismo, sexualidade e outros temas sociais

Jéssica Fernandes | 14/10/2022 06:54
Isa Ramos foi uma das três juradas da competição na noite de ontem, 13. (Foto: Alex Machado)
Isa Ramos foi uma das três juradas da competição na noite de ontem, 13. (Foto: Alex Machado)

A poesia ecoou e tomou conta da Praça do Rádio na noite de quinta-feira (13). No microfone, artistas declamavam versos sobre temas relacionados à sexualidade, amor, racismo, resistência, arte, machismo e outras denúncias sociais. Na arquibancada, a plateia reagia animada a cada nova rima e performance que trazia potência ao que era dito.

O ‘Slam Plural - Voz para todas, todos e todes’ é o primeiro que ocorre dentro da programação do Festival Campão Cultural. No evento de ontem, 25 poetas se inscreveram para disputar a competição que teve direito a premiação para os três primeiros colocados. Além da batalha de slam, o evento contou com a discotecagem da DJ Ella e as apresentações artísticas de Vogue e Drag Queen.

Idealizado por Luana, Sarah e Júlia Peralta, Ale Coelho, Cel Ventorin e Thainá Sangali, o Slam Plural foi pensado para potencializar a voz daqueles que integram o mesmo grupo. É o que explica a poeta Ale Coelho, de 21 anos.

Evento na Praça do Rádio contou com a discotecagem da DJ Ella. (Foto: Kísie Ainoã)
Evento na Praça do Rádio contou com a discotecagem da DJ Ella. (Foto: Kísie Ainoã)

“A gente idealizou uma batalha de poesias para mulheres e pessoas LGBT. É especificamente para essas pessoas serem ouvidas”, explica. “A cultura LGBT é muito extensa, então a gente tentou colocar o que tem a ver com o nosso slam, que é o da diversidade”, completa Luana Peralta.

A iniciativa do slam também é inédita no Festival Campão Cultural. “É a primeira vez que existe um slam por edital aqui no Campão. É uma responsa. Além de estarmos abrindo, é a nossa primeira apresentação como Slam Plural. É nossa estreia”, comemora Luana. A expectativa, conforme as idealizadoras, é que o coletivo siga atuando em outros locais e cedendo espaço para mais artistas.

O dia também foi de estreia para a jornalista Ana Laura Menegat, de 21 anos. Apesar de escrever poesias desde pequena, Ana ainda não tinha subido ao palco para apresentar a produção autoral. Animada, ela relata o motivo de ter se inscrito.

Ana Laura fala sobre a expectativa de estreiar no slam. (Foto: Kísie Ainoã)
Ana Laura fala sobre a expectativa de estreiar no slam. (Foto: Kísie Ainoã)

“É a primeira vez, estou nervosa, porque eu escrevo muito para ser lida e não ouvida. Pra mim é um pouco novo. Eu descobri que gosto muito de falar, então quero me proporcionar a experiência de ser ouvida sem ter medo”, fala a jornalista.

Para a competição, ela trouxe três poesias que abordam temas como aborto, bissexualidade e  depressão. Em relação à poesia, ela destaca que a arte é o lugar onde consegue se expressar livremente.  “Desde criança fui estimulada pelos meus pais a ler e essa paixão foi se expandido para uma vontade de contar histórias. [...] Encontrei na poesia um lugar onde eu posso ser eu mesma”, comenta.

 Acostumada a se apresentar desde jovem no Slam Camélias, Vanessa Andrade, de 19 anos, viu na apresentação de ontem uma oportunidade de retornar aos palcos após viver um período de afastamento. Sobre o movimento artístico, ela fala que o slam é capaz de gerar identificação e conectar quem declama e quem ouve.

Jornalista preparou três poesias para apresentar no palco. (Foto: Kísie Ainoã)
Jornalista preparou três poesias para apresentar no palco. (Foto: Kísie Ainoã)

“É bom porque tem várias pessoas que se identificam com o que você está escrevendo, não é uma coisa particular. É uma vivência coletiva. Como mulher a gente se identifica, a dor não é individual”, declara.

Acostumada a estar no palco e não no lugar de jurada, Isa Ramos, de 26 anos, foi selecionada para avaliar as apresentações ao lado de outros dois colegas. Ela explica os três critérios estabelecidos para a disputa. “A questão da poesia ser autoral, o tempo e a performance. É um conjunto. Eu quando julgo alguém não julgo a pessoa, mas a poesia dela”, esclarece.

Além da produção autoral, Isa ressalta a importância que a performance tem dentro do slam. “O slam traz muita poesia de denúncia que precisa muito da expressão corporal. [...] Quando tô lançando uma palavra para as pessoas, denunciando coisas polêmicas, políticas e cotidianas eu preciso que elas vejam no meu comportamento que me importo, que fui atravessada por isso. A poesia surge daí, dos atravessamentos da nossa vida cotidiana”, pontua.

Confira a programação completa do Festival Campão Cultural aqui.

Ale Coelho é uma das idealizadoras do Slam Plural. (Foto: Alex Machado)
Ale Coelho é uma das idealizadoras do Slam Plural. (Foto: Alex Machado)

Acompanhe o Lado B no Instagram @ladobcgoficial, Facebook e Twitter. Tem pauta para sugerir? Mande nas redes sociais ou no Direto das Ruas através do WhatsApp (67) 99669-9563 (chame aqui).

Confira a galeria de imagens:

  • Campo Grande News
  • Campo Grande News
  • Campo Grande News
Nos siga no Google Notícias